Vulnerabilidade no desenvolvimento da criança: influência das iniquidades sociais

Daniel Ignacio da Silva, Liliana Muller Larocca, Maria Marta Nolasco Chaves, Verônica de Azevedo Mazza

Resumo


Objetivo: Conhecer a compreensão do enfermeiro da Estratégia Saúde da Família sobre a vulnerabilidade no desenvolvimento da criança. Métodos: Pesquisa exploratória qualitativa realizada com 39 enfermeiros, que atuavam em Unidades de Saúde com Estratégia Saúde da Família em Curitiba, Paraná, Brasil. O estudo ocorreu no período de setembro de 2011 a dezembro de 2012. Para coleta de dados utilizou-se a entrevista semiestruturada, e como referencial metodológico, a hermenêutica dialética, de qual análise emergiram as categorias empíricas: precariedades na inserção social das famílias, iniquidades na ocupação do solo, e dificuldades de acesso à proteção e promoção social e suas contradições. Resultados: O enfermeiro da Estratégia Saúde da Família compreende como elementos de vulnerabilidade no desenvolvimento da criança, as iniquidades sociais: baixa escolaridade dos pais, desemprego, baixa renda; ausência de saneamento básico, situação precária da estrutura das construções, e falta de acesso à profissionalização, programas sociais, e vagas nas creches. Conclusão: O enfermeiro compreende que a vulnerabilidade no desenvolvimento infantil está relacionada a elementos de ordem socioeconômica e sua compreensão da vulnerabilidade extrapola os componentes biológicos e individuais a respeito do desenvolvimento infantil.

Palavras-chave


Vulnerabilidade em Saúde; Desenvolvimento Infantil; Saúde da Criança; Enfermagem.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Beeckman K, Louckx F, Putman K. Predisposing, Enabling and Pregnancy-Related Determinants of Late Initiation of Prenatal Care. Matern Child Health J 2011;15(7):1067–75.

Moreno-De-Luca A, Myers SM, Challman TD, Moreno-De-Luca D, Evans DW, Ledbetter DH. Developmental brain dysfunction: Revival and expansion of old concepts based on new genetic evidence. Lancet Neurol 2013; 12(4):406-14.

Turner HA, Finkelhor D, Ormrod R, Hamby S, Leeb RT, Mercy JA, Holt M. Family context, victimization, and child trauma symptoms: variations in safe, stable, and nurturing relationships during early and middle childhood. Am J Orthopsychiatry. 2012; 82(2):209-219.

Piccolo LR, Falceto OG, Fernandes CL, Levandowski DC, Grassi-Oliveira R, Salles JF. Variáveis psicossociais e desempenho em leitura de crianças de baixo nível socioeconômico. Psic Teor e Pesq. 2012;28(4):389-98.

Shonkoff JP. Protecting brains, not simply stimulating minds. Science. 2011; 333(6045):982-83.

Bronfenbrenner U. Bioecologia do desenvolvimento humano: tornando os seres humanos mais humanos. Porto Alegre: Artmed; 2011.

Silva DI, Chiesa AM, Veríssimo MLOR, Mazza VA. Vulnerability of children in adverse situations to their development: proposed analytical matrix. Rev Esc Enferm USP. 2013;47(6):1397-402.

Nichiata LYI, Bertolozzi MR, Gryschek ALPL, Araújo NVDL, Padoveze MC, Ciosak SI, et al. Potencialidade do conceito de vulnerabilidade para a compreensão das doenças transmissíveis. Rev Esc Enferm USP. 2011; 45(esp2):1769-73.

Pedroso MLR, Motta MGC. A compreensão das vulnerabilidades sócio-econômicas no cenário da assistência de Enfermagem pediátrica. Rev Gaucha Enferm. 2010;31(2):218-24.

Mazza VA, Chiesa AM. Family needs on child development in the light of health promotion. Online Brazilian Journal of Nursing [periódico na Internet] 2008 [acesso em 2015 Abr 12] ;7(3) Disponível em: http://dx.doi.org/10.5935/1676-4285.20081852

Chiesa AM, Westphal MF, Akerman M. Doenças respiratórias agudas: um estudo das desigualdades em saúde. Cad Saúde Pública. 2008;24(1):55-69.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde. 11ª ed. São Paulo: Hucitec; 2008.

Mustard JF. Free market capitalism, social accountability and equity in early human (child) development. Paediatr Child Health. 2008;13(10):839-842.

Chaves MMN, Egry EY. Competência avaliativa do enfermeiro para reconhecer e enfrentar necessidades de saúde das famílias. Cogitare Enferm. 2013;18(4):729-35.

Nazarpour M, Branch M. Improving financial situation of rural women. Journal of American Science. 2012;8(9):499-504.

Ferraro AR. Escolarização no Brasil: articulando as perspectivas de gênero, raça e classe social. Educação e Pesquisa 2010;36:505-26.

Soares MAT, Costa AB. Contradições acerca da redução da desigualdade social no Brasil. Argumentum 2011;3(1):157-70.

Ulyssea G. Informalidade no Mercado de trabalho brasileiro: uma resenha da literatura. Rio de Janeiro: IPEA; 2006.

Vazquez DA, Höfling DM, Cajueiro JPM, Monfredini MI. Política econômica e política social no Brasil nos anos 1990: possibilidades, limites e condicionantes. Economia e Sociedade 2004;13(2):147-67.

Arku G, Luginaah I, Mkandawire P, Mkandarwire P, Badien P, Asiedu AB. Housing and health in three contrasting neighborhoods in Accra, Ghana. Soc Sci Med. 2011;72(11):1864-72.

Cohen SC, Kligerman DC, Monteiro SCF, Cardoso TAO, Barcelos MRB. Habitação saudável como determinante social da saúde: experiências internacional e nacional. Rev Bras Promoç Saúde. 2011;24(2):169-179.

Maldonado JL. Segregação Social e Mercados Habitacionais nas Grandes Cidades. Revista Continentes. 2013; 2(3):73-97.

Ribeiro LCQ, Silva ÉT, Rodrigues JM. Metrópoles brasileiras: diversificação, concentração e dispersão. Revista Paranaense de Desenvolvimento-RPD. 2011;120:177-207.

Maricato E. Globalização e política urbana na periferia do capitalismo. Territórios 2008; 18:183-205.

Vaitsman J, Andrade GRB, Farias L. O. Proteção social no Brasil: o que mudou na assistência social após a Constituição de 1988. Ciênc Saúde Coletiva. 2009;14(3):731-41.

De Sordi JO, Nelson RE, Galindo PR. Problema da falta de vagas em creches: matriz de loops e a priorização de causas de problemas complexos. Revista de Administração Pública. 2014;48(6):1407-30.

Araújo MAN, Gama FS, Silva U. Creche de ontem e de hoje: o que os pais esperam dessa instituição? Revista Psicologia, Diversidade e Saúde. 2013;2(1):1-20.

Castro JA. Evolução e desigualdade na educação brasileira. Educação e Sociedade 2009;30(108):673-97

Ipardes, Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. Caderno Estatístico do Município de Curitiba [Periódico na internet] 2012 [acesso em 2014 mai 12]. Disponível em: http://www.ipardes.gov.br/cadernos/MontaCadPdf1.php?Municipio=80000&btOk=ok

Alexandre AMC, Labronici LM, Maftum MA, Mazza VA. Map of the family social support network for the promotion of child development. Rev Esc Enferm USP. 2012;46(2):272-79.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2015.p58

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia