Agenda de compromissos para a saúde integral e redução da mortalidade infantil em um município de Alagoas

Lidiane Moura Carvalhal, Danielly Santos dos Anjos, Célia Alves Rozendo, Laís de Miranda Crispim Costa

Resumo


Objetivo: Analisar as ações de saúde desenvolvidas pelos enfermeiros nas equipes de saúde da família a partir da Agenda de Compromissos para a Saúde Integral da Criança e Redução da Mortalidade Infantil. Métodos: Trata-se de uma pesquisa quantitativa, do tipo exploratóriodescritiva, realizada em um município de Alagoas, que utilizou como instrumento de coleta de dados um formulário do tipo checklist aplicado no período de setembro a novembro de 2012, contemplando as ações prioritárias na atenção básica que contribuem para a qualidade do pré-natal: uma boa assistência ao parto e puerpério e ao recém-nascido. Os dados foram analisados a partir das ações desenvolvidas pelos enfermeiros na Estratégia Saúde da Família (ESF), agrupados pelas suas áreas de competência, organizados, tabulados e apresentados sob a forma de tabela e gráficos. Resultados: Sete enfermeiros da Unidade de Saúde da Família (USF) participaram, totalizando 87,5% da cobertura no município, em sua maioria do sexo feminino (86%), entre 31-35 anos, com vínculo temporário e tempo de trabalho entre 3 e 4 anos. Destacou-se o desenvolvimento de ações pelos enfermeiros no âmbito assistencial e educativo para a promoção da saúde do binômio mãe-filho, porém, cinco dos enfermeiros revelaram não conhecer a Agenda de Compromissos para Saúde Integral da Criança e Redução da Mortalidade Infantil. Conclusão: As ações de saúde desenvolvidas pelos enfermeiros do estudo permeiam as linhas prioritárias para a Agenda de Compromissos para a Saúde Integral da Criança e Redução da Mortalidade Infantil, apesar de a maioria dos participantes não conhecê-la.


doi: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2013.p530

Palavras-chave


Saúde da Criança; Promoção da Saúde; Mortalidade Infantil; Enfermagem de Atenção Primária

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Agenda de compromissos para a saúde integral da criança e redução da mortalidade infantil [acesso em 2012 Nov 15]. Brasília: Ministério daSaúde; 2004. (Série A. Normas e Manuais Técnicos).Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/agenda_compro_crianca.pdf

Ministério da Saúde (BR), Subsecretaria de Atenção Primária, Vigilância e Promoção da Saúde Superintendência de Atenção Primária Coordenação de Linhas de Cuidado e Programas Especiais Gerência de Programas de Saúde da Criança. Linha de cuidado da atenção integral à saúde da criança [acesso em2011 Nov 21]. Rio de Janeiro. Disponível em: www.voltaredonda.rj.gov.br/saude/cuidados/

Schwamberger K. Avaliação do óbito infantil no município de Florianópolis [monografia]. Iguaçu:Universidade do Vale do Itajaí; 2009. [acesso em 2012Set 12]. Disponível em: http://siaibib01.univali.br/pdf/Katia%20Schwamberger.pdf

Zanini RR. Modelos multiníveis aplicados ao estudo da mortalidade infantil no Rio Grande do Sul, Brasil de 1994 à 2004 [tese]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2007 [acesso em 2012 Abr 12].Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/10589/000599698.pdf?sequence=15.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual dos comitês de prevenção do óbito infantil e fetal. Brasília: Ministério da Saúde;2005. [acesso em 2012 Ago 23]. Disponível em:http://2009.campinas.sp.gov.br/saude/dicas/manual_obitos_ms.pdf

United Nations Children’s Fund - UNICEF. Committing to child survival: a promise renewed. Progress Report 2012. September 2012. New York: Division of Policy and Strategy; 2013 [acesso em 2012 Out 20].Disponível em: http://www.unicef.org/videoaudio/PDFs/APR_Progress_Report_2012_final.pdf

Bonfim TM. Mortalidade evitável na infância[dissertação]. Belo Horizonte: Universidade Federalde Minas Gerais; 2008 [acesso em 2011 Nov 23].Disponível em: www.bibliotecadigital.ufmg.br

Ministério da Saúde (BR), Banco de dados do Sistema Único de Saúde – DATASUS. Painel de monitoramento da mortalidade infantil e fetal [acesso em 2012 Set 30]. Disponível em: http://svs.aids.gov.br/dashboard/mortalidade/infantil.show.mtw/SaoJosedaLaje

Nogueira VMR, Mioto RCT. Desafios atuais do Sistema Único de Saúde – SUS e as exigências para os Assistentes Sociais. Serviço Social e Saúde: formação e trabalho profissional. [acesso em 2012 Out 01].

Disponível em: http://www.fnepas.org.br/pdf/servico_social_saude/texto2-4.pdf

Ministério de Minas e Energia (BR), Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético,Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral. Diagnóstico do Município de São José daLaje: Recife-PE. 2005 [acesso em 2012 Abr 12].Disponível em: http://www.cprm.gov.br/rehi/atlas/alagoas/relatorios/SJDL091.pdf

Arona EC. Redução da mortalidade infantil por meio de ações de educação em saúde: Propostas para o município de Capivari [dissertação]. São Paulo:Universidade Metodista de Piracicaba; 2007 [acessoem 2011 Nov 18]. Disponível em: https://www.unimep.br/phpg/bibdig/aluno/down.php?cod=339

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Agenda de compromissos para a saúdeintegral da criança e redução da mortalidade infantil.Brasília: Ministério da Saúde; 2004. [acesso em 2012 Nov 15]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/agenda_compro_crianca.pdf

Barbosa AS, Boerv RNSO, Boerv EN, Gomes Filho, DL, Sena ELS, Oliveira AAS. A Resolução 196/96 e o sistema brasileiro de revisão ética de pesquisas envolvendo seres humanos. Rev. bioét (Impr.).2011;19(2):523–42.

Spindola T. Mulher, mãe e... trabalhadora de enfermagem. Rev Esc Enf USP. 2000;34(4): 354-61.

Taveira ZB. Precarização dos vínculos do trabalho na Estratégia de Saúde da Família: revisão de literatura [dissertação]. Belo Horizonte: Universidade Federalde Minas Gerais; 2010. [acesso em 2012 Ago 26].Disponível em: http://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/2430.pdf

Castro JL, Araújo D, Pessoa MGA, Bezerra O, Vilar RLA, Oliveira NJM. Programa Saúde da Família: flexibilidade e precarização no trabalho. Natal –RN. Rio Grande do Norte: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2006. [acesso 2012 Out12]. Disponível em: http://www.observarh.org.br/observarh/repertorio/Repertorio_ObservaRH/NESCRN/PSF_flexibilidade_precarizacao.pdf

Zanetti TG, Van der Sand ICP, Girardon-Perlini NMO,Kopf AW, Abreu PB. Perfil socioprofissional e formação de profissionais de equipes de Saúde da Família: umestudo de caso. Cienc Cuid Saúde. 2010;9(3):448-455.

Vieira SM, Bock LF, Zocche DA, Pessota CU.Percepção das puérperas sobre a assistência prestada pela equipe de saúde no pré-natal. Texto ContextoEnferm. 2011;20(Nesp):255-262.

Amorim MM, Andrade ER. Atuação do enfermeiro no PSF sobre aleitamento materno. Perspectiva [periódico na internet]. 2009 [acesso em 2012 Out 18];3(9).Disponível em: http://www.perspectivasonline.com.br/revista/2009vol3n9/volume%203%289%29%20artigo9.pdf

Passanha A, Cervato-Mancuso A M, Silva M E M P. Protective elements of breast milk in the prevention of gastrointestinal and respiratory diseases. Rev BrasCresc Desenv Hum. 2010;20(2):351-60.

Neves LS, Mattar MJG, Sá MVM, Galisa MS. Doação de leite humano: dificuldades e fatores limitantes.Mundo Saúde. 2011;35(2):156-61.

Farias GM, Lima PD. Condutas adotadas pelosprofissionais de saúde com crianças hospitalizadas vítimas de violência. Rev Eletr Enf. 2008;10(3):643-53.

Leonello VM, Oliveira MAC. Competências para ação educativa da enfermeira. Rev Latinoam Enferm.2008;16(2):1-7.

Alvarenga KF, Gadret JM, Araújo ES, Bevilacqua MC. Triagem auditiva neonatal: motivos da evasão das famílias no processo de detecção precoce. RevSoc Bras Fonoaudiol. Rev Soc Bras Fonoaudiol.2012;17(3):241-7.

Abreu IS, Braguini WL. Triagem neonatal: o conhecimento materno em uma maternidade no interior do Paraná, Brasil. Rev Gaúcha Enferm.2011;32(3):596-601.

Davim RMB, Torres GV, Santos SR. Educaçãocontinuada em enfermagem: conhecimentos, atividades e barreiras encontradas em uma maternidade escola.Rev Latino-am Enferm. 1999;7(5):43-9.

Santos RV, Penna CMM. A educação em saúde como estratégia para o cuidado à gestante, puérpera e ao recémnascido.Texto Contexto Enferm. 2009;18(4):652-60.

Silva CP, Dias MAS, Rodrigues AB. Práxis educativa em saúde dos enfermeiros da Estratégia Saúde da Família. Ciênc Saúde Coletiva. 2006;14(Supl 1):1453-1462.

Gonçalves AK, Watanabe RTM. Grupo de gestantes: Educação em saúde no pré-natal. In: Anais do 8ºSEMEX 2010; 1(3):1-10 [acesso em 2012 Nov 12].Disponível em: periodicos.uems.br/index.php/semex/article/download/2295/968

Assis WD, Collet N, Reichert APS, Sá L. Processo de trabalho da enfermeira que atua em puericultura nas unidades de saúde da família. Rev Bras Enferm.2011;64(1):38-46.

Erdmann AL, Sousa FGM. Cuidando da criança naatenção básica de saúde: atitudes dos profissionais da saúde. Mundo da Saúde. 2009;33(2):150-60.




DOI: https://doi.org/10.5020/3119

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia