Comitês hospitalares de prevenção de morte materna em fortaleza: perfil e funcionamento

Helânia do Prado Cruz, Francisco Herlânio Costa Carvalho, Sarah Maria Fraxe Pessoa, Márcia Maria Machado Tavares, Helvécio Neves Feitosa

Resumo


Objetivo: Caracterizar os Comitês Hospitalares de Prevenção de Morte Materna, na cidade de Fortaleza-CE, quanto ao perfil de seus profissionais e à metodologia de funcionamento. Métodos: Estudo descritivo, de corte transversal, com abordagem quantitativa, realizado no período de março a setembro de 2013, pesquisando-se todos os Comitês Hospitalares existentes em Fortaleza-CE, por meio de entrevistas com os profissionais responsáveis, no total de oito. Utilizou-se um questionário estruturado contendo 46 perguntas, com todas as variáveis baseadas no Manual dos Comitês de Morte Materna - 2007, elaborado pelo Ministério da Saúde. Resultados: Os comitês são formados por médicos, enfermeiras, fisioterapeutas e assistente social. Nenhum possui estrutura física própria para seu funcionamento e os profissionais não têm dedicação exclusiva nem recebem remuneração para exercer as atividades. Dois comitês possuem regimento, dois se reúnem mensalmente, um quinzenalmente e um não tem data fixa para se reunir. Todos realizam a investigação hospitalar dos óbitos maternos e dos óbitos de mulher em idade fértil, discutem os casos com outros profissionais e realizam a divulgação das informações por meio de relatórios. Conclusão: Os Comitês Hospitalares de Prevenção de Morte Materna em Fortaleza estão organizados conforme a realidade de cada hospital, compostos com caráter multiprofissional, com faixa etária predominante de 41 a 59 anos, cujo processo de trabalho está voltado para a vigilância epidemiologia dos óbitos materno, fetal e infantil, bem como da evitabilidade destes, o que os caracteriza como comitês funcionantes e atuantes.

Palavras-chave


Comitê de Profissionais; Morte Materna; Vigilância Epidemiológica.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações programáticas estratégicas: manual dos comitês de mortalidade materna. Brasília: Ministério da Saúde; 2007.

Soares VMN, Martins AL. A trajetória e experiência dos Comitês de Prevenção da Mortalidade Materna do Paraná. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2006;6(4): 453-60.

Rodrigues Ana Verônica; Siqueira Arnaldo A Franco de. Uma análise da implementação dos comitês de estudos de morte materna no Brasil: um estudo de caso do Comitê do Estado de São Paulo. Cad Saúde Pública. 2003;19(1):183-9.

Alencar Júnior CA. Os elevados índices de mortalidade materna no Brasil: razões para sua permanência. Ver Bras Ginecol Obstet. 2011;28(7):1-3.

Viana RC, Novaes MRCG, Calderon IMP. Mortalidade materna: uma abordagem atualizada. Com Ciências Saúde. 2011;22(Supl 1):S141-52.

Bittencourt SDA, Dias MAB, Wakimoto MD. Vigilância do óbito materno, infantil e fetal e atuação em comitês de mortalidade. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2013.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise de Situação de Saúde. Guia de vigilância epidemiológica do óbito materno. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Santos CA, Silva T, Lima EC. Trajetória de um comitê de mortalidade materna. Rev Enfermagem Integrada. 2009;2(2):333-44.

Araújo LB. Análise da implementação e operacionalização dos comitês de prevenção do óbito infantil e fetal no estado do Ceará [dissertação]. Fortaleza: Universidade Estadual do Ceará: Universidade Estadual do Ceará; 2012.

Venâncio SI, Paiva R. O processo de implantação dos comitês de investigação do óbito infantil no Estado de São Paulo. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2010;10(3):369-75.

Orlandi MHF. Comitês de prevenção da mortalidade materna e infantil no Paraná: estratégia de sucesso na vigilância da saúde de mulheres e crianças. Ciênc Cuid Saúde. 2008;7(1):7-8.

Herculano MMS, Veloso LS, Teles LMR, Oriá MOB, Almeida PC, Damasceno AKC. Óbitos maternos em uma maternidade pública de Fortaleza: um estudo epidemiológico. Rev Esc Enferm USP. 2012;46(2): 295-301.

Morse ML, Fonseca SC, Barbosa MD, Calil MB, Eyer FPC. Mortalidade materna no Brasil: o que mostra aprodução científica nos últimos 30 anos? Cad Saúde Pública. 2011;27(4):623-38.

Morse ML, Fonseca SC, Gottgtroy CL, Waldmann CS, Gueller E. Morbidade Materna Grave e Near Misses em Hospital de Referência Regional. Rev Bras Epidemiol. 2011;14(2):310-22.

Soares VMN, Souza KV, Azevedo EMM, Possebon CR, Marques FF. Causas de mortalidade materna segundo nível de complexidade hospitalar. Rev Bras Ginecol Obstet. 2012;34(12):536-43.

Secretaria da Saúde do Estado do Ceará (BR). Mortalidade Materna. Fortaleza: Secretaria da Saúde; 2014. (Informe Epidemiológico).

World Health Organization - WHO, United Nations Children’s Fund - UNICEF. United Nations Fund for Population Activities - UNFPA, World Bank Trends in maternal mortality: 1990 to 2008 [Internet]. Geneva: WHO; 2010 [acesso em 2015 Out 1]. Disponível em: http://whqlibdoc.who.int/ publications/2010/9789241500265_eng.pdf

Souza JP. Mortalidade materna no Brasil: a necessidade de fortalecer os sistemas de saúde. Rev Bras Ginecol Obstet. 2011;33(10):273-9.

Souza MAS, Lopes NAR, Borges FV. A importância do enfermeiro da estratégia saúde da família para a redução da morbimortalidade materna. Rev Cient Interdisciplinar. 2014;1(1):79-88.




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2015.p223

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia