Estimativas e tendências de aborto provocado no Piauí: um estudo ecológico no período de 2000-2010

Alberto Madeiro, Andrea Cronemberger Rufino, Isadora Sousa Santos, Marina Sousa Carvalho

Resumo


Objetivo: Estimar o aborto provocado e avaliar sua tendência no estado do Piauí e em seus territórios de desenvolvimento (TD), no período de 2000 a 2010. Métodos: Realizou-se estudo ecológico, de série temporal, utilizando dados secundários de internações hospitalares por complicações de aborto, no período de fevereiro a junho de 2014. A estimativa de abortos induzidos foi calculada por metodologia do Instituto Guttmacher. Empregou-se o método Joinpoint para identificar mudanças significativas nas tendências. Resultados: Analisaram-se 55.678 internações hospitalares por aborto e verificou-se decréscimo de 35% entre 2000 e 2010. O número de abortos induzidos decresceu no Piauí entre os extremos da série temporal, passando de 10.362 em 2000 para 6.738 em 2010. Houve tendência de aumento significativo nas razões de aborto nos TD 1 e 7, como também tendência de redução significativa no TD 4. Os demais TD apresentaram tendência estável da razão de aborto. Conclusão: A taxa de internação pós-aborto e as estimativas de aborto induzido foram elevadas no estado do Piauí, com tendência de diminuição da razão de aborto induzido no período estudado.

Palavras-chave


Aborto Induzido; Hospitalização; Estudos de Séries Temporais.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Sedgh G, Singh S, Shah IH, Ahman E, Henshaw SK, Bankole A. Induced abortion: incidence and trends worldwide from 1995 to 2008. Lancet. 2012;379(9816):625-32.

World Health Organization - WHO. Unsafe abortion: global and regional estimates of the incidence of unsafe abortion and associated mortality in 2008. 6th ed. Geneva: World Health Organization; 2011.

Jones RK, Hill KH. Underreporting of induced and spontaneous abortion in the United States: an analysis of the 2002 National Survey of Family Growth. Stud Fam Plann. 2007;38(3):187-97.

Shellenberg KM, Moore AM, Bankole A, Juarez F, Omideyi AK, Palomino N, et al. Social stigma and induced abortion: results from an exploratory study. Glob Public Health. 2011;6(Suppl 1):S111-25.

Okonofua F, Omo-Aghoja L, Bello Z, Osughe M, Agholor K. Self-reporting of induced abortion by women attending prenatal clinics in urban Nigeria. Int J Obstet Gynecol. 2010;111(2):122-5.

Singh S, Wulf D. Estimating abortion levels in Brazil, Colombia and Peru, using hospital admissions and fertility data. Int Fam Plan Perspect. 1991;17(1):8-24.

Singh S, Wulf D. Estimated levels of induced abortion in six Latin American countries. Int Fam Plan Perspect. 1994;20(1):4-13.

Monteiro M, Adesse L. Estimativas de aborto induzido no Brasil e Grandes Regiões, 1992-2005. Anais do XV Encontro Nacional de Estudos Populacionais, Caxambú-MG; 2006 Set 18–22. Caxambu: Ações Afirmativas em Direitos e Saúde; 2006. p. 1-10.

Rossier C. Estimating induced abortion rates: a review. Stud Fam Plann. 2003;34(2):87-102.

Singh S, Remez L, Tartaglione A. Methodologies for estimating abortion incidence and abortion-related morbidity: a review. New York: Guttmacher Institute; Paris: International Union for Scientific Study of Population; 2010.

Diniz D, Medeiros M. Pesquisa Nacional de Aborto: um estudo com técnica de urna. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(Supl 1):S959-66.

Souza MG, Fusco CL, Andreoni SA, Souza, Silva R. Prevalência e características sociodemográficas de mulheres com aborto provocado em uma amostra da população da cidade de São Paulo, Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2014;17(2):297-312.

Cecatti JG, Guerra GVQL, Sousa MH, Menezes GMS. Aborto no Brasil: um enfoque demográfico. Rev Bras Ginecol Obstet. 2010;32(3):105-11.

Governo do Estado do Piauí. Lei Complementar no 87, de 22 de agosto de 2007 [legislação na internet]. Estabelece o Planejamento Participativo Territorial para o Desenvolvimento Sustentável do Estado do Piauí e dá outras providências. Teresina: Governo de em: http://www.seplan.pi.gov.br/uapr/lei87_22-08-2007.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Censo Demográfico 2000 e 2010. Características da População e dos Municípios [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2010 [acesso em 2014 Dez 12]. Disponível em: http://www.sidra.ibge.gov.br/cd/cd2010universo.asp?o=7&i=P

Mello FMB, Sousa JL, Figueroa JN. Magnitude do aborto inseguro em Pernambuco, Brasil, 1996 a 2006. Cad Saúde Pública. 2011;27(1):87-93.

National Cancer Institute. Joinpoint Regression Program. Version 3.4.3 [Internet]. Bethesda; 2013 [acesso em 2014 Jan 30]. Disponível em: http:// surveillance.cancer.gov/joinpoint/

Kim HJ, Fay MP, Feuer EJ, Midthune DN. Permutation tests for joinpoint regression with applications to cancer rates. Stat Med. 2000;19(3):335-51.

Ministério da Saúde (BR), Centro Brasileiro de Análise e Planejamento. Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher – PNDS 2006: dimensões do processo reprodutivo e da saúde da criança. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Singh S, Monteiro MFG, Levin J. Trends in hospitalization for abortion-related complications in Brazil, 1992-2009: why the decline in numbers and severity? Int J Gynecol Obstet. 2012;118(Suppl2):S99-S106.

Barbosa R, Arilha M. The Brazilian experience with Cytotec. Stud Fam Plann. 1993;24(4):236-40.

Fonseca W, Misago C, Correia LL, Parente JAM, Oliveira FC. Determinantes de aborto provocado entre mulheres admitidas em hospitais em localidade da região Nordeste do Brasil. Rev Saúde Pública. 1996;30(4):13-8.Estado do Piauí [acesso em 2014 Dez 12]. Disponível23.

Fonseca W, Misago C, Freitas P, Santos E, Fernandes L, Correa L. Características sócio-demográficas, reprodutivas e médicas de mulheres admitidas por aborto em hospital da Região Sul do Brasil. Cad Saúde Pública. 1998;14(2):279-86.

Faúndes A, Santos LC, Carvalho M, Gras C. Postabortion complications after interruption of pregnancy with misoprostol. Adv Contracept. 1996;12(1):1-9.

Miller S, Lehman T, Campbell T, Hemmerling A, Anderson SB, Rodriguez H, et al. Misoprostol and declining abortion-related morbidity in Santo Domingo,

Dominican Republic: a temporal association. BJOG. 2005;112(9):1291-6.

Kapp N, White P, Tang J, Jackson E, Brahmi D. A review of evidence for safe abortion. Contraception. 2013;88(3):350-63.

Diniz D, Madeiro A. Cytotec e aborto: a polícia, os vendedores e as mulheres. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(7):1795-803.

Diniz D, Medeiros M. Itinerários e métodos do aborto ilegal em cinco capitais brasileiras. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(7):1671-81.

Zamberlin N, Romero M, Ramos S. Latin American women’s experiences with medical abortion in settings where abortion is legally restricted. Reprod Health. 2012;9(1):34.




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2015.p168

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia