“Quem canta seus males espanta.” Conhecimento e uso da voz como recursos promotores da saúde de coralistas

Christina Cesar Praça Brasil, Gracyelle Alves Remigio Moreira, Juliana da Fonsêca Bezerra, Luiza Jane Eyre de Souza Vieira, Ana Maria Fontenelle Catrib, Daniele de Araújo Oliveira Carlos, Raimunda Magalhães da Silva

Resumo


Objetivo: Compreender o conhecimento e o uso da voz por mulheres que cantam em coral e as repercussões para a promoção da saúde. Métodos: Realizou-se estudo qualitativo, de dezembro de 2011 a fevereiro de 2012, com 13 mulheres de 23 a 66 anos, membros de um coral de uma universidade, em Fortaleza, Ceará, Brasil. Coletaram-se os dados através de entrevista semiestruturada. Aplicou-se a análise temática para organizar os resultados em categorias, analisando-as à luz do interacionismo simbólico. Resultados: Identificaram-se dois núcleos de sentido: conhecimento sobre voz e uso da voz. As coralistas definiram a voz como meio de comunicação, identidade pessoal e forma para expressar emoções. Elas não demonstraram conhecimento consistente sobre os aspectos anatômicos e fisiológicos da voz, mas as definições apresentadas mostram que elas entendem que a voz permeia espaços pessoais, sociais e profissionais. A voz profissional e o envelhecimento destacaram-se no contexto do uso vocal. As participantes reconhecem que o conhecimento e o uso da voz podem ser aprimorados pelas atividades no coral, o que remete à promoção da saúde. Conclusão: As coralistas apresentam conhecimento limitado sobre a saúde vocal, porém, compreendem os efeitos benéficos do coral sobre sua saúde, ampliando a compreensão sobre a voz; isso estimula a adoção de hábitos saudáveis e de medidas preventivas, o que favorece o uso vocal.

Palavras-chave


Saúde da Mulher; Promoção da Saúde; Comunicação; Voz.

Texto completo:

PDF (English)

Referências


Chiossi JSC, Roque FP, Goulart BNG, Chiari BM. Impacto das mudanças vocais e auditivas na qualidade de vida de idosos ativos. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(8):3335-42.

Penteado RZ, Honorato FG, Nascimento JS. Mulher pastora: questões de gênero e condições de uso da voz no meio religioso. Distúrb Comun. 2006;18(3):345-53.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA. Mercado de trabalho. Brasília: IPEA; 2011 [accessed on 2014 Dez 12]. Available at: http://www.ipea.gov. br/agencia/images/stories/PDFs/mercadodetrabalho/ bmt46_anex01_populacao.pdf

Leite APD, Carnevale LB, Rocha HL, Pereira CA, Lacerda Filho L. Relação entre autoavaliação vocal e dados da avaliação clínica em indivíduos disfônicos. Rev CEFAC. 2015;17(1):44-51.

Behlau M, Hogikyan ND, Gasparini G. Quality of life and voice: study of a Brazilian population using the voice-related quality of life (V-RQOL) measure. Folia Phoniatr Logop. 2007;59(6):286-96.

Pépiot E. Voice, speech and gender: male-female acoustic diferences and cross-language variation inEnglish and French speakers. XVèmes Rencontres Jeunes Chercheurs de l’ED 268; 2012.

Ortiz É, Costa EA, Spina AL, Crespo NA. Proposta de modelo de atendimento multidisciplinar para disfonias relacionadas ao trabalho: estudo preliminar. Rev Bras Otorrinolaringol. 2004;70(5):590-6.

Çelik Ö, Çelik A, Atespare A, Boyaci Z, Celebi S, Gündüz T, et al. Voice and speech changes in various phases of menstrual cycle. J Voice. 2013;27(5):622-6.

Fischer J, Semple S, Fickenscher G, Jürgens R, Kruse E, Heistermann M, et al. Do women’s voice provide cues of the likelihood of ovulation? The importance of sampling regime. PLos One. 2011;6(9):1-7.

Nacci A, Fattori B, Basolo F, Filice ME, De Jeso K, Giovannini L, et al. Sex hormone receptors in vocal fold tissue: a theory about the influence of sex hormones in the larynx. Folia Phoniatr Logop. 2011; 63(2):77-82.

Costa DB, Lopes LW, Silva EG, Cunha GMS, Almeida LNA, Almeida AAF. Fatores de risco e emocionais na voz de professores com e sem queixas vocais. Ver CEFAC. 2013; 15(4):1001-10.

Rosa MB, Prestes R, Margall SAC. Caracterização dos aspectos vocais de um coro infanto-juvenil. Ver CEFAC. 2014;16(5):1606-14.

Coelho ACC, Daroz IF, Silvério KCA, Brasolotto AG. Coralistas amadores: auto-imagem, dificuldades e sintomas na voz cantada. Rev CEFAC. 2013; 15(2):436-43.

Loiola CM, Ferreira LP. Coral amador: efeitos de uma proposta de intervenção fonoaudiológica. Rev CEFAC. 2010;12(5):831-41.

Scarpel RD’A, Fonseca MDL. Parâmetros acústicos de vozes de mulheres na pós-menopausa. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2014;17(4):741-50.

Putnoki DS, Hara F, Oliveira G, Behlau M. Qualidade de vida em voz: o impacto de uma disfonia de acordo com gênero, idade e uso vocal profissional. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2010;15(4):485-90.

Barreto TMM, Amorim GO, Trindade EMF, Kanashiro CA. Perfil da saúde vocal de cantores amadores de igreja evangélica. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2011;16(2): 140-5.

Gimenes GF. Usos e significados da qualidade devida nos discursos contemporâneos de saúde. Trab Educ Saúde. 2013;11(2):291-318.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações ProgramáticasEstratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher: princípios e diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Blumer H. Symbolic interactionism perspective and method. Los Angeles: University of California Press; 1969.

Haguette TMF. Metodologias qualitativas na sociologia. 12ª ed. Rio de Janeiro: Vozes; 2010.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 10ª ed. São Paulo: Hucitec; 2010.

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em

saúde: contribuições teóricas. Cad Saúde Pública. 2008;24(1):17-27.

Bardin L. Content analysis. Lisbon: Edições 70; 2009.

Ribeiro LR, Hanayama EM. Perfil vocal de coralistas amadores. Rev CEFAC. 2005;7(2):252-66.

Kasama ST, Brasolotto AG. Percepção vocal e qualidade de vida. Pró-Fono. 2007;19(1):19-28.

Universidade de São Paulo. A História do canto coral. São Paulo: USP; 2005. [accessed on 2014 Dez 12]. Available at: http://www.usp.br/espacoaberto/ arquivo/2005/espaco62dez/atualiza/cultura.htm

Universidade Federal do Rio de Janeiro, Pró-Reitoria de Pessoal. Canto Coral. Rio de Janeiro: UFRJ [accessed on 2012 Ago 18]. Available at: http://www.pr4.ufrj.br/

canto-coral.htm

Liu K, He L, Tang X, Wang J, Li N, Wu Y, et al. Relationship between menopause and health-related quality of life in middle-aged Chinese women: a crosssectional study. BMC Womens Health. 2014;14:7.

Jurgenson JR, Jones EK, Haynes E, Green C, Thompson SC. Exploring Australian Aboriginal women’s experiences of menopause: a descriptive study. BMC Women’s Health. 2014;14(1):47.

Penteado RZ, Penteado LAPB. Percepção da voz e saúde vocal em idosos coralistas. Rev CEFAC. 2010;12(2):288-98.

Smith-Dijulio K, Windsor C, Anderson D. The shaping of midlife women’s views of health and health behaviors. Qual Health Res. 2010;20(7):966-76.

Vagetti GC, Moreira NB, Barbosa Filho VC, Oliveira V, Cancian CF, Mazzardo O, et al. Domínios da qualidade de vida associados à percepção de saúde: um estudo com idosas de um programa de atividade física em bairros de baixa renda de Curitiba, Paraná, Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(12):3483-93.

Geib LTC. Determinantes sociais da saúde do idoso. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(1):123-33.

Moura MAV, Domingos AM, Rassy MEC. A qualidade na atenção à saúde da mulher idosa: um relato de experiência. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2010;14(4):848-55.




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2015.p176

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia