Análise microbiana e do teor de flúor adicionado à água de abastecimento em um estado do Nordeste do Brasil

Guacyra Machado Lisboa, Taynah Rabelo, Alcides José Ramos Sales, Edna Maria Silveira Monteiro, Eurípedes Alves da Silva Filho

Resumo


Objetivo: Analisar os teores de íons de fluoreto e o padrão microbiológico encontrado nas águas de abastecimento público dos municípios alagoanos que fluoretam suas águas. Métodos: Estudo transversal descritivo realizado no período de 2012 a 2014, no qual se analisaram todos os laudos emitidos pelo Laboratório Central de Saúde Pública de Alagoas (LACEN-AL) com os resultados da análise da qualidade da água para consumo humano dos onze municípios alagoanos que fluoretaram suas águas, totalizando 3.089 laudos. Avaliou-se o número total de amostras enviadas para análise da qualidade da água, a quantidade de amostras em que foi solicitada a análise de fluoreto, teores e variações dos íons de fluoreto e o padrão microbiológico das amostras fluoretadas. Realizou-se a análise descritiva dos dados, obtendo-se as frequências absolutas e relativas percentuais. Resultados: Foram encontradas 429 (83,9%) amostras coletadas no intervalo 0,0-0,5 mgF/L, número considerado abaixo do recomendável, além de grande variação na concentração dos íons de fluoreto e 128 (26,3%) amostras de água fluoretada fora dos padrões de potabilidade. Conclusão: Os dados mostraram uma grande variação e um alto percentual de amostras com baixas concentrações de fluoreto, assim como a necessidade de melhoria da qualidade da água ofertada, de modo a garantir para a população o acesso contínuo à água potável

Palavras-chave


Cárie Dentaria; Fluoretação; Qualidade da Água

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Maciel AC, Yonekubo F, Oliveira Filho PC, Rios EM. Gerenciamento espacial do monitoramento da qualidade da água para abastecimento público da cidade de Irati/PR. Rev Eng Tecnol. 2014;6(1):92-101.

Scorsafava MA, Souza A, Stofer M, Nunes CA, Milanez TV. Avaliação físico-química de água de poços e minas destinadas ao consumo humano. Rev Inst Adolfo Lutz. 2010;69(2):229-32.

Joventino ES, Silva SF, Rogério RF, Freitas GL, Ximenes LB, Moura ERF. Comportamento da diarréia infantil antes e após consumo de água pluvialem

município do semi-árido brasileiro. Texto & Contexto Enferm. 2010;19(4):691-9.

Araújo GFR, Tonani KAA, Julião FC, Cardoso OO, Alves RIS, Ragazzi MF, et al. Qualidade físico-química e microbiológica da água para consumo humano e a relação com a saúde: estudo em uma comunidade rural no estado de São Paulo. Mundo Saúde. 2011;35(1):98-104.

Ministério da Saúde (BR). Portaria n° 2914 de 12 de dezembro de 2011. Brasília: Ministério da Saúde. 2011 [acesso em 2015 Jan 6]. Disponível em: http://

bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/ prt2914_12_12_2011.html

Simões TSG, Nunes TCG, Correia BS, Oliveira VPS. Uso de parâmetros físico-químicos e microbiológicos como ferramenta na implementação de projeto de educação ambiental em Cazumbá- São João da Barra, RJ. Bol Observ Amb Alberto Ribeiro Lamego.2013;7(1):31-48.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde. Inspeção sanitária em abastecimento de água. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Ministério da Saúde (BR). Diretrizes da política nacional de saúde bucal. Brasília: Ministério da Saúde; 2004 [acesso em 2015 Jan 8]. Disponível em: http:// bvsms.saude.gov.br/bvs/politco_nacional_brasil_ sorridente.pdf

Bueno RE, Moysés ST, Bueno PAR, Moysés SJ. Determinantes sociais e saúde bucal de adultos nas capitais do Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2014;36(1):17-23.

Frazão P, Peres MA, Cury JA. Qualidade da água para consumo humano e concentração de fluoreto. Ver Saúde Pública. 2011;45(5):964-73.

Peixoto DF, Alencar KP, Peixoto RF, Souza CFM, Sampaio FC, Forte FDS. Heterocontrole da Fluoretação da Água de Abastecimento Público do Município de Jaguaribara, Ceará, Brasil. Rev Bras Promoç Saúde. 2012;25(3):271-7.

Medri W, Soeiro JC, Yotsumoto AS, Dalmas JC, Nóbrega MM. Amostragem probabilística no controle da qualidade da água para o consumo humano. Semina.2012;33(1):49-56.

Frazão P, Soares CCS, Fernandes GF, Marques RAA, Narvai PC. Fluoretação da água e insuficiências no sistema de informação da política de vigilância à saúde. Rev Assoc Paul Cir Dent. 2013;67(2):94-100.

Bergamo ETP, Barbana M, Terada RSS, Cury JA, Fujimaki M. Fluoride concentrations in the water of Maringá, Brazil, considering the benefit/risk balance of caries and fluorosis. Braz Oral Res. 2015;29(1):1-6

Moraes JE, Quináia SP, Takata NH, Fürstenberguer CB. Determinação do índice de fluoreto em águas de abastecimento público em municípios da região centro sul do Paraná. Ambiência. 2009;5(2):233-46.

Santos MGC, Santos RC. Fluoretação das Águas de Abastecimento Público no Combate à Cárie Dentária. Rev Bras Ciênc Saúde. 2011;15(1):75-80.

Fujibayash SY, ArchettI FB, Pizzatto S, Losso EM, Pizzatto E. Severidade de fluorose dental em um grupo de escolares. RSBO. 2011;8(2):168-73.

Instituto Brasileiro de Geografia e estatística (IBGE). Censo Demográfico 2010. [acesso em2015 Jan 10]. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - PNUD. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013 [acesso em 2015 Jan 10]. Disponível em: http:// www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/ranking20. Tejada CO, Jacinto PA, Santos AMA, Sequeira CMD. Mortalidade e as condições socioeconômicas em alagoas. Rev ABET. 2007;7(1):26-51.

Alves WA, Correia DS, Barbosa LLB, Lopes LM, Melânia MIASM. Violência letal em Maceió: estudo descritivo sobre homicídios, 2007-2012. Epidemiol Serv Saúde. 2014;23(4):731-40.

Cesa K, Abegg C, Aerts D. A Vigilância da fluoretação de águas nas capitais brasileiras. Epidemiol Serv Saúde. 2011;20(4):547-55.

Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas, Superintendência de Vigilância em Saúde. Relatório Vigiágua 2013: quantidade de municípios que adicionam flúor a água de abastecimento público. Maceió: DIVISAM; 2014.

Fundação Nacional de Saúde (BR). Manual de fluoretação da água para consumo humano.Brasília: FUNASA; 2012.

Brasil. Decreto Nº. 76.872 de 22 de Dezembro de 1975. Regulamenta a Lei nº 6.050/74, que dispõe sobre a fluoretação da água. Brasília; 1975.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde. Diretriz Nacional do Plano de Amostragem da Vigilância Ambiental em Saúde Relacionada à Qualidade da Água para Consumo Humano. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde. Diretriz Nacional do Plano de Amostragem da Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Augusto LGS, Gurgel IGD, Câmara-Neto HF, Melo CH, Costa AM. Contexto global e nacional frente aos desafios do acesso adequado à água para consumo humano. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(6):1511-22.

Carmo CDS, Alves CMC, Cavalcante PR, Ribeiro CCC. Avaliação da Fluoretação da água do sistema de abastecimento público na Ilha de São Luis Maranhão, Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(Supl 1):1835-40.

Panizzi M, Peres MA. Dez anos de heterocontrole da fluoretação de águas em Chapecó, Estado de Santa Catarina Brasil. Cad Saúde Pública. 2008;24(9):2021-31.

Leivas LL, Tovo MF, Ardenghi TM, Feldens CA, Kramer PF, Faraco Junior IM. Heterocontrole da fluoretação das águas de abastecimento público do Município de Canoas/RS. Stomatos. 2010;16(30):11-20.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2015.p216

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia