Visitas domiciliares como estratégias de promoção da saúde pela enfermagem

Jucelia Salgueiro Nascimento, Laís de Miranda Crispim Costa, Regina Maria dos Santos, Danielly Santos dos Anjos

Resumo


Objetivo: Analisar a visita domiciliar realizada pelos enfermeiros da Estratégia Saúde da Família como uma atividade de promoção da saúde. Métodos: Estudo exploratório/descritivo, com abordagem qualitativa. Teve como sujeitos nove enfermeiras das Unidades Básicas de Saúde de Distritos Sanitários, em Maceió-AL. Os dados foram colhidos através de uma entrevista semiestruturada, nos meses de abril a agosto de 2012, e analisados por meio da análise de conteúdo e à luz do referencial teórico da Promoção da Saúde. Resultados: As enfermeiras reconhecem que a visita domiciliar pode ser uma forma de promover a saúde de indivíduos, famílias e comunidade, mas, no cotidiano, a ação continua focando na doença, com ações curativas, de caráter individual, que não leva em consideração o contexto social no qual o usuário e sua família estão inseridos. Conclusão: Considera-se que ainda é incipiente a utilização da visita domiciliar pelas enfermeiras da Estratégia Saúde da Família como uma atividade de promoção da saúde, pois, apesar de reconhecerem a necessidade de reversão do modelo assistencial, na prática, observa-se que o foco das visitas ainda está voltado para o modelo biologicista.

doi:http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2013.p513

Palavras-chave


Visita Domiciliar; Programa Saúde da Família; Atenção Primária a Saúde

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Ministério da Saúde (BR). Manual para a organização da atenção básica. Brasília: Ministério da Saúde; 1998.

Escorel S, Giovanella L, Mendonça MHM, Sena MCM. O Programa Saúde da Família e a construção de um novo modelo para a atenção básica no Brasil. Rev.Panam. Salud. Publica [periódico na internet] 2007[acesso em 2012 Jul 20]; 21(2). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1020-49892007000200011

Brasil. Portaria n. 648/GM, de 28 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica,estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da União; 2006 Mar 28.

Mendes AO, Oliveira FA. Visitas domiciliares pela equipe de saúde da família: reflexões para um olhar ampliado do profissional. Rev. Bras. Med. Fam. e Com.[periódico na internet] 2007 [acesso em 2012 Jul 20];2(8). Disponível em: www.rbmfc.org.br/index.php/rbmfc/article/download/64/55

Gaíva MAM, Siqueira VCA. Visita Domiciliária pelos profissionais da Estratégia Saúde da Família. Cienc Cuid Saúde [periódico na internet] 2011 [acesso em 2013 Abr 01]; 10(4). Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/18313/pdf

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Promoção da Saúde. 2ª ed.. Brasília; 2007. (Série Pactos pela Saúde 2006, v. 7)

Ministério da Saúde (BR). Saúde da Família: uma estratégia para a organização do modelo assistencial.Brasília; 1998.

Fertonani HP, Pires D. Concepção de saúde de usuários da Estratégia Saúde da Família e o novo modelo assistencial. [periódico na internet] 2010 [acesso em2013 Mai 18]; 1(2). Disponível em: http://revista.portalcofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/14/15

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Promoção da Saúde. 3ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Sakata KN, Almeida MCP, Alvarenga AM, Craco PF, Pereira MJB. Concepções da equipe de saúde da família sobre as visitas domiciliares. Rev Bras Enferm [periódico na internet]. 2007 [acesso em 2012 Jul 22];60(6). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v60n6/07.pdf.

Santos EM, Kirschbaum DIR. A trajetória histórica da visita domiciliária no Brasil: uma revisão bibliográfica.Revista Eletrônica de Enfermagem [periódico nainternet]. 2008 [acesso em 2012 Jul 22]; 10(1).Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/v10/n1/v10n1a20.htm.

Kebian LVA, Acioli S. Visita domiciliar: espaço de práticas de cuidado do enfermeiro e do agente comunitário de saúde. Rev Enferm UERJ [periódicona internet] 2011. [acesso em 2013 Mai 02]; 19(3).Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/v19n3/v19n3a11.pdf

Ramos CS, Heck RM, Ceolin T. Perfil do enfermeiro atuante na Estratégia Saúde da Família. Cienc. Cuid. Saúde [periódico na internet]. 2009 [acesso em 2012 Jul 22]; 8(supl.). Disponível em: periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/.../5535.

Turato ER. Tratado da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa: construção teórico-epistemológica,discussão comparada e ampliação nas áreas da saúde ehumanas. 4ª ed. Petrópolis: Vozes; 2010.

Fontanella BJB, Luchesi BM, Saidel MGB, Ricas J, Turato ER, Melo DG. Amostragem em pesquisas qualitativas: proposta de procedimentos para constatar saturação teórica. Cad Saúde Pública [periódicona internet]. 2011 [acesso em 2013 Mai 20];php?pid=S0102-311X2011000200020&script=sci_arttext

Matheus MCC, Fustinoni SM. Pesquisa qualitativa em enfermagem. São Paulo: Livraria Médica Paulista;2006.

Teixeira E. Trilhas para pesquisa em saúde e Enfermagem. 11ª ed. São Paulo: Martinari; 2008.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12ª ed. São Paulo: HUCITEC;2010.

Mitre SM, Andrade EIG, Cotta RMM. Avanços e desafios do acolhimento na operacionalização e qualificação do Sistema Único de Saúde na Atenção Primária: um resgate da produção bibliográfica doBrasil. Ciênc Saúde Coletiva [periódico na internet].2012 [acesso em 2013 Mai 02]; 17(8). Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/csc/v17n8/18.pdf

Lanzoni GMM, Meirelles BHS. A rede de relações e interações da equipe de saúde na atenção básica e implicações para a enfermagem. Acta Paul. Enferm [periódico na internet]. 2012 [acesso em 2013Mai 02]; 25(3). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v25n3/v25n3a23.pdf

Gofin J, Gofin R. Atención primaria orientada a la comunidad: un modelo de salud pública en la atención primaria. Rev Panam Salud Publica [periódico na internet]. 2007 [acesso em 2013 Mai 01]; 21(2-3).Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/rpsp/v21n2-3/12.pdf

Takahashi RF, Oliveira MAC. A visita domiciliária no contexto da saúde da família. In: Brasil IDS. Manual de enfermagem. Brasília: Ministério da Saúde; 2001. p.43-6.

Silva ROL. A visita domiciliar como ação para promoção da saúde da família: um estudo crítico sobre as ações do enfermeiro [tese]. Rio de Janeiro:Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2009.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Política de Saúde. Projeto promoção de saúde: Carta de Ottawa.Brasília: Ministério da Saúde; 2001.

Carvalho AFS, Dias EC. Promoção da saúde no local de trabalho: revisão sistemática da literatura. Rev Bras Promoç Saúde [periódico na internet]. 2012 [acesso em 2013 Mai 01] 25(1). Disponível em: http://www.unifor.br/images/pdfs/rbps/artigo16_2012.1.pdf

Albuquerque ABB, Magalhães BML. Visita domiciliar no âmbito da Estratégia Saúde da Família: percepções de usuários no Município de Fortaleza, Ceará, Brasil.Cad Saúde Pública [periódico na internet]. 2009 [acesso em 2012 Out 15]; 25(5). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v25n5/17.pdf.

Mano MAM. Casa de família: uma reflexão poética sobre a visita domiciliar e a produção de conhecimento. Revista APS [periódico na internet]. 2009 [acesso em 2012 Out 15]; 12(4). Disponível em: http://www.seer.ufjf.br/index.php/aps/article/viewArticle/660

Kawamoto EE, Santos MCM, Mattos T. M. Enfermagem comunitária. São Paulo: E.P.U; 1995.

Faria RHF. O enfermeiro e a visita domiciliar na estratégia de saúde da família. [monografia]. Guarapari:Faculdades Integradas de Jacarepaguá; 2009.

Campos GWS, Guerrero AVP. Manual de práticas de atenção básica: saúde ampliada e compartilhada. São Paulo: HUCITEC; 2008.

Waldow VR. Cuidar: expressão humanizadora da enfermagem. Rio de Janeiro: Vozes; 2006.

Ayres JRC. Cuidado: trabalho e interação nas práticas de saúde. Rio de Janeiro: CEPESC; UERJ/IMS; 2009.

Silva VG. A prática do enfermeiro na estratégia saúde da família no município de Vitória ES [dissertação].Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro;2007.

Sossai LCF, Pinto IC. A visita domiciliária do enfermeiro: fragilidades x potencialidades. Cienc Cuid Saude [periódico na internet]. 2010 [acesso em2012 Out 17]; 9(3). Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/viewFile/6856/6633

Vorpagel MGB, Bonelli WR. Sistematização da Assistência de Enfermagem em Programa de Saúde da Família (PSF): construção de um plano assistencial a partir do diagnóstico comunitário. Saúde Coletiva[periódico na internet]. 2011 [acesso em 2012 Out 17];08 (52). Disponível em: http://redalyc.uaemex.mx/src/inicio/ArtPdfRed.jsp?iCve=84219781004

Polignano MV. Histórias das políticas de saúde noBrasil: uma pequena revisão. In: Cury GE. Cadernos do internato rural. Minas Gerais: Departamento deMedicina Preventiva e Social/Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais; 2000.

Mendes EV. Uma agenda para a saúde. 2ª ed. São Paulo: Hucitec;1999.

Andrade LOM. A estratégia saúde da família. In: Medicina ambulatorial condutas de atenção primáriabaseadas em evidências. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed;2004.

Ministério da Saúde (BR). Programa Saúde da Família.Brasília: Ministério da Saúde; 2005.

Nery AA, Carvalho CGR, Santos FPA, Nascimento MS, Rodrigues VP. Saúde da família: visão dos usuários. Rev Enferm UERJ [peripodico na internet].2011 [acesso em 2013 Mai 03]; 19(3). Disponível em:http://www.facenf.uerj.br/v19n3/v19n3a10.pdf




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/3116

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia