Uso do cariogram® na avaliação do risco de cárie em crianças em um município brasileiro: estudo piloto

Fábio Solon Tajra, Theodora Thays Arruda Cavalcante, Mayron Alves de Vasconcelos, Victor Alves Carneiro, Edson Holanda Teixeira, Andréa Silvia Walter de Aguiar

Resumo


Objetivo: Analisar o risco de cárie dentária em crianças de 12 anos de idade por meio da utilização do Cariogram®. Métodos: Estudo descritivo realizado com 31 crianças de 12 anos de idade de uma escola pública de ensino fundamental em um município do Nordeste brasileiro, no ano de 2009. Coletaram-se dados referentes à experiência de cárie e doenças sistêmicas relacionadas; presença de açúcar na dieta e frequência de ingestão; quantidade de placa e contagem de estreptococos do grupo mutans; uso de produtos fluoretados, fluxo salivar e capacidade tampão. Todos estes dados foram inseridos no Cariogram® para que se pudesse obter um perfil de risco de cárie individual e a capacidade de evitar novas lesões. Resultados: Verificou-se que 78% (n=24) das crianças apresentaram riscos individuais de cárie nos níveis intermediário e alto; 45% (n=14) dos participantes apresentaram menos de 50% de chance de evitar novas lesões de cáries. Ainda, que 6,45% (n= 2) das crianças apresentavam possibilidade de evitar novas lesões de cárie menor que 75%, ou seja, configuravam em alto risco de desenvolvimento de cárie; e 12,90% (n= 4) apresentavam uma possibilidade maior que 75%, sendo caracterizado como baixo risco de evitar estas lesões. Houve associações positivas (p<0,05) entre presença de açúcar na dieta e fluxo salivar, em que indivíduos com dieta cariogênica apresentavam fluxo salivar diminuído. Conclusão: Verificou-se um padrão de risco de cárie nos níveis intermediário e alto, com susceptibilidade acima de 10% e possibilidade de evitar novas lesões de cárie inferior a 50%.


doi:10.5020/18061230.2014.p62

Palavras-chave


Cárie Dentária; Suscetibilidade à Cárie Dentária; Medição de Risco.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Bydlowski CR, Westphal, MF, Pereira IMTB.Promoção da saúde. Porque sim e porque ainda não!Saúde Soc. 2004;13(1):14-24.

Silvestre JAC, Dias MSA, Teixeira EH. Concepções de Promoção da Saúde Presentes nas Conferências Nacionais de Saúde Bucal. Rev Bras Promoç Saúde.2012;25(3): 305-10.

Onocko CRT, Campos GWS. Co-construção de autonomia: o sujeito em questão. In: Campos GWS, Minayo MCS, Akerman M, Carvalho YM,organizadores. Tratado de Saúde Coletiva. São Paulo:Hucitec; 2006. p. 669-88.

Oliveira ET, Lima JF, Soares FNCS, Maia, ER. A odontologia social no contexto da promoção da saúde.Rev Bras Promoç Saúde. 2008;21(1):75-9.

Campos L, Carniel R, Azambuja GH, Bottan ER. Concepções e práticas de promoção da saúde segundo acadêmicos de odontologia em Santa Catarina-Brasil. Rev Bras Promoç Saúde. 2012;25(3):321-7.

Campos GW, Barros RB, Castro AM. Avaliação de política nacional de promoção da saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2004;9(3):745-9.

Manfredini MA. Saúde bucal no Brasil em 2008 e nos 20 anos de Sistema Único de Saúde. In: Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise de Situação de Saúde. Saúde Brasil 2008: 20 anos de Sistema Único de Saúde (SUS)no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2009 p. 155-174. (Série G. Estatística e Informação em Saúde).

Udoye C, Aguwa E, Chikezie R, Ezeokenwa M, Jerry-Oji O, Okpaji C. Prevalence and distribution of caries in the 12-15 year urban school children in Enugu,

Nigeria. Internet J Dental Science. 2009; [acesso em 2012 Abr 8]7(2):24. Disponível em: http://www.ispub.com/journal/the-internet-journal-of-dental-science.

Ollila P. Assessment of caries risk in toddlers. A longitudinal cohort study [dissertação na internet].Oulu: Faculty of Medicine; 2010 [acesso em 2012

Abr 8]. Disponível em: http://herkules.oulu.fi/isbn9789514262227/isbn9789514262227.pdf

Bastos RS, Carvalho, ES, Xavier A, Caldana ML,Bastos JR, Lauris JR. Dental caries related to quality of life in two Brazilian adolescent groups: a crosssectional randomised study. Int Dent J. 2012;62(3):137-43.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde,Departamento de Atenção Básica, Coordenação Geral de Saúde Bucal. Projeto SB Brasil 2010: resultados principais. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Petersson GH, Isberg PE, Twetman S. Caries risk assessment in school children using a reduced Cariogram® model without saliva tests. BMC Oral Health[periódico na internet]. 2010 [acesso em 2012 Abr 8];10:5-10. Disponível em: http://www.biomedcentral.com/1472-6831/10/5

Bratthall D, Hänsel-Petersson G. Cariogram® - a multifactorial risk assessment model for a multifactorial disease. Community Dent Oral Epidemiol.2005;33(4):256-64.

Merdad K, Sonbul H, Gholman M, Reit C, Birkhed D.Evaluation of the caries profile and caries risk in adults with endodontically treated teeth. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod. 2010;110(2):264-9.

Zukanovic A, Kobaslija S, Ganibegovic M. Caries risk assessment in Bosnian children using Cariogram®computer model. Int Dent J. 2007;57(3):177-83.

Ruiz-Miravet A, Montiel-Company JM, Almerich- Silla JM. Evaluation of caries risk in a young adult population. Med Oral Patol Oral Cir Bucal.2007;12(5):E412-8.

Gonzalez CD, Okunseri C. Senior Dental Students’Experience with Cariogram® in a Pediatric Dentistry Clinic. J Dent Educ. 2010;74(2):123-9.

Campus G, Cagetti MG, Sacco G, Benedetti G, Strohmenger L, Lingström P: Caries risk profiles in Sardinian schoolchildren using Cariogram®. Acta Odontol Scand 2009;67(3):146–52.

Saliba NA, Tumang AJ, Saliba O. Estudio comparado del índice de higiene oral simplificado. Bol Oficina Sanitária Panamericana (OSP). 1974;77(2):115-21.

Petersen PE. World Health Organization global policy for improvement of oral health - World Health Assembly 2007. Int Dent J. 2008;58(3):115–21.

Pereira JV, Gomes DQC, Silva PKO, Oliveira RS, Florindo GTG, Costa RO. Correlation of salivary levels of Streptococcus mutans with the conditions of oral hygiene in school children between the ages of 6 and 12. Rev Gaúcha Odontol. 2011; 59(4):571-5.

Sakeenabi B, Hiremath SS. Dental caries experience and salivary streptococcus mutans, lactobacilli scores,salivary flow rate and salivary buffering capacity among 6 year old Indian school children. Clin Exp Dent. 2011;3(5):412-7.

Fejerskov O, Kidd E. Cárie dentária: a doença e seu tratamento clínico. São Paulo: Santos; 2011.

Viana IB, Martelli PJL, Pimentel FC. Análise do acesso aos serviços odontológicos através do indicador de primeira consulta odontológica programática em

Pernambuco: estudo comparativo entre os anos 2001 e 2009. Rev Bras Promoç Saúde. 2012;25(2):151-60.

Southward LH, Robertson A, Edelstein BL, Hanna H, Wells-Parker E, Baggett DH, et al. Oral health of young children in Mississippi Delta child care centers: A second look at early childhood caries risk assessment. J Public Health Dent. 2008;68(4):188-95.

Teich ST, Aizenbud D, Gutmacher Z. Guiding the practitioner through the caries management by risk assessment (CAMBRA) protocol. Alpha Omegan.

;104(3-4):68-72.

Almosa NA, Al-Mulla AH, Birkhed D. Caries risk profile using the Cariogram® in governmental andprivate orthodontic patients at de-bonding. Angle Orthod. 2012;82(2):267-74.

Campus G, Cagetti MG, Sale S, Carta G, Lingström P. Cariogram® Validity in schoolchildren: a two-year follow-up study. Caries Res. 2012;46(1):16-22.

Fadel HT, Al-Kindy KA, Mosalli M, Heijl L, Birkhed D. Caries risk and periodontitis in patients with coronary artery disease. J Periodontol. 2011;82(9):1295-303.

Petersson GH, Isberg PE, Twetman S, Caries risk profiles in schoolchildren over 2 years assessed by Cariogram®. Int J Paediatr Dent. 2010;20(5):341-6.

Melo P, Azevedo A, Henriques M. Cárie dentária: a doença antes da cavidade. Acta Pediatr Port.2008;39(6):253-9.

Alian AY, McNally ME, Fure S, Birkhed D. Assessment of Caries Risk in Elderly Patients Using the Cariogram® Model. J Can Dent Assoc. 2006;72(5):459–63

Leous P, Tikhonova S. Caries risk assessment in young people based on the Cariogram®. Oral Health Dent Management. 2006;1(1):7-15.

Twetman S, Petersson GH, Bratthall D. Caries risk assessment as a predictor of metabolic control in young Type 1 diabetics. Diabet Med. 2005;22(3):312-5.

Lima JMC, Silva ACB, Forte FDS, Sampaio FC. Risco e prevenção à cárie dentária: avaliação de um programa preventivo aplicado em uma clínica infantil.

Rev Gaúcha Odonto. 2008;56(4):367-73.

Frias AC, Antunes JLF, Junqueira SR, Narvai PC. Determinantes individuais e contextuais da prevalência de cárie dentária não tratada no Brasil. Rev Panam

Salud Pública. 2007;22(4):279-85.

Watt RG, Sheiham A. Integrating the common risk factor approach into a social determinants framework.Community Dent Oral Epidemiol. 2012;40(4):289-96.

Moreira PVL, Rosenblatt A, Passos IA. Prevalência de cárie em adolescentes de escolas públicas e privadas na cidade de João Pessoa, Paraíba, Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2007;12(5):1229-36.

Silva SMF, Pardi V, Vazquez FL, Ambrosano GMB, Meneghim MC, Pereira AC. Evaluation of the National Program of Oral Health Promotion (NPOHP) at schools in Castelo Branco, Portugal. RFO. 2012 [acesso em 2012 Abr 8];17(1):18-25. Disponível em:http://revodonto.bvsalud.org/pdf/rfo/v17n1/a04v17n1.pdf

Tanzer JM, Thompson A, Sharma K, Vickerman MM, Haase EM, Scannapieco FA. Streptococcus mutans out-competes Streptococcus gordonii in vivo.J Dent Research. 2012;91(5):513-9.

Källestål C, Flinck A, Allebeck P, Holm AK, Wall S. Evaluation of caries preventive measures. Swed Dent J. 2000;24(1-2):1-11.

MacRitchie HMB, Longbottom C, Robertson M,Nugent Z, Chan K, Radford JR, et al. Development of the Dundee Caries Risk Assessment Model (DCRAM)- risk model development using a novel application of CHAID analysis. Community Dent Oral Epidemiol.2012;40(1):37-45.

Eberhard J, Sandmann T, Marinho VCC, Dommisch H,Jepsen S, Stiesch M, et al. Chlorhexidine versus topical fluoride treatment for the prevention and management of dental caries in children and adolescents (Protocol).Cochrane Database of Systematic Reviews 2012, 7.Art. No.: CD009962.

Carvalho DM, Salazar M, Oliveira BH, Coutinho ESF.O uso de vernizes fluoretados e a redução da incidência de cárie dentária em pré-escolares: uma revisão sistemática. Rev Bras Epidemiol. 2010;13(1):139-49.

Cury JA, Oliveira MJL, Martins CC, Tenuta LMA,Paiva SM. Available fluoride in toothpastes used by Brazilian children. Braz Dent J. 2010;21(5):396-400.

Varma S, Banerjee A, Bartlett D. An in vivo investigation of associations between saliva properties,caries prevalence and potential lesion activity in an adult UK population. J Dent. 2008;36(4):294-9.

Garcia LB, Bulla JR, Kotaka CR, Tognim MCB, Cardoso CL. Testes salivares e bacteriológicos paraavaliação do risco de cárie. RBAC. 2009;41(1):69-76.

Saintrain MVL, Braga JO, Carlos MX, Maia MCG.Perfil epidemiológico de mulheres idosas com sintomas de ardência bucal. Rev Bras Promoç Saúde.2011;24(3):238-44.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/3161

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia