Prática alimentar e de atividade física em adolescentes obesos de escolas públicas e privadas

Lívia Freitas Campos, Juliana Zani de Almeida, Flávia Freitas Campos, Licio de Albuquerque Campos

Resumo


Objetivo: Avaliar a prática alimentar e o nível de atividade física em adolescentes obesos de escolas públicas (EPu) e privadas (EPr) de Fortaleza-CE. Métodos: Estudo transversal realizado com 272 adolescentes de Epu e EPr, no período de abril de 2007 a maio de 2009. Aplicou-se um questionário contendo dados de identificação (idade, sexo), antropométricos (peso e altura), situação escolar, prática alimentar e nível de atividade física. Resultados: Dos avaliados, observou-se que 160 (58,8%) eram do sexo feminino, com idade média de 16,5 anos (±1,31). Houve prevalência da obesidade moderada, com 85,5%, (n=171) na EPu e 76,4%, (n=55) na EPr. Não se constatou diferença entre o grau de obesidade e a rede escolar. Sobre a prática alimentar, 70,2% (n=190) consumiam menos de cinco refeições ao dia e 56,3% (n=153) não faziam o café da manhã, não tendo diferença entre as redes escolares. O consumo de frutas (10%; n=27) e vegetais (14,1%; n=38) foi baixo. Os estudantes das EPr consumiam mais refrigerantes (41,7%; n=30) do que os da EPu (28,5%; n=57; p=0,03). Constatou-se, que 47% (n=93) dos alunos da EPu e que 32,4% (n=27) da EPr não consumiam fast-food (p=0,02). Identificou-se que os adolescentes das EPu eram mais ativos do que os das EPr (77%; n=153 versus 54,2%; n=40; p=0,0002), mas essa diferença não mostrou associação com o grau de obesidade (p=0,88). Conclusão: Os adolescentes das escolas públicas e particulares apresentavam prática alimentar inadequada, havendo poucas diferenças entre eles. Os jovens das EPu apresentaram-se mais ativos que os das EPr, entretanto, este nível de atividade física não influenciou no grau de obesidade.


doi:10.5020/18061230.2014.p92

Palavras-chave


Obesidade; Adolescentes; Comportamento alimentar; Atividade motora.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Marchi-Alves LM, Yagui CM, Rodrigues CS, Mazzo A, Rangel EML, Girão FB. Obesidade infantil ontem e hoje: importância da avaliação antropométrica pelo enfermeiro. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2011;15(2):238-44.

Azevedo FR, Brito BC. Influência das variáveis nutricionais e da obesidade sobre a saúde e o metabolismo. Rev Assoc Med Bras. 2012;58(6):714-23.

Cavalcanti CBS, Carvalho SBCE, Barros MVG. Indicadores antropométricos de obesidade abdominal:revisão dos artigos indexados na biblioteca SciELO.Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum.2009;11(2):217-25.

Murillo OO, Rey MCPA. Panorama de prácticas de alimentación de adolescentes escolarizados. Av Enferm. 2009;27(2):43-56.

Wanderley EM, Ferreira VA. Obesidade: uma perspectiva plural. Ciênc Saúde Coletiva.2010;15(1):185-94.

Cardoso CBMA, D’abreu HCC, Ribeiro MG, Bouzas RI. Obesidade na adolescência: reflexões e abordagem. Adolesc Saude. 2010;7(1):12-8.

Lamounier JA, Welford VRS, Parizzi MR, Lamounier FB. Obesidade na Adolescência. In: Priore SE,Oliveira RMS, Faria ER, Franceschini SCC, Pereira PF. Nutrição e Saúde na Adolescência. Rio de Janeiro: Editora Rubio; 2010. p. 75-92.

Suplicy HL. Obesidade: tratamento dietético. In: Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica. Diretrizes brasileiras de obesidade 2009/2010 / ABESO. 3ª ed. São Paulo: AC Farmacêutica; 2009. p. 33-41.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Pesquisa de Orçamento Familiar. Análise de Disponibilidade Domiciliar de Alimentos e do Estado

Nutricional no Brasil: 2008-2009. Rio de Janeiro: IBGE; 2010. p. 1-7.

Souza EB. Transição nutricional no Brasil: análise dos principais fatores. Cad Unifoa [periódico na internet].2010 [acesso em 2012 Set 8];5(13):49-53. Disponível em:http://web.unifoa.edu.br/cadernos/edicao/13/49.pdf.

Mathus-Vliegen L, Toouli J, Fried M, Khan AG, Garisch J, Hunt R, et al. Obesity. World Gastroenterology Organization Global Guidelines [periódico na internet].2011 [acesso em 2012 Set 8]:1-17. Disponível em:http://www.worldgastroenterology.org/assets/export/userfiles/Obesity-Master%20Document%20for%20Website.pdf.

Casazza K, Dulin-Keita A, Gower BA, Fernandez JR.Differential influence of diet and physical activity on components of metabolic syndrome in a multiethnic sample of children. J Am Diet Assoc. 2009;109(2):236-44.

Campos LA. Prevalência e Fatores Associados à Síndrome Metabólica em Adolescentes Escolares Obesos do Município de Fortaleza [tese].Fortaleza: Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina;2011.

Governo do Estado do Ceará (BR), Secretaria de Educação. Estatísticas da Educação Básica nos Municípios do Ceará [acesso em 2010 Jan 20].Disponível em: http://download.seduc.ce.gov.br/indicadores/fortaleza.pdf.

Siervogel RM, Demerath EW, Schubert C, Remsberg KE, Chumlea WC, Sun S, et al. Puberty and body composition. Horm Res. 2003;60(Suppl 1):36-45.

Duncan GE, Li SM, Zhou XH. Prevalence and trends of a metabolic syndrome phenotype among U.S. Adolescents, 1999-2000. Diabetes Care.2004;27(10):2438-43.

Terres NG, Pinheiro RT, Horta BL, Pinheiro KAT,Horta LL. Prevalence and factors associated tooverweight and obesity in adolescents. Rev Saúde Pública. 2006;40(4):627-33.

Waitzberg DL, Ferrini MT. Exame Físico e Antropometria. In: Waitzberg DL. Nutrição oral,enteral e parenteral na prática clínica. 3ª ed. São Paulo: Atheneu; 2000. p. 255-78.

World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Geneva: World Health Organization; 2000.

Onis M, Onyango AW, Borghi E, Siyam A, Nishida C, Siekmann J. Development of a WHO growth reference for school-aged children and adolescents. Bull World Health Organ. 2007;85(9):660-7.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Guia Alimentar para população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Silveira D, Taddei JA, Escrivão MA, Oliveira FL, Ancona-Lopez F. Risk factors for overweight among Brazilian adolescents of low-income families: a casecontrol study. Public Health Nutr. 2006;9(4):421- 8.

Neutzling MB, Taddei JA, Gigante DP. Risk factors of obesity among Brazilian adolescents: a case–control study. Public Health Nutr. 2003;6(8):743– 49.

Hagströmer M, Bergman P, De Bourdeaudhuij I, Ortega FB, Ruiz JR, Manios Y, et al. Concurrent validity of a modified version of the International Physical Activity Questionnaire (IPAQ-A) in European adolescents: The HELENA Study. Int J Obes. 2008;32(Suppl 5):S42-8.

Neutzling MB, Araújo CLP, Vieira MFA, Hallal PC, Menezes AMB. Freqüência de consumo de dietas ricas em gordura e pobres em fibra entre adolescentes. RevSaúde Pública. 2007;41(3):336-42.

Silva GAP, Balaban G, Motta MEFA. Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes de diferentes condições socioeconômicas. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2005;5(1):53-9.

Siqueira RS, Monteiro CA. Amamentação na infância e obesidade na idade escolar em famílias de alto nível socioeconômico. Rev Saúde Pública. 2007;41(1):5-12.

Binn Zaal AA, Musaiger AO, D’Souza R. Dietary habits associated with obesity among adolescents in Dubai,United Arab Emirates. Nutr Hosp. 2009;24(4):437-44.

Höfelmann DA, Momm N. Breakfast: omission and associated factors in schoolchildren from Itajaí, Santa Catarina state, Brazil. Nutrire Rev Soc Bras Aliment Nutr. 2014;39(1):40-55.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Obesidade.Brasília: Ministério da Saúde; 2006. (Cadernos de Atenção Básica, n. 12).

Cardoso LO, Engstrom EM, Leite IC, Castro IRR. Fatores socioeconômicos, demográficos, ambientais e comportamentais associados ao excesso de peso emadolescentes: uma revisão sistemática da literatura. Rev Bras Epidemiol. 2009;12(3):378-403.

Ceschini FL, Andrade DR, Oliveira LC, Araújo Júnior JF, Matsudo VKR. Prevalence of physical inactivity and associated factors among high school students

from state’s public schools. J Pediatr. 2009;85(4):301-6

Lippo BRS, Silva IM, Aca CRP, Lira PIC, Silva GAP, Motta MEFA. Determinants of physical inactivity among urban adolescents. J Pediatr. 2010;86(6):520-4.

Bessa M, Valente H, Cordeiro T, Padrão P, Moreira A, Lopes C, et al. Ingestão de alimentos fluidos e risco de excesso de peso em crianças. Acta Med Port.2008;21(2):161-70.

Mendes KL, Catão LP. Avaliação do consumo de frutas, legumes e verduras por adolescentes de Formiga – MG e sua relação com fatores socioeconômicos. Alim Nutr. 2010;21(2):291-6.

Jamie S. Nutrição na Adolescência. In: Mahan LK, Escott-Stump S. Krause, alimentos, nutrição e dietoterapia. 12ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2010. p.255-56.

Leal GVS, Philippi ST, Matsudo SMM, Toassa EC. Consumo alimentar e padrão de refeições de adolescentes, São Paulo, Brasil. Rev Bras Epidemiol.2010;13(3):457-67.

Reichert FF, Baptista Menezes AM, Wells JCK, Carvalho Dumith S, Hallal PC. Physical activity as a predictor of adolescent body fatness: a systematic review. Sports Med. 2009;39(4):279-94.

Silva RCD. Obesidade, perfil lipídico e sua relação com o nível de atividade física de adolescentes escolares[dissertação]. Brasília: Universidade de Brasília; 2007.

Enes CC, Slater B. Obesidade na adolescência e seus principais fatores determinantes. Rev Bras Epidemiol.2010;13(1):163-71.




DOI: https://doi.org/10.5020/3163

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia