Avaliação de programas, serviços e tecnologias na perspectiva da promoção da saúde: uma reflexão teórica

Ana Lúcia Mendes Lopes, Simone Albino da Silva, Danielle Freitas Alvim de Castro, Cláudia Maria Bógus, Lislaine Aparecida Fracolli

Resumo


Objetivo: Realizar uma reflexão teórica sobre a utilização dos conceitos de “avaliação”
para a aplicação em tecnologias, programas e serviços de promoção da saúde. Síntese
dos dados: Com breve descrição sobre os aspectos conceituais da avaliação em saúde e
da promoção da saúde, destaca-se a importância na adoção de modelos avaliativos que
contemplem a complexidade e multiplicidade das práticas. Espera-se, assim, expandir os limites das ciências biomédicas e da epidemiologia tradicional, fundamentando-se também nas ciências sociais e humanas. Como resultado dessa reflexão, propõe-se que as avaliações tenham como princípios: serem participativas; serem introduzidas no início do programa/tecnologia/serviço e tomarem parte de todas as fases de desenvolvimento deste; conterem em seu formato estratégias de partilha dos achados com todos os atores envolvidos. Sugere-se a adoção da triangulação de métodos quanti-qualitativos e técnicas científicas com capacidade para abarcar a complexidade dessa temática, tais como: análise documental, entrevistas individuais, realização de grupos focais, levantamento de dados primários ou secundários em bases de dados, observações diretas ou participantes. Conclusão: A reflexão proposta apontou que privilegiar o aprendizado, a ação e a transformação das práticas sociais deve compor a pauta dos modelos avaliativos da promoção da saúde. O conhecimento produzido em tais
avaliações tem potencial de fortalecer a prática da promoção da saúde, a intersetorialidade, a mobilização social, as parcerias, a sustentabilidade e a defesa pública da saúde

doi:http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2013.p590

Palavras-chave


Promoção da Saúde; Estudos de Avaliação; Avaliação de Programas e Projetos de Saúde

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Hartz ZMA. Avaliação dos programas de saúde: perspectivas teórico metodológicas e políticas institucionais. Ciênc Saúde Coletiva. 1999;4(2):341- 53.

Ministério da Saúde (BR). Promoção da saúde: Carta de Otawa, Declaração de Adelaide, Sundsvall e Santa Fé de Bogotá. Brasília; 2001.

Czeresnia D, Freitas CM, organizadores. Promoção dasaúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro:Fiocruz; 2009.

Carvalho AFS, Dias EC. Promoção da Saúde no Local de Trabalho: revisão sistemática da literatura. Rev Bras Promoç Saúde. 2012;25(1):116-26.

Contandriopoulos AP. A avaliação na área da saúde:conceitos e métodos. In: Hartz ZMA. Avaliação em Saúde: dos modelos conceituais à prática na análiseda implantação de programas. Rio de Janeiro: Fiocruz;2000.

Ayres JR. Norma e formação: horizontes filosóficos para as práticas de avaliação no contexto da promoção da saúde. Rev C S Col. 2004;9(3):583-92

Hartz ZMA, Vieira-da-Silva LM. Avaliação emsaúde: dos modelos conceituais à prática na análise da implantação de programas. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2005.

Minayo MSC, Assis SG, Souza ER. Avaliação por triangulação de métodos. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2005.

Nemes MIB. Avaliação em Saúde: questões para osprogramas de DST/ AIDS no Brasil. Rio de Janeiro:Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS –ABIA; 2001.

Donabedian A. The quality of care: how can it beassessed? JAMA. 1988;260(12):1743

Novaes HMD. Avaliação de programas, serviçose tecnologias em saúde. Rev Saúde Pública 2000;34(5):547-59

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção àSaúde, Departamento de Atenção Básica, Coordenação de Acompanhamento e Avaliação. Avaliação na AtençãoBásica em Saúde: caminhos da institucionalização.Brasília: Ministério da Saúde; 2005.

Deslandes SF. Concepções em pesquisa social:articulações com o campo da avaliação em serviços desaúde. Cad Saúde Publica. 1997;13(1):103-7

Merhy EE. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. São Paulo:Hucitec; 2002.

Akerman M, Mendes R, Bógus CM. É possível avaliar um imperativo ético? Cienc Saúde Coletiva. 2004;9(3):605-15.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8ª ed. São Paulo: Hucitec; 2004.

World Health Organization - WHO. Evaluation in health promotion: principles and perspectives. WHO Regional Publications;2001. (European Series, n. 92.)

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde Coordenação-Geral de Doenças e Agravos não Transmissíveis. Estudo Multicêntrico de Avaliação em Promoção da Saúde: termo de referência. Brasília:Ministério da Saúde; 2006.

Chiesa AM, Fracolli LA, Veríssimo MR, Zoboli ELC,Ávila LK, Oliveira AAP. A construção de tecnologias de atenção em saúde com base na promoção da saúde.Rev Esc Enferm USP. 2009;43(Nesp 2):1352-7.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/3126

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia