Avaliação da assistência pré-natal: relevância dos exames laboratoriais

Dayanna Joyce Marques Queiroz, Kátia Cristina Araújo Oliveira, Danielle Bezerra Soares

Resumo


Objetivo: Avaliar a assistência pré-natal de mulheres assistidas ao parto e verificar a relevância dos exames laboratoriais na qualidade do pré-natal. Métodos: Estudo de corte
transversal desenvolvido em um hospital universitário de referência na cidade de Santa Cruz- RN, no período de junho a julho de 2014, com 50 parturientes assistidas ao parto. As mulheres tinham entre 18-40 anos e possuíam baixo risco obstétrico. Os dados foram coletados a partir do cartão do pré-natal e aplicação de questionário estruturado. A caracterização da adequação do pré-natal foi elaborada com base nas diretrizes do Programa de Humanização do Pré-natal e Puerpério (PHPN) e no Manual Técnico de Pré-natal e Puerpério (MTPP).Realizou-se análise descritiva dos dados e o teste Qui-quadrado para a verificação de diferenças entre as proporções. Resultados: Observou-se que 86% (n=43) iniciaram o pré-natal precocemente e obtiveram uma média de 7,3 consultas. Os procedimentos clínicos obstétricos tiveram cinco ou mais registros em 58% (n=29) da amostra. Quando avaliado o registro de exames laboratoriais, observou-se um baixo percentual de adequação na 2ª rotina de exame preconizada (32%, n=16). De acordo com os parâmetros (PHPN e MTPP), o pré-natal esteve adequado apenas em 24% (n=12) dos casos. Quando avaliada a classificação da assistência do pré-natal sem o uso dos exames laboratoriais, a adequação subiu para 48% (n=24), com diferença estatisticamente significantes (p<0,001). Conclusão: O acesso ao pré-natal foi satisfatório, entretanto, a qualidade do pré-natal foi deficiente e a maior fragilidade parece estar relacionada aos registros dos exames laboratoriais.

Palavras-chave


Cuidado Pré-natal; Qualidade da Assistência à Saúde; Exames de Sangue.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Souza JP. Mortalidade materna no Brasil: a necessidade de fortalecer os sistemas de saúde. Rev Bras Ginecol Obstet. 2011;33(10):273-9.

United Nations. The Millenium Development Goals Report.United Nations Department of Economic and Social Affairs (DESA) [serial online] 2010 [accessed on 2013 Dec 10]. Available from: http://www.un.org/ millenniumgoals/pdf/

Ministério da Saúde (BR), Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de alto risco: manual técnico. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Anversa ETR, Bastos GAN, Nunes LN, Pizzol TSD. Qualidade do processo da assistência pré-natal: unidades básicas de saúde e unidades de Estratégia Saúde da Família em município no Sul do Brasil. Cad Saúde Pública. 2012;28(4):789-800

Dias da-Costa JS, Cesar JA, Haag CB, Watte G, Vicenzi K, Schaefer R. Inadequação do pré-natal em áreas pobres no Nordeste do Brasil: prevalência e alguns fatores associados. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2013;13(2):101-9.

.Domingues MSM, Hartz ZMA, Dias MAB, Leal MC. Avaliação da adequação da assistência pré-natal na rede SUS do município do Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Pública. 2012;28(3):425-37.

Villar J, Ba’aqeel H, Piaggio G, Lumbiganon P, Miguel Belizán J, Farnot U, et al. WHO Antenatal Care Trial Research Group. Who Antenatal Care Randomised Trial For The Evaluation of A New Model Of Routine Antenatal Care. Lancet. 2001;357(9268):1551-64

Ministério da Saúde (BR). Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher – PNDS 2006: dimensões do processo reprodutivo e da saúde da criança. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Polgliane RB, Leal MC, Amorim MH, Zandonade E, Santos Neto ET. Adequação do processo de assistência pré-natal segundo critérios do Programa de Humanização do Pré-natal e Nascimento e da Organização Mundial de Saúde. Ciênc Saúde Coletiva.

;19(7):1999-2010.

Domingues RMSM, Viellas EF, Dias MAB, Torres JA, Theme-Filha MM, Gama SGN, et al. Adequação da assistência pré-natal segundo as características maternas no Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2015;37(3):140-7.

Ministério da Saúde (BR). Pré-natal e puerpério: atenção qualificada e humanizada. Brasília: Ministério da Saúde; 2005.

Pedraza DF, Rocha ACD, Cardoso MVML. Assistência pré-natal e peso ao nascer: uma análise no contexto de unidades básicas de saúde. Rev Bras Ginecol Obstet. 2013;35(8):49-56.

Eudênia OB, Lima LHO, Oliveira EKB. Prenatal care in the municipality of Quixadá: a descriptive study. Online Braz J Nurs (Online). 2012;11(2):319-30.

Silva EP, Lima RT, Ferreira NLS, Costa MJC. Pré-natal na atenção primaria do município de João pessoa-PB: caracterização de serviços e usuárias. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2013;13(1):29-37.

Quadros LCM, Meincke MK, Lopes CV, Vargas NRC, Schneider CC. Avaliando a realização de exames laboratoriais pelas gestantes durante o pré-natal. Rev Enferm Saúde. 2011;1(1):99-106.

Silva MB, Monteiro PS. Adequação do pré-natal em gestantes atendidas na Estratégia de Saúde da Família em Palmas-TO. Com Ciências Saúde. 2010;21(1):21-30.

Rocha RS, Silva MGC. Assistência Pré-Natal na rede básica de Fortaleza-Ce: uma avaliação da estrutura, do processo e do resultado. Rev Bras Promoç Saúde. 2012;25(3):344-55.

Portal Brasil. Saúde amplia acesso a exames do pré-natal e testes rápidos de gravidez [acesso em 2013 Set 5]. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/ saude/2013/09/oferta-de-pre-natal-e-testes-rapidos-degravidez- sera-ampliada/@@nitf_galleria

Holanda MTCG, Barreto MA, Machado KMM, Pereira RC. Perfil epidemiológico da sífilis congênita no Município do Natal, Rio Grande do Norte - 2004 a 2007. Epidemiol Serv Saúde. 2011;20(2):203-12.

Serruya SJ, Lago TG, Cecatti JG. O panorama da atenção pré-natal no Brasil e o Programa de Humanização do Pré-Natal e Nascimento. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2004;4(3):269-79.

Gonçalves CV, Cesar JA, Mendonza-Sassi RA. Qualidade e equidade na assistência à gestante: um estudo de base populacional no Sul do Brasil. Cad Saúde Pública. 2009;25(11):2507-16.

Ramos VM, Figueiredo EN, Succi RCM. Entraves no controle da transmissão vertical da sífilis e do HIV no sistema de atenção à saúde do município de São Paulo. Rev Bras Epidemiol. 2014;17(4):887-98.

Ramos Jr N, Harunari LM, Saraceni V, Veras MASM, Pontes RJS. Controle da transmissão de mãe para filho de doenças infecciosas no Brasil: o progresso em HIV/

AIDS e falha na sífilis congênita. Cad Saúde Pública.2007;23(3):370-8.




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2015.p504

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia