Perfil dos frequentadores das academias de ginástica de um município do Rio Grande do Sul

Guilherme da Fonseca Vilela, Airton José Rombaldi

Resumo


Objetivo: Traçar o perfil dos frequentadores das academias de ginástica do município de Canguçu-RS. Métodos: Estudo transversal, de caráter descritivo, com 177 frequentadores de academias de diversas modalidades. Utilizou-se um questionário estruturado, contendo 76 questões para mensurar variáveis sociodemograficas, antropométricas, nutricionais e comportamentais, além de informações relacionadas às praticas nas academias. Realizou-se análise descritiva dos dados, com cálculo de médias ± desvios-padrão para as variáveis contínuas e cálculo de proporções para as variáveis categóricas. Resultados: Participaram 177 frequentadores das academias na cidade de Canguçu-RS (30±12,5 anos; 70,0±12,8 kg; 1,69±0,1m). Com relação às variáveis comportamentais, a maioria nunca fumou (71,8%), não bebia exageradamente (89,9%) e era ativa no lazer (87%). No tocante às variáveis nutricionais, 66,7% tinham índice de massa corporal normal e a maioria não alcançava as recomendações de consumo diário de frutas, verduras e legumes, e não usava suplementos (69,5%). No que diz respeito às variáveis relacionadas à academia, a maioria dos respondentes frequentava há mais de 12 meses (56,5%), quatro ou mais vezes por semana (52%), à noite (52,5%), relatando que o principal motivo para ir à academia foi permanecer saudável (78%). Os praticantes afirmaram satisfação com os objetivos alcançados (60%) e praticavam a modalidade de musculação (97,2%). Conclusão: A maioria dos freqüentadores das academias era do sexo masculino, jovem, ativa no lazer, praticava a modalidade de musculação e estava satisfeita com os resultados buscados nas academias. Apesar disso, são necessárias estratégias de mudança de comportamento em relação ao consumo de frutas, verduras e legumes.

Palavras-chave


Dieta; Academias de Ginástica; Atividade Física; Saúde.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


World Health Organization - WHO. Global status report on noncommunicable diseases 2010. Geneva: WHO; 2011.

World Health Organization - WHO. Noncommunicable diseases country profiles 2011. Geneva: WHO; 2011.

World Health Organization - WHO. Global health risks: mortality and burden of disease attributable to selected major risks. Geneva: WHO; 2009.

World Health Organization - WHO. Global recommendations on physical activity for health. Geneva: WHO; 2010.

Wen CP, Way JPM, Tsai MK, Yang YC, Cheng TYD, Lee MC, et al. Minimum amount of physical activity for reduced mortality and extended life expectancy: a prospective cohort study. Lancet. 2011;378(9798):1244-53.

Lee IM, Shiroma EJ, Lobelo F, Puska P, Blair SN, Katzmarzyk PT. Effect of physical inactivity on major non-communicable diseases worldwide: an analysis of burden of disease and life expectancy. Lancet. 2012;380(9838):219-29.

Rufino VS, Soares LFS, Santos DL. Características de frequentadores de academias de ginástica do Rio Grande do Sul. Kinesis. 2000;22:57-68.

Souza P. Mercado fitness na região está aquecido. Conselho Federal de Educação Física 2012 [acesso em 2014 Fev 06]. Disponível em: http://www.confef.org.br/extra/clipping/view.asp?id=420

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais. NOTA 1: Estimativas da população residente com data de referência 1o de julho de 2013 [acesso em 2014 Fev 06]. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/temas.php?lang= &codmun=430450&idtema=119&search=rio-grandedo-sul|cangucu|estimativa-da-populacao-2013

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. Critério de classificação econômica Brasil. Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa; 2011 [acesso em 2014 Maio 17]. Disponível em: http://www.abep.org

World Health Organization - WHO. Definitions of smoking. Global link. Geneva: WHO; 2003.

World Health Organization - WHO. Drinking and driving: a road safety manual for decision-makers and practitioners. Geneva: WHO; 2007.

Craig CL, Marshall AL, Sjostrom M, et al. International physical activity questionnaire: 12-country reliability and validity. Med Sci Sports Exerc. 2003;35(8):1381-95.

Haskell WL, Lee IM, Pate RR, Powell KE, Blair SN, Franklin BA, et al. Physical activity and public health: updated recommendation for adults from the American College of Sports Medicine and the American Heart Association. Med Sci Sports Exerc. 2007;39(8):1423-34.

Fermino RC, Pezzini MR, Reis RS. Motivos para prática de atividade física e imagem corporal em frequentadores de academia. Rev Bras Med Esporte. 2010;16(1):18-23.

Stutts WC. Physical activity determinants in adults. Perceived benefits, barriers, and self efficacy. AAOHN J. 2002;50(11):499-507.

Pinheiro KC, Silva DAS, Petroski EL. Barreiras percebidas para prática de musculação em adultos desistentes da modalidade. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2010;15(3):157-62.

Fontoura JL, Echeverria LC, Liberali R. Comparação do consumo de suplementos alimentares entre frequentadores de uma academia central e outra de periferia de uma cidade da região metropolitana de Porto Alegre/RS. Rev Bras Nutr Esportiva. 2009;3(15):249-63.

Hallak A, Fabrini S, Peluzio MCG. Avaliação do consumo de suplementos nutricionais em academias da zona sul de Belo Horizonte, MG, Brasil. Rev Bras Nutr Esportiva. 2007;1(2):55-60.

Guimaraes Filho JCM, Moura DL, Antunes MM. Quando a beleza põe mesa: uma análise das condições de trabalho do profissional de educação física em megaacademias. Motrivivência. 2011;23(36):197-213.

Delcor NS, Araujo TM, Reis EJ, Porto LA, Carvalho FM, Silva MO, et al. Labor and health conditions of private school teachers in Vitória da Conquista, Bahia, Brazil. Cad Saúde Pública. 2004;20(1):187-96.

Madeira MC, Siqueira FCV, Facchini LA, Da Silveira DS, Tomasi E, Thuné E, et al. Atividade física no deslocamento em adultos e idosos do Brasil: prevalências e fatores associados. Cad Saúde Pública.2013; 29(1):165-74.

Ferreira LS, Honorato D, Stulbach T, Narciso P. Avaliação do IMC como indicativo de gordura corporal e comparação de indicadores antropométricos para determinação de risco cardiovascular em frequentadores de academia. Rev Bras Nutr Esportiva. 2013;7(42):324-32.

Holmaback I, Ericson U, Gullberg B, Wirfalt E. A high eating frequency is associated with an overall healthy lifestyle in middle-aged men and women and reduced likelihood of general and central obesity in men. Br J Nutr. 2010;104(7):1065-73.

World Health Organization - WHO. Diet, nutrition, and the prevention of chronic diseases. Geneva: WHO; 2003.

Areta JL, Burke LM, Ross ML, Camera DM, West DWD, Broad EM, et al. Timing and distribution of protein ingestion during prolonged recovery from resistance exercise alters myofibrillar protein synthesis. J Physiol. 2013;591(9):2319-31.

Tahara AK, Schwartz GM, Silva KA. Aderência e manutenção da prática de exercícios em academias. Ver Bras Ciênc Mov. 2003;11(4):7-12.

Coll CDVN, Amorim TC, Hallal PC. Percepção de adolescentes e adultos referente à influência da mídia sobre o estilo de vida. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2010;15(2):105-10.




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2015.p206

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia