Lesões relacionadas ao desporto competitivo e não competitivo em idosos do sexo masculino

Andressa Oliveira Blanke, Marcelo Cozzensa Silva

Resumo


Objetivo: Verificar o perfil sociodemográfico e a frequência de lesões musculoesqueléticas em idosos praticantes de atividades desportivas a nível competitivo e não competitivo na cidade de Pelotas-RS. Métodos: Estudo descritivo, incluindo 29 indivíduos de sexo masculino, com idade igual ou superior a 65, que praticavam modalidades desportivas de forma competitiva e não competitiva na cidade de Pelotas, em 2015. A coleta de dados aconteceu com a aplicação de um questionário contendo questões econômicas, sociodemográficas, nutricionais, comportamentais e sobre lesões ocorridas na prática desportiva. A análise estatística deu-se através de cálculos de medida de tendência central para variáveis contínuas e de proporção para variáveis categóricas. Resultados: A prática atual de desporto competitivo foi descrita por 58,6% (n=17) dos indivíduos, sendo os desportos mais praticados o futebol de sete (53,0%, n=9), o tênis (23,5%, n=4) e a natação (23,5%, n=4). A prática não competitiva se deu em de 44,8% (n=13), e o desporto mais praticado foi o tênis de campo (92,3%, n=12). A frequência de lesão em praticantes competitivos e não competitivos foi de 35,3% (n=6) e 38,5% (n=5), respectivamente. As lesões mais frequentes foram a epicondilite (50,0%, n=3) e as lesões de menisco (60,0%, n=3), e as regiões corporais mais afetadas eram joelho (27,3%, (n=3), cotovelo (27,3%, n=3) e ombro (18,2%, n=2). As lesões ocorreram durante a prática do desporto e o lado dominante foi o afetado 63,6% (n=7). Conclusão: O presente estudo constatou que a presença de lesões em indivíduos idosos praticantes de desportos é relevante, mesmo entre aqueles que o realizam de forma não competitiva, sendo a mais frequente a epicondilite, e entre os praticantes competitivos, as lesões de menisco.

Palavras-chave


Idoso; Esportes; Traumatismos em Atletas.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Priyadarshini SR, Sahoo PK, Bhuyan SK, Misra SR, Pati AR. Growing Old is Mandatory But Growing Up is Optional: An Explanation to Geriatrics. J Clin Diagn Res. 2014;8(12):22-4.

Salomon JA, Wang H, Freeman MK, Vos T, Flaxman AD, Lopez AD, et al. Healthy life expectancy for 187 countries, 1990-2010: a systematic analysis for the Global Burden Disease Study 2010. Lancet. 2012;380(9859):2144-62.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira 2010 [acesso em 2015 Mar 8]. Disponível em: http://www.ibge. gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/ indicadoresminimos/sinteseindicsociais2010/SIS_2010.pdf

Rigo MLN, Teixeira DC. Efeitos da atividade física na percepção de bem-estar de idosas que residem sozinhas e acompanhadas. UNOPAR Cient Ciênc Biol Saúde. 2005;7(1):13-20.

Mazo GZ, Mota J, Gonçalves LHT, Matos MG, Carvalho J. Atividade física e qualidade de vida de mulheres idosas da cidade de Florianópolis, Brasil. Ver Port Ciênc Desporto. 2008;8(3):414-23.

Alencar NA, Ferreira MA, Vale RGS, Dantas EHM. Nível de atividade física em mulheres idosas. Rev Bras Promoç Saúde. 2011;24(3):251-7.

World Health Organization - WHO. Global recommendations on physical activity for health.

Geneva: WHO; 2010.

Pontes-Barros JF, Alves KCAO, Dibai Filho AV, Rodrigues JE, Neiva HC. Avaliação da capacidade funcional de idosos institucionalizados na cidade de Maceió - AL. Rev Bras Promoç Saúde. 2010;23(2):168-74.

Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte. I Consenso de Petrópolis: posicionamento oficial sobre esporte competitivo em indivíduos acima de 35 anos. Rev Bras Med Esporte. 2001;7(3):83-92.

Gerson L, Stevens J. Recreational injuries among older Americans, 2001. Inj Prev. 2004;10(3):134-8.

Del Vecchio FB, Gonçalves A. Epidemiologia

descritiva das lesões desportivas. Rev Bras Med. 2012; 69(11): 323-27.

McBain K, Shrier I, Shultz R, et al. Prevention of sports injury I: a systematic review of applied biomechanics and physiology outcomes research. Br J Sports Med. 2012;46(3):169-73.

Knuth AG, Malta DB, Dumith SC, Pereira CA, Morais Neto OL, Temporão JG, et al. Prática de atividade física e sedentarismo em brasileiros: resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD)–2008.Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(9):3697-705.

Souza M, Monteiro H, Del Vecchio FB, Gonçalves A. Referring to judo’s sports injuries in São Paulo State Championship. Science & Sports. 2006; 21(5):280–4.

Rombaldi AJ, Silva MC, Barbosa MT, Pinto RC, Azevedo MR, Hallal PC, et al. Prevalência e fatores associados à ocorrência de lesões durante a prática de atividade física. Rev Bras Med Esporte. 2014;20(3):190-4.

World Health Organization - WHO. Physical status: the use and interpretation of anthropometry. Geneva: WHO; 1995.

Haskell WL, Lee IM, Pate RR, Powell KE, Blair SN, Franklin BA, et al. Physical activity and public health: updated recommendation for adults from the American College of Sports Medicine and the American Heart Association. Med Sci Sports Exerc. 2007;39(8):1423-34.

Little RM, Paterson DH, Humphreys DA, Stathokostas L. A 12-month incidence of exercise-related injuries in previously sedentary community-dwelling older adults following an exercise intervention. BMJ Open. 2013;20:3(6):e002831.

Del Ducca GF, Silva MC, Hallal PC. Incapacidade funcional para atividades básicas e instrumentais da vida diária em idosos. Rev Saúde Pública. 2009;43(5):796-805.

Del Ducca GF, Silva MC, Silva SG, Hallal PC. Incapacidade funcional em idosos institucionalizados. Rev Bras Ativ Fis Saúde. 2011;16(2):120-4.

Salles-Costa R, Werneck GL, Lopes CS, Faerstein E. Associação entre fatores sócio-demográficos e prática de atividade física de lazer no Estudo Pró-Saúde. Cad Saúde Pública. 2003;19(4):1095-105.

Mota J, Ribeiro JL, Carvalho J, Matos MG. Atividade física e qualidade de vida associada à saúde em idosos participantes e não participantes em programas regulares de atividade física. Rev Bras Educ Fis Esp.2006;20(3):219-25.

Silveira EA, Kac G, Barbosa LS. Prevalência e fatores associados à obesidade em idosos residentes em Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil: classificação da obesidade segundo dois pontos de corte do índice de massa corporal. Cad Saúde Pública. 2009;25(7):1569-77.

Barbosa AR, Souza JMP, Lebrão ML, Marucci MFN. Estado nutricional e desempenho motor de idosos de São Paulo. ABM Rev Assoc Med Bras. 2007;53(1):75-9.

Gigante DP, Dias-da-Costa JS, Olinto MTA, Menezes AMB, Macedo S. Obesidade da população adulta de Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil e associação com nível sócio-econômico. Cad Saúde Pública. 2006;22(9):1873-9.

Freitas CMSM, Santiago MS, Viana AT, Leão AC, Freyre C. Aspectos motivacionais que influenciam a adesão e manutenção de idosos a programas de exercícios físicos. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2007;9(1):92-100.

Borim FSA, Azevedo Barros MB, Neri AL. Autoavaliação da saúde em idosos: pesquisa de base populacional no Município de Campinas, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2012;28(4):769-80.

Silva MC, Marins EF, Spieker CV. Prática do tênis em idosos: estudo descritivo na cidade de Pelotas/RS/ Brasil. Estud Interdiscip Envelhec. 2014;19(1):235-48.

Saba FKF. Aderência: à prática do exercício físico em academias. São Paulo: Manole; 2001.

Dunsky A, Netz Y. Physical activity and sport in advanced age: is it risky? - a summary of data from articles published between 2000-2009. Curr Aging Sci. 2012;5(1):66-71.

Silva RT. Lesões do membro superior no esporte. Rev Bras Ortop. 2010;45(2):122-31.

Cohen M, Abdalla RJ, Ejnisman B, Amaro JT. Lesões ortopédicas no futebol. Rev Bras Ortop. 1997;32(12):940-4.

Silva RS, Moraes LC, Dutra MC, Zaniboni GR, Silva DR, Hessel M, et al. Incidência de lesões musculoesqueléticas em nadadores de águas abertas. Coleç Pesqui Educ Fís. 2013;12(1):133-40.

Stathokostas L, Theou O, Little RMD, Vandervoort AA, Raina P. Physical Activity-Related Injuries in Older Adults: A Scoping Review. Sports Med. 2013;43(10):955-63.

Luciano AP, Lara LCR. Estudo epidemiológico das lesões do pé e tornozelo na prática desportiva recreacional. Acta Ortop Bras. 2012;20(6):339-42.

Santos Filho JF, Ravagnani FCP, Reis Filho AD. Frequência de lesões de joelho em atletas de futebol de salão. Lecturas EFDeportes. 2011;16(159):1-5.




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2015.p318

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia