Método canguru: percepção materna acerca da vivência na unidade de terapia intensiva neonatal

Natália Paz Nunes, Úrsula Maria Lima Pessoa, Daniela Gardano Bucharles Mont'Alverne, Fabiane Elpídio de Sá, Elisete Mendes Carvalho

Resumo


Objetivo: Conhecer a percepção materna acerca da vivência na primeira etapa do Método Canguru na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN). Métodos: Estudo descritivo, de caráter exploratório e de natureza qualitativa, realizado no período de agosto a outubro de 2014, com 10 mães de recém-nascidos pré-termo (RNPT) que se encontravam internados na Maternidade Escola Assis Chateaubriand (MEAC), Fortaleza-Brasil, e que haviam feito o contato pele a pele por meio do Método Canguru durante a internação na UTIN. Coletaramse os dados por entrevista semiestruturada, direcionados por questões norteadoras. Para tratamento dos dados, utilizou-se análise de conteúdo, sendo estabelecidas quatro categorias: “O vínculo e o apego”, “A competência materna”, “O medo da perda do bebê” e “A importância da equipe multidisciplinar”. Resultados: O Método Canguru é uma prática segura e prazerosa para mães e familiares, além de propiciar vantagens sociais e psicoafetivas que se encontram no imaginário da institucionalização do método e na experiência das mães quando adequadamente apoiadas. Pode-se evidenciar significados dos sentimentos maternos de insegurança em decorrência do primeiro contato físico com o filho hospitalizado. No tocante a avaliação de sua prática clínica, este vem proporcionando melhor desenvolvimento do neonato e uma diminuição do tempo de internação hospitalar. Conclusão: O estudo apresenta relevância, pois a visão da percepção materna no que concerne este método faz com que este se firme como prática obrigatória em maternidades, tendo em vista seus benefícios para mãe e neonato.

Palavras-chave


Método Canguru; Recém-Nascido; Unidades de Terapia Intensiva Neonatal

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Schmidt KT, Sassá AH, Veronez M, Higarashi IH, Marcon SS. A Primeira visita ao filho internado na unidade de terapia intensiva neonatal: percepção dos pais. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2012;16(1):73-81.

Oliveira MC, Locks MOH, Girondi JBR, Costa R. Método canguru: percepção das mães que vivenciam a segunda etapa. Rev Pesqui Cuid Fundam. 2015;7(3):2939-48.

Menezes MAS, Garcia DC, Melo EV, Cipolotti R. Recém-nascidos prematuros assistidos pelo Método Canguru: avaliação de uma coorte do nascimento aos seis meses. Rev Paul Pediatr. 2014;32(2):171-7.

Eleutério FRR, Rolim KMC, Campos ACS, Frota MA, Oliveira MMC. O imaginário das mães sobre a vivência no método mãe-canguru. Ciênc Cuid Saúde. 2008;7(4):439-46.

Gontijo TL. Avaliação da implantação do cuidado humanizado aos recém-nascidos com baixo peso: método canguru. J Pediatr (Rio de J). 2010;86(1):33-39

Sá FE, Sá RC, Pinheiro LMF, Callou FEO. Relações interpessoais entre os profissionais e as mães de prematuros da unidade canguru. Rev Bras Promoç Saúde. 2010;23(2):144-9.

Souto DC, Jager ME, Pereira AS, Dias ACG. Método canguru e aleitamento materno: uma revisão integrativa da literatura nacional. Rev Ciência & Saúde. 2014;7(1):35-46.

Lamy Filho F, Silva AAM, Lamy ZC, Gomes MASM, Moreira MEL. Avaliação dos resultados neonatais do método canguru no Brasil. J Pediatr (Rio de J) 2008;84(5):428-35.

Silva JR, Thome CR, Abreu RM. Método mãe canguru nos hospitais / maternidades públicos de Salvador e atuação dos profissionais da saúde na segunda etapa do método. Rev CEFAC. 2011;13(3):522-33.

Gontijo TL, Xavier CC, Freitas MIF. Avaliação da implantação do Método Canguru por gestores, profissionais e mães de recém-nascidos. Cad Saúde Pública. 2012;28(5):935-44.

Araújo BBM, Rodrigues BMRD, Pacheco STA. A promoção do cuidado materno ao neonato prematuro: a perspectiva da educação problematizadora em saúde. Rev Enferm UERJ. 2015;23(1):128-31.

Azevedo VMGO, David RB, Xavier CC. Cuidado mãe canguru em recém-nascidos pré-termo

sob suporte ventilatório: avaliação dos estados comportamentais. Rev Bras Saúde Matern. Infant. 2011;11(2):133-8.

Silva ARE, Gracia PN, Guariglia DA. Método canguru e os benefícios para o recém-nascido. Rev Hórus. 2013;7(2):1-11.

Kerr LRFSL, Kendall C. A pesquisa qualitativa em saúde. Rev RENE. 2013;14(6):1061-3.

Bezerra YCP, Nóbrega LP, Nunes RMV, Costa TS, Medeiros RC. Método mãe canguru: uma revisão integrativa da literatura. Fiep Bulletin. 2014;84:1-7.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70 Persona; 2010.

Santos LM, Morais RA, Miranda JOF, Santana RCB, Oliveira VM, Nery FS. Percepção materna sobre o contato pele a pele com o prematuro através da posição canguru. Rev Pesqui Cuid Fundam. 2013;5(1):3504-14.

Costa R, Heck GMM, Lucca HC, Santos SV. Da incubadora para o colinho: o discurso materno sobre a vivência do método canguru. Rev Enferm Atenção Saúde. 2014;3(2):41-53.

Bandura A. Self Efficacy Toward and Unifying theory of behavior change. Psychol Rev. 1977;84(2):191-215.

Spehar MC. Mães de bebês prematuros no Método Canguru: aspectos psicossociais, enfrentamento e autoeficácia [tese]. Brasília: Universidade de Brasília; 2013.

Ramalho MAM, Kochla KRA, Nascimento MEB, Peterlini O. A mãe vivenciando o risco de vida do recémnascido prematuro na Unidade de terapia Intensiva Neonatal. Rev Soc Bras Enferm Ped. 2010;10(1):7-14.

Maia FA, Azevedo VMGO, Gontijo FO. Os efeitos da posição canguru em resposta aos procedimentos dolorosos em recém-nascidos pré-termo: uma revisão da literatura. Rev Bras Ter Intensiva. 2011;23(3):370-3.

Lucci, MA, Alvarenga MC, Infante AM, Freire, ACIF. Profissionais de enfermagem e suas representações sociais sobre o método mãe canguru. In: V Congreso Internacional de Investigación y Práctica Profesional en Psicología XX Jornadas de Investigación Noveno Encuentro de Investigadores en Psicología del MERCOSUR; 2013; Buenos Aires, Argentina. Buenos Aires: Acta Academica; p. 150-3. Disponível em: http://www.aacademica.org/000-054/578.pdf.

Costa R, Klock P, Borck M, Custódio Z, Barcelos M. Interdisciplinaridade na atenção humanizada ao recémnascido de baixo peso em um centro de referência nacional do método canguru. Holos. 2015;31(3):404-14.




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2015.p387

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia