Fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis e variáveis sociodemográficas de servidores públicos

Luciana Soares Nascimento, Rosa Maria Dias, Claudia Daniele Tavares Dutra, Luisa Margareth Carneiro Silva, Luiza Né Pedrosa, Josiana Sampaio Araújo, Andréa das Graças Ferreira Frazão

Resumo


Objetivo: Associar fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) com variáveis sociodemográficas de servidores de uma instituição pública de ensino superior. Métodos: Estudo transversal, realizado no período de 2012 a 2013. Utilizou-se um questionário com variáveis sociodemográficas, fatores de risco para DCNT e aferição de peso e estatura. Classificou-se o estado nutricional de acordo com o índice de massa corporal. Analisaram-se os dados pelos programas Epi-Info 3.2.1 e Bioestat 5.0. As associações foram verificadas pelos testes qui-quadrado de Yates, de tendência e exato de Fisher (p≤0,05). Resultados: Participaram 225 servidores, maioria de mulheres (64,4%), na faixa etária entre 45-54 anos (37,3%) e escolaridade superior a 12 anos de estudo (85,8%). O sexo associou-se ao excesso de peso (p=0,034), consumo diário de leite integral (p=0,023), consumo insuficiente de frutas, legumes e verduras - FLV (p=0,020) e consumo insuficiente de feijão (p=0,000), sendo mais frequentes entre mulheres. Entre os homens, foi mais frequente o consumo excessivo de bebida alcoólica (p=0,000). O excesso de peso associou-se à faixa etária (p=0,008). O hábito de fumar (p=0,004) e o consumo diário de leite integral (p=0,016) apresentaram associação com a escolaridade. Conclusão: Encontrou-se elevada prevalência de fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis na amostra estudada, com associação para sexo, faixa etária e escolaridade. O excesso de peso apresentou maior ocorrência nas mulheres e nas idades acima de 45 anos, hábitos alimentares inadequados no sexo feminino, maior ingestão de bebida alcoólica no masculino e hábito de fumar nos indivíduos com maior escolaridade.

Palavras-chave


Fatores de Risco; Doenças Crônicas; Estilo de Vida.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Casado L, Viana LM, Thuler LCS. Fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: uma revisão sistemática. Rev Brasil cancerologia.2009;4 (55):379-88.

Brasil. Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde – Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

Leitão MP, Martins IS. Prevalência e fatores associados a síndrome metabólica em usuários de Unidades Básicas de Saúde em São Paulo – SP. Rev Assoc Med Bras. 2012;58 (1):60-9.

World Health Organization. Noncommunicable diseases country profiles 2011. Geneva: WHO, 2011

World Health Organization Preventing chronic diseases: a vital investment: WHO global report. Geneva: WHO; 2010.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares POF 2008-2009: Antropometria e análise do estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos no Brasil. Rio de Janeiro, 2010.

Sá NNB, Moura EC. Excesso de peso: determinantes sociodemográficos e comportamentais em adultos. Cad Saúde Pública, Rio de Janeiro,2011; 27(7): 1380-1392.

Burity V, Franceschini T, Valente F, Recine E, Leão M, Carvalho MF. Direito humano à alimentação adequada no contexto da segurança alimentar e nutricional - Brasília, DF: ABRANDH, 2010

Lohman TG. Anthropometric Standardization Reference Manual. Portland: Human Kinetics Pub, 1988.

Brasil. Ministério da Saúde. Vigilância alimentar e nutricional - Sisvan: orientações básicas para a coleta, processamento, análise de dados e informação em serviços de saúde. Série A. Normas e Manuais Técnicos – Brasília (DF), 2004.

World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report a WHO Consultation on Obesity. Geneva: WHO, 2000.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção de Saúde. VIGITEL Brasil 2012: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico /Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção de Saúde. – Brasília (DF), 2013.

World Health Organization. Global recommendations on physical activity for health. Geneva: WHO, 2011

Epi Info™ for DOS, 3.2.1 [software]. Atlanta: Centers for Disease Control and Prevention - Division of Public Health Surveillance and Informatics; 2004. Disponível em: http://www.cdc.gov/epiinfo/Epi6/ei6.htm

Ayres M, Ayres Junior M, Ayres DL, Santos AA. BIOESTAT [software]– Aplicações estatísticas nas áreas das ciências biomédicas. Mamirauá. Belém (PA), 2007.

Malta DC, Iser BPM, Claro RM. Prevalência de fatores de risco e proteção para doenças crônicas não transmissíveis em adultos: estudo transversal, Brasil, Epidemiol. Serv. Saúde. 2011 [periódico na internet]. 2013;22(3):423-434.Acesso em maio de 2014, Disponivel em: ipt=sci_arttext&pid=S1679-49742013000300007&lng=es&nrm=iso>. ISSN 1679-4974.

Malta DC. Doenças Crônicas Não Transmissíveis, um grande desafio da sociedade contemporânea. Ciência & Saúde Coletiva, 2014; 19(1),4.

Duncan BB, Chor D, Aquino EML, Bensenor IM, Mill JG, Schimdt PAL, et.al Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Rev Saúde Pública, 2012; 46(Supl):126-134.

Oliveira LPM, Assis AMO, Silva MCM, Santana MLP, Santos NS, Pinheiro SMC, et al. Fatores associados a excesso de peso e concentração de gordura abdominal em adultos na cidade de Salvador, Bahia, Brasil. Cad Saúde Pública, 2009;25(3):570-582.

Lino MZR, Muniz PT, Siqueira KS. Prevalência e fatores associados ao excesso de peso em adultos: inquérito populacional em Rio Branco, Acre, Brasil, 2007-2008. Cad. Saúde Pública, 2011.27(4):797-810

World Health Organization. Obesidad y sobrepeso. Nota descritiva N°311.Maio de 2012. Acesso em abril de 2014. Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs311/es/.

Laranjeira R, Pinsky I, Zaleski M, Caetano R. I Levantamento Nacional sobre os padrões de consumo de álcool na população brasileira. Brasília: Secretaria Nacional Antidrogas; 2007. [periódico na Internet].Acesso em fev,2014. Disponível em: http://bvsms. saude.gov.br/bvs/publicacoes/relatorio_padroes_consumo_alcool.pdf.

World Organization of Health. The newly published Global status report on alcohol and health analyses available evidence on alcohol consumption and provides data in x individual country profiles. 2011. Acesso em abr 2014. Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/news/releases/2011/alcohol_20110211/en/.

Aliança de controle do tabagismo. Carga das doenças tabaco-relacionadas para o Brasil. Acesso em 12 março 2014. Disponível em:http:// actbr.org.br/uploads/conteudo/721_Relatorio_ Carga_do_tabagismo_Brasil.pdf>

Zamai CA, Bankoff ADP, Moraes MAA. Levantamento do índice de fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis entre servidores da UNICAMP. Conexões: Rev Faculdade de Educação Física UNICAMP, Campinas,2012;10(1):115-141.

Conceição TV, Gomes FA, Tauil PL, Rosa TT. Valores de pressão arterial e suas associações com fatores de riscos cardiovasculares em servidores da Universidade de Brasília. Arq Bras Cardiol,2006;86(1):26-31

Sousa AG, Carvalho CA, Almeida Fonseca PC, Machado SP. Perfil sociodemográfico e nutricional de servidores em período de pré-aposentadoria. Rev Pesq Saúde,2011;12(3):16-21.

Nobre LN, Esteves EA, Silva KC, Moreira LL, Dias AM, Coelho NF, et al. Fatores de risco modificáveis para doenças cardiovasculares: efeito de um programa de educação. Alim Nutr (Araraquara). 2012;23(4):671-9.

Iser BPM, Yokota RTC, Sá NNB, Moura L, Malta DC. Prevalência de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais do Brasil - principais resultados do VIGITEL 2010. Ciênc. Saúde coletiva [periódico na internet].17(9):2343-2356. Acesso em abr 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141381232012000900015&lng

Rombaldi AJ, Neutzling MB, Silva MCD, Azevedo MR, Hallal PC. Factors associated with regular non-diet soft drink intake among adults in Pelotas, Southern Brazil. Rev Saúde Pública, 2011,45(2):382-390.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009: análise do consumo alimentar pessoal no Brasil / IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento. - Rio de Janeiro: IBGE, 2011.150 p

Rocha CL, Garcia L. Avaliação nutricional, alimentar e dos hábitos de vida de trabalhadores de um hotel do litoral baiano. Revista da Unifebe ,2012; (10):59-67.

Neves ACM, Gonzaga LAA, Martens IBG, Moura EC. Validação de indicadores do consumo de alimentos e bebidas obtidos por inquérito telefônico em Belém, Pará, Brasil. Cad. Saúde Pública, 2010; 26(12): 2379-2388

Costa LC, Thuler LCS. Fatores associados ao risco para doenças não transmissíveis em adultos brasileiros. Rev Bras Estudos de Populações, Rio de Janeiro, 2012;29(1):133-145.

Flores TR, Ciochetto CR, Nunes BP, Vieira MFA. Consumo de refrigerantes entre escolares de séries iniciais da cidade de Pelotas, Rio Grande do Sul. Ciência e Saúde.2013, 6 (1):59-66.

Gibson S. Sugar-sweetened soft drinks and obesity: a systematic review of the evidence from observational studies and interventions. Nutr Res Rev 2008 ;( 21):134-47.

Forshee RA, Anderson PA, Storey ML. Sugar-sweetened beverages and body mass index in children and adolescents: a meta-analysis [correction in Am J Clin Nutr 2009; 89:441-2]. Am J Clin Nutr 2008 ;( 87):1662-71

Santos RD et al. I Diretriz sobre o consumo de gorduras e saúde cardiovascular. Arq Bras Cardiol; 2013, São Paulo ,100(1), supl. 3, Jan. Acesso em abr. 2014.Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0066782X2013000900001&lng=en&nrm=iso .

Amorim W, Oliveira RAR, Breguez MS, Santos Amorim PR, Marins, JCB. Prevalência de dislipidemia e sua relação com consumo de oxigênio entre servidores públicos. Rev Bras Promoção da Saúde,2013;26(2) 290-297.

Oliveira A, Mancini Filho J. Perfil nutricional e lipídico de mulheres na pós-menopausa com doença arterial coronariana. Arq. Bras. Cardiologia.2005;84(4):325.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2015.p230

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia