Excesso de peso de adultos residentes em um aglomerado urbano subnormal

Silvia Pereira da Silva de Carvalho Melo, Anete Rissin, Malaquias Batista Filho

Resumo


Objetivo: Avaliar a prevalência de excesso de peso e possíveis fatores de risco em adultos residentes em um aglomerado urbano subnormal. Métodos: Estudo observacional do tipo transversal, baseado em uma amostra de 582 adultos, na faixa etária de 20 a 59 anos, residentes no aglomerado urbano subnormal dos Coelhos (Recife). Definiu-se excesso de peso pelo índice de massa corporal (IMC) maior ou igual a 25kg/m2. Foram avaliadas possíveis associações com idade, sexo, raça/cor e fatores socioeconômicos (escolaridade e condição de trabalho). O efeito sobre a ocorrência de excesso de peso foi estimado pelo cálculo do Odds Ratio (OR), mediante o ajuste de modelos de regressão logística simples. A precisão e significância estatística desses ORs foram avaliadas através de intervalos de 95% de confiança e do teste de Wald. Adotou-se nível de significância de 5%. Resultados: A prevalência de excesso de peso foi de 62,5% (n=364), sendo maior nas mulheres (66,1%;n=251) do que nos homens (56,0%; n=113), com um aumento progressivo até a faixa etária de 40 a 49 anos, passando a declinar a partir de então. Nessa faixa, houve um risco de excesso de peso de 2,6 vezes. Além da idade, pertencer ao sexo feminino e não trabalhar também representaram condições de risco. Conclusão: A elevada prevalência do excesso de peso na população adulta residente no aglomerado urbano subnormal dos Coelhos se mostrou associada ao sexo, faixa etária e condição de trabalho, constituindo-se, assim, como possíveis fatores de risco do problema.

Palavras-chave


Sobrepeso; Obesidade; Adulto; Pobreza.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Diretrizes para o cuidado das pessoas com doenças crônicas nas redes de atenção à saúde e nas linhas de cuidado prioritárias. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Ministério da Saúde (BR), Secretária de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise de Situação de Saúde. Saúde Brasil 2010: uma análise da situação de saúde e de evidências selecionadas de impacto de ações de vigilância em saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Batista Filho M, Rissin A. A transição nutricional no Brasil: tendências regionais e temporais. Cad Saúde Pública. 2003;19 (Supl 1):S181-91.

Freese E, Fontbonne A. Transição epidemiológica comparada: modernidade, precariedade e

vulnerabilidade. In: Freese E, organizador. Epidemiologia, políticas e determinantes das doenças crônicas não transmissíveis no Brasil. Recife: Ed. Universitária da UFPE; 2006. p. 17-46.

World Health Organization - WHO. Global status mreport on noncommunicable diseases, 2010 [acesso em 2014 Set 26]. Disponível em: http://www.who.int/nmh/ publications/ncd_report_full_en.pdf

Goulart FAA. Doenças crônicas não transmissíveis: estratégias de controle e desafios para os sistemas de saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2011.

Ng M, Fleming T, Robinson M, Thomson B, Graetz N, Margono C, et al. Global, regional, and national prevalence of overweight and obesity in children and adults during 1980–2013: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2013. Lancet. 2014;384(9945):766-81.

Schmidt MI, Duncan BB, Silva GA, Menezes MA, Monteiro MA, Barreto SM, et al. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: carga e desafios atuais. Lancet Saúde no Brasil 4. [Internet]. 2014 [acesso em 2014 Set 26]. Disponível em: http://download.thelancet.com/ flatcontentassets/pdfs/brazil/brazilpor4.pdf

Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2012.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde. VIGITEL Brasil 2013: Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Sá NN, Moura EC. Excesso de peso: determinantes sociodemográficos e comportamentais em adultos, mBrasil, 2008. Cad Saúde Pública. 2011;27(7):1380-92.

Barbosa JM, Cabral PC, Lira PI, Florêncio TM. Fatores socioeconômicos associados ao excesso de peso em população de baixa renda do nordeste brasileiro. Arch Latinoam Nutr. 2009;59(1):22-9.

Ogden CL, Carroll MD, Kit BK, Flegal KM. Prevalence of Obesity in the United States, 2009-2010. NCHS Data Brief. 2012;82:1-8.

World Health Organization - WHO. Obesity and overweight [acesso em 2014 Set 22]. Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs311/en/

Gigante DP, de Moura EC, Sardinha LM. Prevalence of overweight and obesity and associated factors, Brazil. Rev Saúde Pública. 2009;43(Supl 2):83-9.

Kain J, Vio F, Albala C. Obesity trends and determinant factors in Latin America. Cad Saúde Pública. 2003;19(Supl 1):77-86.

Ferreira VA, Silva AE, Rodrigues CA, Nunes NL, Vigato TC, Magalhães R. Desigualdade, pobreza e obesidade. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(Supl1):1423-32.

Malta DC, Silva JB. O Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Brasil e a definição das metas globais para o enfrentamento dessas doenças até 2025: uma revisão. Epidemiol Serv Saúde. 2013;22(1):151- 64.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Aglomerados subnormais Primeiros resultados. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

Silva CV, Zaffari D. Prevalência de excesso de peso e associação com outras variáveis em indivíduos adultos atendidos em unidade básica de saúde. Sci Med. 2009;19(1):17-26.

Ferreira HS, Florêncio TM, Fragoso MA, Melo FP, Silva TG. Hipertensão, obesidade abdominal e baixa estatura: aspectos da transição nutricional em uma população favelada. Rev Nutr. 2005;18(2):209-18.

Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Nutrição. III Pesquisa estadual de saúde e nutrição: saúde, nutrição, alimentação, condições socioeconômicas e atenção à saúde no estado de Pernambuco, 2006. Recife: UFPE; 2012.

World Health Organization - WHO. Physical status: the use and interpretation of antropometry. Geneva: WHO; 1995.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Pesquisa de orçamentos familiares 2008-adolescentes e adultos no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

Ministério da Saúde (BR). Como está sua saúde: resultados da Pesquisa sobre a situação de saúde dos moradores da região de Manguinhos. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; 2013. (Boletim 1).

Sawaya AL, Dallal G, Solymos G, Sousa MH, Ventura ML, Roberts SB, et al. Obesity and malnutrition in a shantytown population in the city of São Paulo, Brazil. Obes Res. 1995;3(Suppl 2):107-15.

Castaño LSA, Rueda JDG, Aguirre CC. Factoressociales y económicos asociados a laobesidad: losefectos de lainequidad y de la pobreza. Rev Gerenc Politicas Salud. 2012;11(23):98-110.

Sarturi JB, Neves J, Peres KG. Obesidade em adultos: estudo de base populacional num município de pequeno porte no sul do Brasil em 2005. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(1):105-13.

Holanda LGM, Martins MCC, Souza Filho MD, Carvalho CMRG, Assis RC, Leal LMM, ET al. Excesso de peso e adiposidade central em adultos de Teresina-PI. AMB Rev Assoc Med Bras.

;57(1):50-5.

Francischi RPP, Pereira LO, Freitas MS, Klopfer M, Santos RC, Vieira O, et al. Obesidade: atualização sobre sua etiologia, morbidade e tratamento. Rev Nutr. 2000;13(1):17-28.

Dongo DA, Abanto JS, Guizado GG, Mamani1 CT. Sobrepeso y obesidad: prevalencia y determinantes socialesdelexceso de peso enlapoblación peruana (2009-2010). Rev Peru Med Exp Salud Publica. 2012;29(3):303-13.

Marinho SP, Martins IS, Perestrelo JPP, Oliveira DC. Obesidade em segmentos pauperizados da sociedade. Rev Nutr. 2003;16(2):195-201.

Moraes AS, Humberto JSM, Freitas ICM. Estado nutricional e fatores sociodemográficos em adultos residentes em Ribeirão Preto, SP, 2006: Projeto OBEDIARP. Rev Bras Epidemiol. 2011;14(4):662-76.

Oliveira LPM, Assis AMO, Silva MCMS, Santana MLP, Santos NS, Pinheiro SM, et al. Fatores associados a excesso de peso e concentração de gordura abdominal em adultos na cidade de Salvador, Bahia, Brasil.Cad Saúde Pública. 2009;25(3):570-82.

Lima FEL, Rabito EI, Dias MRMG. Estado nutricional de população adulta beneficiária do Programa Bolsa Família no município de Curitiba, PR. Rev Bras Epidemiol. 2011;14(2):198-206.

Klumbiene J, Petkeviciene J, Helasoja V, Prättälä R, Kasmel A. Sociodemographic and health behaviourfactors associated with obesity in adult populations in Estonia, Finland and Lithuania. Eur J Public Health. 2004;14(4):390-4.

Lins APM, Sichieri R, Coutinho WF, Ramos EG, Peixoto MVM, Fonseca VM. Alimentação saudável, escolaridade e excesso de peso entre mulheres de baixa renda. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(2):357-66.

Lino MZR, Muniz PT, Kamile SS. Prevalência e fatores associados ao excesso de peso em adultos: inquérito populacional em Rio Branco, Acre, Brasil, 2007-2008. Cad Saúde Pública. 2011;27(4):797-810.




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2015.p257

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia