Percepção dos profissionais sobre a estratégia saúde da família em um município do interior do Ceará

Tiago Freire Martins, Márcia Vannusa Vieira, Taianne Michelle Silva de Souza, Daniel Moura de Sousa, Katiana Diógenes Saldanha, Emília Soares Chaves Rouberte, Cristianne Soares Chaves, Révia Ribeiro Castro

Resumo


Objetivo: Conhecer a percepção dos profissionais sobre a Estratégia Saúde da Família (ESF) em um município do interior do Ceará. Métodos: Estudo descritivo, de natureza qualitativa, realizado de fevereiro a abril de 2015 com profissionais de saúde de sete Unidades Básicas de Saúde de Limoeiro do Norte, Ceará e um gestor coordenador da atenção básica do município. As entrevistas foram gravadas em local reservado e data agendada previamente. A análise das informações ocorreu através da análise de conteúdo. Identificaram-se as seguintes categorias: “Implementação da ESF”, “Caracterização das ações da ESF”, “Percepção sobre a ESF pelos atores” e “Dificuldades encontradas para implementação da ESF”. A pesquisa teve aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB), de acordo com a Resolução 466/12. Resultados: O gestor não tinha clareza do processo de implementação da Estratégia no município. Destacou a relação de confiança entre profissionais e população para que a equipe seja bem aceita na comunidade e a importância de um fluxo de atenção no serviço público de saúde. Os profissionais relataram a satisfação do trabalho em equipe, a boa comunicação entre os membros e acreditam que têm formação necessária para trabalhar na atenção básica. Ressaltaram, ainda, o reconhecimento da população pelo trabalho executado, mas reclamaram da falta de apoio da gestão do município em fornecer insumos para o trabalho. Conclusão: Os participantes acreditam na importância do trabalho em equipe para minimizar os problemas da estratégia, mas apresentaram-se desestimulados com a atual situação da saúde do município.

Palavras-chave


Estratégia Saúde da Família; Pesquisa Qualitativa; Entrevista; Profissional da Saúde.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Ministério da Saúde (BR). Saúde da família: uma estratégia para a reorganização do modelo assistencial. Brasília: Ministério da Saúde; 1998.

Azevedo ALM, Costa AM. A estreita porta de entrada do Sistema Único de Saúde (SUS): uma avaliação do acesso na Estratégia de Saúde da Família. Interface Comun Saúde Educ. 2010;14(35):797-810.

Elias PE, Ferreira CW, Alves MCG, Cohn A, Kishima V, Escrivão A Júnior et al. Atenção básica em saúde: comparação entre PSF e UBS por estrato de exclusão social no município de São Paulo. Ciênc Saúde Coletiva. 2006;11(3):633-41.

Moimaz SAS, Marques JAM, Saliba O, Garbin CAS, Zina LG, Saliba NA. Satisfação e percepção do usuário do SUS sobre o serviço público de saúde. Physis (RioJ.). 2010;20(4):1419-40.

Albuquerque FJB, Melo CF, Souza FE Filho, Araújo JL Neto. Avaliação da estratégia saúde da família a partir das crenças dos profissionais. Estud Psicol (Campinas). 2011;28(3):363-70.

Campos FE, Belisário SA. O Programa de Saúde da Família e os desafios para a formação profissional e a educação continuada. Interface Comun Saúde Educ. 2001;5(9):133-41.

Ministério da Saúde (BR). Carta dos direitos dos usuários da saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Cecílio LCO, Andreazza R, Souza ALM, Lima MR, Mercadante CEB, Pinto NRS et al. O gestor municipal na atual etapa de implantação do SUS: características e desafios. Reciis. 2007;1(2):1-8.

Albanes HC, Lobo E, Bernardini IS. O Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB) e sua relação com a qualidade dos serviços prestados nos centros de saúde. Coleção Gest Saúde Públ. 2013;1(4):83-102.

Ronzani TM, Silva CM. O Programa Saúde da Família segundo profissionais de saúde, gestores e usuários. Ciênc Saúde Coletiva. 2008;13(1):23-34.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11ª ed. São Paulo: Hucitec Editora; 2014.

Trajman A, Assunção N, Venturi M, Tobias D, Toschi W, Brant V. A preceptoria na rede básica da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro: opinião dos profissionais de Saúde. Rev Bras Educ Med. 2009;33(1):24-32.

Machado MH, Oliveira ES, Moyses NMN. Tendências do mercado de trabalho em saúde do Brasil. In: Celia P, Mario RDP, Tania F. O trabalho em saúde: abordagens quantitativas e qualitativas. Rio de Janeiro: CEPESC/ UERJ; 2011. p. 103-16.

Lima MCCS, Costa COM, Bigras M, Santana MAO, Alves TDB, Nascimento OC et al. Atuação profissional da atenção básica de saúde face à identificação e notificação da violência infanto-juvenil. Rev Baiana Saúde Pública. 2011;35(1):118-37.

Falcão SMR, Sousa MNA. Gerenciamento da atenção primária à saúde: estudo nas unidades básicas. Rev Enferm UFPE. 2011;5(6):1510-7.

Santos NR, Amarante PDC. Gestão pública e relação público privado na saúde. Rio de Janeiro: Cebes; 2010.

Berretta IQ, Lacerda JT, Calvo MCM. Modelo de avaliação da gestão municipal para o planejamento em saúde. Cad Saúde Pública. 2011;27(11):2143-54.

Barreto ML. O conhecimento científico e tecnológico como evidência para políticas e atividades regulatórias em saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2004;9(2):329-38.

Erdmann AL, Andrade SR, Mello ALSF, Meirelles BHS. Gestão das práticas de saúde na perspectiva do cuidado complexo. Texto & Contexto Enferm. 2006;15(3):483-91.

Ministério da Saúde (BR). Gestão municipal de saúde: textos básicos. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.344p.

Ministério da Saúde (BR). Saúde da família: panorama, avaliação e desafios. 1ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2005.

Campos GWS, Gutiérrez AC, Guerrero A, Cunha GT. Reflexões sobre atenção básica e a Estratégia de Saúde da Família. In: Campos GWS, Guerrero AVP. Manual de práticas de atenção básica: saúde ampliada e compartilhada. 2ª ed. São Paulo: Hucitec Editora; 2010. p. 132-53.

Oliveira EM, Spiri WC. Programa Saúde da Família: a experiência de equipe multiprofissional. Rev Saúde Pública. 2006;40(4):727-33.

Alves VS. Um modelo de educação em saúde para o Programa Saúde da Família: pela integralidade da atenção e reorientação do modelo assistencial. Interface Comun Saúde Educ. 2005;9(16):39-52.

Ministério da Saúde (BR). Portaria Nº 648 de 28 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da atenção básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Nora CRD, Junges JR. Política de humanização na atenção básica: revisão sistemática. Rev Saúde Pública. 2013;47(6):1186-200.

Marin MJS, Storniolo LV, Moravcik MY. A humanização do cuidado na ótica das equipes da Estratégia de Saúde da Família de um município do interior paulista, Brasil. Rev Latinoam Enferm. 2010;18(4):763-9.

Camelo SHH, Pinheiro A, Campos D, Oliveira TL. Auditoria de enfermagem e a qualidade da assistência à saúde: uma revisão da literatura. Rev Eletrônica Enferm. 2009;11(4):1018-25.

Campos GWS. A saúde, o SUS e o Programa Mais Médicos. Rev Méd Resid (Online). 2013;15(2):1-4.

Campos CEA. O desafio da integralidade segundo as perspectivas da vigilância da saúde e da saúde da família. Ciênc Saúde Coletiva. 2003;8(2):569-84.

Shinyashiki GT, Trevisan MA, Mendes IAC. Sobre a criação e a gestão do conhecimento organizacional. Rev Latinoam Enferm. 2003;11(4):499-506.

Albarello CB. O papel do administrador na gestão pública. Rev Adm. 2006;5(9):49-71.

Medeiros RLR, Andrade AMBA, Fernandes AFC, Almeida NMGS, Lessa MGG. O enfermeiro no Programa Saúde da Família: percepções, possibilidades de atuação, fronteiras profissionais e espaços de negociação. Fortaleza: CETREDE/UFC/UECE, 2007.




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2015.p596

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia