Qualidade de vida de professoras do ensino básico da rede pública

Debora Dornelas Ferreira Tavares, Renata Aparecida Rodrigues de Oliveira, Rômulo José Mota Júnior, Claúdia Eliza Patrocínio Oliveira, João Carlos Bouzas Marins

Resumo


Objetivo: Avaliar os aspectos associados à qualidade de vida (QV) de professoras do ensino básico da rede pública de Viçosa-MG, buscando relações com a classe econômica. Métodos: Trata-se de um estudo descritivo transversal, desenvolvido entre março e outubro de 2013, realizado com 156 professoras da cidade de Viçosa-MG. Foram aplicados os questionários World Health Organization Quality of Life/BREF e o Critério de Classificação Econômica. Utilizou-se também um questionário contendo tempo de atuação e carga horária semanal de trabalho. Para comparação dos domínios da QV entre as classes econômicas, utilizou-se o teste ANOVA one way, com post hoc de Tukey. Para todos os tratamentos, adotou-se um nível de significância de p<0,05. Resultados: As avaliadas apresentaram idade média de 43,88 (+ 10,61) anos, carga horária de trabalho semanal de 29,00 (+ 10,35) horas e tempo de atuação profissional de 16,17 (+ 8,91) anos. A maioria das avaliadas se encontrava na classe econômica B1/B2, com 60,3%. O escore médio da QV geral foi de 68,43 (+ 11,69) pontos, com maiores valores para os domínios “relações sociais” e “físico”. Foi encontrada uma redução na média do domínio “meio ambiente” em relação à menor classe econômica (p=0,011). Houve correlação fraca e inversa entre o domínio “relações sociais” e a carga horária semanal de trabalho (r=-0,16; p=0,031). Conclusão: A QV da população estudada foi considerada entre regular e boa, levando-se em conta a escala do protocolo. Houve associação somente entre o domínio “meio ambiente” e a classe econômica.

Palavras-chave


Promoção da Saúde; Qualidade de Vida; Educação; Docentes.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Damasio BF, Melo RLP, Silva JP. Sentido de vida, bem-estar psicológico e qualidade de vida em professores escolares. Paidéia. 2013;23(54):73-82 .

Tabeleão VP, Tomasi E, Neves SF. Qualidade de vida e esgotamento profissional entre docentes da rede pública de Ensino Médio e Fundamental no Sul do Brasil. Cad Saúde Pública. 2011;27(12):2401-8.

Pereira ÉF, Teixeira CS, Andrade RD, Bleyer FTS, Lopes AS. Associaçã o entre o perfil de ambiente e condições de trabalho com a percepção de saúde equalidade de vida em professores de educação básica. Cad Saúde Coletiva. 2014;22(2):113-9.

Ceballos AGC, Santos GB. Fatores associados à dor musculoesquelética em professores: Aspectos sociodemográficos, saúde geral e bem-estar no trabalho. Rev Bras Epidemiol. 2015;18(3):702-15.

Fernandes MH, Rocha VM, Fagundes AAR. Impacto da sintomatologia osteomuscular na qualidade de vida de professores. Rev Bras Epidemiol. 2011;14(2):276-84.

World Health Organization (WHO). The World Health Organization Quality of Life Assessment (WHOQOL): position paper from the World Health Organization. Soc Science Med. 1995;41(10):403-9.

Penteado RZ, Pereira IMTB. Qualidade de vida e saúde vocal de professores. Rev Saúde Pública. 2007;41(2):236-43.

Santos MN, Marques AC. Condições de saúde, estilo de vida e características de trabalho de professores de uma cidade do sul do Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(3): 837-46.

Lwanga WK, Lemeshow S. Sample size determination in health studies: a practical munual. Geneva, World Health Organization; 1991.

Pereira ÉF, Teixeira CS, Lopes AS. Qualidade de vida de professores de educação básica do município de Florianópolis, SC, Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(7):1963-70.

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa - ABEP. Dados com base no Levantamento Sócio Econômico 2011–IBOPE. Critério de Classificação Econômica (CCEB). São Paulo: ABEP; 2013.

Fleck MPA, Louzada S, Xavier M, Chachamovich E, Vieira G, Santos L, et al. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-bref”. Rev Saúde Pública. 2000;34(2):178-83.

Koetz L, Rempel C, Périco E. Qualidade de vida de professores de Instituições de Ensino Superior Comunitárias do Rio Grande do Sul. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(4):1019-28.

Silveira RE, Reis NA, Santos ÁS, Borges MR. Qualidade de vida de docentes do ensino fundamental de um município brasileiro. Referência 2011;3(4):115- 23.

Pereira ÉFP, Teixeira CS, Andrade RD, Lopes AS. O trabalho docente e a qualidade de vida dos professores na educação básica. Rev Salud Pública. 2014;16(2):221-31.

Ferreira RC, Silveira AP, Sá MAB, Feres SBL, Souza, JGS, Martins MEBL. Transtorno mental e estressores no trabalho entre professores universitários da área da saúde. Trab Educ Saúde. 2015;13(1):135-55.

Alves T, Pinto JMR. Remuneração e características do trabalho docente no Brasil: um aporte. Cad Pesqui. 2011; 41(143):606-39.

Azevedo GPGC, Friche AAL, Lemos SMA. Autopercepção de saúde e qualidade de vida de usuários de um Ambulatório de Fonoaudiologia. Ver Soc Bras Fonoaudiol. 2012;17(2):119-27.

Costa GLM, Oliveira DA. Trabalho docente no ensino médio no Brasil. Perspectiva. 2011;29(2):727-50.

Nardo EL,Schneider MP. Condições de trabalho docente: novas tessituras das políticas de avaliação para a qualidade. Educação. 2014; 39(1):215-28.




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2015.p191

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia