Perspectivas das ações intersetoriais, de inclusão e participação sociais desenvolvidas por agentes comunitários de saúde

Lislaine Aparecida Fracolli, Maria Fernanda Pereira Gomes, Fabiana Rodrigues Zequini Nabão, José Aparecido Alves de Oliveira, Cássia Regina Saade Pacheco, Tatiane Ferreira Bahia

Resumo


Objetivo: Identificar a frequência das ações intersetoriais, de inclusão e participação sociais desenvolvidas por Agentes Comunitários de Saúde (ACS). Métodos: Estudo transversal, descritivo e qualitativo, com coleta de dados realizada no Colegiado Gestor Regional (CGR) de Alto Capivari, São Paulo, Brasil. Questionários foram autopreenchidos por 81 Agentes Comunitários de Saúde (ACS), contendo questões sobre as cinco competências que o Ministério da Saúde propõe para os ACS: integração da equipe com a população; planejamento e avaliação; promoção da saúde; prevenção e monitoramento de risco ambiental e sanitário; e prevenção e monitoramento a grupos específicos e morbidades. Resultados: As ações intersetoriais, de inclusão e participação sociais ainda estão em processo de construção no CGR de Alto Capivari, apontando que há dificuldades para sua implementação. As ações de inclusão social são desenvolvidas pelos ACS; já as ações intersetoriais são identificadas e propostas, porém, pouco executadas; e não ocorre participação social dos ACS. Conclusão: A presente pesquisa permitiu identificar que os ACS que trabalham no CGR de Alto Capivari realizam ações de inclusão social e propõem ações intersetoriais, no entanto, essas ações são pouco executadas. Quanto à participação social, os ACS não participam dos Conselhos Locais de Saúde.

Palavras-chave


Promoção da Saúde; Estratégia Saúde da Família; Ação Intersetorial; Participação Social.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Czerenia DF, Freitas CM. Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Ed. FIOCRUZ; 2003.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília; Ministério da Saúde, 2012.

Fracolli LA, Gomes MFPG, Pinheiro DGM, Castro DFA. Avaliação das ações de promoção da saúde desenvolvidas pelos agentes comunitários de saúde. O mundo da Saúde. 2013;37(4):411-418.

Brasil. Ministério da Saúde. Ministério da Educação. Referencial curricular para o curso técnico de agente comunitário de saúde: área profissional. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Pinto AAM, Fracolli LA. O trabalho do agente comunitário de saúde na perspectiva da promoção da saúde: considerações práxicas. Rev. Eletr. Enf. [periódico na Internet]. 2010 dez; [citado 2014 Mar 12];12(4):766-9. Disponível em: http://www.revistas.ufg.br/index.php/fen/article/view/7270/8501.

Associação Paulista de Medicina (APM). SUS: o que você precisa saber sobre o Sistema Único de Saúde. São Paulo: Atheneu; 2004.

Stainback W, Stainback S. Inclusão: um guia para educadores. Trad. Magda França Lopes. Porto Alegre: Artmed; 1999.

Valla VV, Stotz EM. Participação popular, educação, saúde teoria e prática. Rio de Janeiro: Relume-dumará, 1993.

Costa BVL, Mendonça RD, Santos LC, Peixoto SV, Alves M, Lopes ACS. Academia da Cidade: um serviço de promoção da saúde na rede assistencial do Sistema Único de Saúde. Ciênc. Saúde Coletiva. 2013;18(1):95-102.

Santos DS, Tenório EA, Brêda MZ, Mishima SM. Processo saúde/doença e estratégia saúde da família: o olhar do usuário. Ver. Latino-Am. Enfermagem. 2014;22(6):918-25.

Bydlowski CR, Lefevre AMC, Pereira IMTB. Promoção da saúde e a formação cidadã: a percepção do professor sobre cidadania. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(3):1771-80.

Santos LPGS, Fracolli LA. O Agente Comunitário de Saúde: possibilidades e limites para a promoção da saúde. Rev. esc. enferm. USP. 2010;44(1):76-83.

Barbosa VBA, Ferreira MLSM, Barbosa PMK. Educação permanente em saúde: uma estratégia para a formação dos agentes comunitários de saúde. Rev. Gaúcha Enferm. 2012;33(1):56-63.

Pereira IC, Oliveira MAC. O trabalho do agente comunitário na promoção da saúde: revisão integrativa da literatura. Rev Bras Enferm. 2013;66(3):412-419.

Noronha MGRCS, Cardoso OS, Moraes TNP, Centa ML. Resiliência: nova perspectiva na Promoção da Saúde da Família?. Ciênc. Saúde Coletiva. 2009;14(2):497-506.

Warschauer M, Carvalho YM. O conceito “Intersetorialidade”: contribuições ao debate a partir do Programa Lazer e Saúde da Prefeitura de Santo André/SP. Saude soc. 2015;23(1):191-203.

Maciel MRC. Portadores de deficiência: a questão da inclusão social. São Paulo Perspec. [periódico na internet]. 2000 jun. [citado 2014 Mar 16];14(2):51-56. Available from: disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-88392000000200008.

Nogueira FCP, Lima LHO, Wolfovitch RGS, Nascimento SM, Lopes SRM. Implantação de um conselho local de saúde: desafios da prática do controle social. Rev Baiana Saúde Pública. 2008;32(1):104-10.

Staliano P, Araujo TCCF. Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças: Um Estudo com Agentes Comunitários de Saúde. Revista Psicologia e Saúde. 2011;3(1):43-51.

Nunes MO, Trad LB, Almeida BA, Homem CR, Melo MCIC. O agente comunitário de saúde: construção da identidade desse personagem híbrido e polifônico. Cad Saúde Pública. 2002;18(6):1639-1646.

Silva KL, Sena RR, Lima KMSV, Martins BR, Santos JBO. Promoção da saúde e intersetorialidade em um município da região metropolitana de Belo Horizonte/Minas Gerais. Rev APS. 2013;16(2):165-172.

Silva ERP, Cazola LHO, Cheade MFM, Pícoli RP. Atuação dos agentes comunitários de saúde na estratégia saúde da família. Cogitare Enferm. 2012;17(4):635-41.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2015.p82

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia