Avaliação do risco de desenvolver diabetes mellitus tipo 2 em população universitária.

Alessandra Tanuri Magalhães, Baldomero Antonio Kato da Silva, Jéssica Alves Ribeiro, Joaquim Fontes de Aguiar Bisneto, Lana Priscilla Ibiapina Pereira, Nádia Veras Machado, Cristiano Sales da Silva, Vinicius Saura Cardoso

Resumo


Objetivo: Verificar a prevalência dos fatores de riscos para desenvolver Diabetes Mellitus tipo 2 (DM2) em uma população universitária. Métodos: Estudo observacional transversal realizado entre 2013 a 2014, em uma Universidade em Parnaíba (PI), com indivíduos maiores de 18 anos que estudam ou trabalham no Campus. Do total populacional disposto no campus (4310 pessoas), participaram da pesquisa 74% (111) dos docentes (G1), 77,68% (94) dos técnicos administrativos (G2) e 32,10% (1299) dos discentes, totalizando 1504 indivíduos, que responderam ao questionário “Are you at risk for type 2 diabetes?” traduzido para a língua portuguesa, de forma impressa, individual, anônima e as respostas obtidas através de auto-preenchimento. Calculou-se o risco de desenvolver DM2 para cada grupo, a associação entre o grupo e o risco de DM2 com teste do Qui-Quadrado (p<0,05) e o risco relativo (RR) para desenvolvimento de DM2 considerando os escores obtidos nos grupos. Resultados: A amostra contemplou 34,89% (1504) do n amostral. O risco de DM2 foi apresentado por 16,21% (18) dos indivíduos do G1, 13,82% (13) do G2 e 1,23% (16) do G3. Quanto a HAS, verificou-se a incidência de 17,1% (19) no G1, 12,8% (12) no G2 e 5,9% (77) no G3. Nos G1, G2 e G3, 59,5% (66), 38,3% (36) e 41,26% (536) não eram fisicamente ativos. O risco de desenvolver DM2 foi elevado no G1 e no G2 significativamente diferente do G3. Conclusão: Encontrou-se a prevalência do risco de desenvolver diabetes mellitus tipo 2 (DM2) de 16,21% no grupo de docentes, 13,82% no grupo de técnicos administrativos e 1,23% no grupo de discentes, destacando-se a obesidade e a inatividade física como fatores de risco mais comuns.

Palavras-chave


Fatores de risco; Diabetes Mellitus tipo 2; Universidades; Questionários.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Azevedo S, Victor EG, Oliveira DC. Diabetes mellitus e aterosclerose: noções básicas da fisiopatologia para o clínico geral. Rev Bras Clin Med 2010; 8: 520-6.

American Diabetes Association. Diagnosis and classification of diabetes mellitus. Diabetes Care. 2013;36(Supl1):S67-8.

Rawal LB, Tapp RJ, Williams ED, Chan C, Yasin S, Oldenburg B. Prevention of Type 2 Diabetes and Its Complications in Developing Countries: A Review. Int J Behav Med. 2012;19:121-33.

International Diabetes Federation atlas update 2012 [Monografia on line]. Disponível em: http://www.idf.org/diabetesatlas/5e/Update2012.

Mendes TAB, Goldbaum M, Segri NJ, Barros MBA, Cesar CLG, Carandina L, Alves MCGP. Diabetes mellitus: fatores associados à prevalência em idosos, medidas e práticas de controle e uso dos serviços de saúde em São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2011;27:1233-43.

Lautt WW, Wang HH. Obesity as an early symptom of the AMIS Syndrome. J Clin Med. 2014;3(4):1178-98.

Dallam G, Foust CP. A Comparative Approach to Using the Diabetes Prevention Program to Reduce Diabetes Risk in a Worksite. Health Promot Pract. 2013;14:199-204.

Zhang, X. Luo H, Gregg EW, Mukhtar Q, Rivera M, Baker L, Albright A. Obesity prevention and diabetes screening at local health departments. Am J Public Health. 2010;100:1434-41.

Lindström J, Neumann A, Sheppard KE, Gilis-Januszewska A, Greaves CJ, Handke U, et al. Take action to prevent diabetes - the IMAGE toolkit for the prevention of type 2 diabetes in Europe. Horm Metab Res. 2010;42(Supl1):37-55.

Buijsse B, Simmons RK, Griffin SJ, Schulze MB. Risk Assessment Tools for Identifying Individuals at Risk of Developing Type 2 Diabetes. Epidemiol Rev. 2011; 33:46-62.

Perrin B, Gardner M, Kennett S, Cornelius J, Fanning M. An organised approach to the podiatric care of people with diabetes in regional Australia. Aust Health Rev. 2012;36:6-21.

Bem AJ. Confiabilidade e análise de desempenho de dois questionários de avaliação da adesão ao tratamento anti-hipertensivo: teste de Morisky-Green e Brief Medication Questionnaire [Dissertação]. Porto Alegre: Universidade federal do Rio Grande do Sul; 2011.

Medeiros CCM, Bessa GG, Coura AS, França ISX, Sousa FS. Prevalência dos fatores de risco para diabetes mellitus de servidores públicos. Rev Eletr Enf. 2012;14:559-69.

Sociedade Brasileira de diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2013-2014. São Paulo: AC Farmacêutica, 2014.

Bang H, Edwards AM, Bomback AS, Ballantyne CM, Brillon D, Callahan MA, Teutsch SM, Mushlin AI, Kern LM. Development and Validation of a Patient Self-assessment Score for Diabetes Risk. Ann Intern Med. 2009;151:775-83.

Beaton DE, Bombardier C, Guillemin F, Ferraz MB. Guidelines for the process of cross-cultural adaptation of self-report measures. Spine. 2000;25(24):3186-91.

Coutinho-Myrrha1 MA, Dias RC, Fernandes AA, Araújo CG, Hlatky MA, Pereira DG, Britto RR. Duke Activity Status Index em Doenças Cardiovasculares: Validação de Tradução em Português. Arq Bras Cardiol. 2014;102(4):383-90.

Duncan BBS, Giugliani MI, Duncan ERJ, Schmidt M, Giugliani C. Medicina Ambulatorial: condutas de atenção primária baseada em evidências. Porto Alegre: Artmed; 2013

Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise de Situação de Saúde, Coordenação Geral de Doenças e Agravos Não Transmissíveis. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília, DF; 2011. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/cartilha_plano.pdf.

Duncan BB, Chor D, Aquino EML, Bensenor IM, Mill JG, Schmidt MI, Lotufo PA, Vigo A, Barreto SM. Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Rev Saúde Pública. 2012;46(Supl):126-34

ANDIFES/Associação Nacional dos Dirigentes das instituições Federais de Ensino Superior. Relatório de Acompanhamento do programa de apoio a planos de reestruturação e expansão das universidades federais (REUNI). Brasília, 2010

Nóbrega, ECM. História familiar de doenças crônicas, atividade física e hábitos alimentares em estudantes da área da saúde. Rev Bras Promoç Saúde. 2014;27(3):333-40.

Cheema A, Adeloye D, Sidhu S, Sridhar D, Chan KY. Urbanization and prevalence of type 2 diabetes in Southern Asia: A systematic analysis. Journal of Global Health. 2014;4(1):010404

Reis AF, Velho G. Bases genéticas do diabetes mellitus tipo 2. Arq Bras Endocrinol Metabol. 2002;46:426-32.

Malerbi DA, Franco, LJ. Multicentric study of the prevalence of diabetes mellittus and impaired tolerance in urban Brazilian population aged 30-69 yr. Diabetes Care. 1992;15:1509-16.

Martin JR, Lopez MAM, Morató TM, Kohan ID, Cuevas FJP, Jimenez RT, Puig JG. Prevalencia de diabetes en una población adulta de Madrid (España). Estudio MADRIC (MADrid RIesgo Cardiovascular). Gac Sanit. 2011;26:243-50.

Silva ESS. Prevalência de Diabetes Mellitus Tipo 2 em Homens de 30 a 59 anos da Polícia Militar de Teresina, Piauí [dissertação]. Rio de Janeiro (RJ): Fundação Oswaldo Cruz; 2008.

Souza LJ, Chalita FEB, Reis AFF, Teixeira CL, Gicovate Neto C, Bastos DA, et al. Prevalência de diabetes mellitus e fatores de risco em Campos de Goyatacazes, RJ. Arq Bras Endocrinol metab. 2003;47:69-74.

Reinhold HH. O sentido da vida: prevenção de stress e burnout do professor [tese]. Campinas (SP): PUC; 2004.

Collins GS, Mallett S, Omar O, Yu LM. Developing risk prediction models for type 2 diabetes: a systematic review of methodology and reporting. BMC Medicine. 2011;9:103-17.

Ortiz MCA, Zanetti ML. Levantamento dos fatores de risco para diabetes mellitus tipo 2 em uma instituição de ensino superior. Rev latino-america de enfermagem. 2001;9:58-63.

Mazzini MCR, Blumer MG, Hoehne EL, Guimarães KRLSLQ, Caramelli B, Fornari L, Malheiros SVP. Rastreamento do risco de desenvolvimento de diabetes mellitus em pais de estudantes de uma escola privada na cidade de Jundiaí, São Paulo. Rev Assoc Med Bras. 2013;59:136-42.

Martinz MC, Latorre MRDO. Fatores de risco para hipertensão arterial e diabete melito em trabalhadores de empresa metalúrgica e siderúrgica. Arq bras Card. 2006;87:471-9.

Pinho L, Flávio EF, Santos SHS, Botelho ACC, Caldeira AP. Excesso de peso e consumo alimentar em adolescentes de escolas públicas no norte de Minas Gerais, Brasil. Cien Saude Colet. 2014;19:67-74.

Cortês DCS, Paula R, Mendonça APP, Torres PRR, Arantes AA, Leal AB, Cavalcanti FAV, Andrade MS, Cruz RO, Marandino R. Sedentarismo em população específica de funcionários de uma empresa pública. Rev Bras Clin Med. 2012;8:375-77.

Molena-Fernandes CA, Ferrari A, Netto-Oliveira ER, Oliveira AAB. Associação entre sobrepeso e obesidade e fatores de risco cardiovascular em funcionários de uma empresa de seguro-saúde. Rev Educação Física/UEM. 2006;17:75-83.

Simão AF, Precoma DB, Andrade JP, Correa Filho H, Saraiva JFK, Oliveira GMM, et al. I Diretriz Brasileira de prevenção cardiovascular. Arq Bras Cardiol. 2013;101(Supl2):1-63.

VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Cardiol. 2010;95(Supl1):1-51.

Colderg SR, Sigal RJ, Fernhall B, Regensteiner JG, Blissmer BJ, Rubin RR, et al. Exercise and Type 2 Diabetes. The American College of Sports Medicine and the American Diabetes Association: joint position statement. Diabetes Care. 2010;33:147-67.

Raddatz, A, Scholze AS, Duarte Júnior CF, Silveira PFA. Análise do discurso da Política Nacional de Promoção da Saúde. Rev Bras Promoç Saúde. 2011;24(3):191-98.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2015.p5

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia