Afetividade e promoção da saúde na escola: construção de significados para o professor

Maxmiria Holanda Batista, Tereza Glaucia Rocha Matos, Valentin Gavidia, Regina Heloisa Maciel, Ana MAria Fontenelle Catrib

Resumo


Objetivo: Compreender a afetividade e a promoção da saúde na escola através da construção de significado pelo professor. Métodos: O presente estudo exploratório e descritivo foi realizado com um enfoque qualitativo utilizando como instrumento de coleta de dados os mapas afetivos e entrevistas semiestruturadas. Os mapas afetivos fornecem a superação da dualidade entre cognição, afeto e representação do espaço, pois, neste contexto, qualquer ambiente pode ser percebido como um território emocional. As entrevistas objetivaram investigar quais ações promotoras de saúde cada professor participou, sua percepção sobre elas, quais afetos emergem quando realizam as ações sugeridas pela escola e como percebem sua participação nestas ações. Os dados foram analisados a partir da análise de conteúdo, emergindo categorias temáticas. Resultados: A partir dos dados dos mapas afetivos surgiram diversos e reveladores sentimentos das professoras ao falar de sua relação com a escola entre eles a amizade, companheirismo e união. Afetos estes considerados como importantes para que a escola seja vista como um lugar prazeroso. Contudo, perceberam-se evidentes conflitos na relação dos professores com os estagiários dos cursos de graduação em saúde responsáveis pela realização das ações voltadas à saúde na escola. Eles não consideram o professor e nem a comunidade escolar e isso faz emergir sentimentos de exclusão e desvalorização. Conclusão: Os sentimentos prazerosos pelo ambiente escolar não são suficientes para o envolvimento do professor nas ações promotoras de saúde pela maneira descontextualizada como estas são realizadas. O que representou um obstáculo para a participação dos docentes. Concluimos este estudio defendiendo el aumento de las discusiones sobre lo papel de los maestros en las acciones de promoción de la salud en la escuela.

Palavras-chave


Afeto; Promoção da Saúde; Educação para a Saúde; Docentes; Instituições Acadêmicas.

Referências


World Health Organization. The Bangkok Charter for Health Promotion in a globalized world. in: milestones in health promotion statements from global conferences. Geneva: WHO; 2009. p. 24-28.

Marinho JCB, Silva JAS. Conceituação da educação em saúde e suas implicações nas práticas escolares. Ensino Saúde Ambiente. 2013;6(3):21-38.

Salci AM, Macenno P, Rozza GS. Educação em saúde e suas perspectivas teóricas: algumas reflexões. Texto & Contexto Enferm. 2013;22(1):224-30

Falcón M, Luna A. Alfabetización en salud: concepto y dimensiones. Rev Comunicación y Salud. 2012;2(2):91-8.

Camargo-Ramos CM, Pinzón-Villate GY. La promoción de la salud en la primera infancia: evolución del concepto y su aplicación en el contexto internacional y nacional. Rev Fac Med (Bogotá). 2012;60(Supl 1):62-74.

Builes BMM, Arango CPM, Carmona NDM. Outra Mirada a la escuela: transformacion necessária para el siglo XXI. Rev Colombiana Ciencias Sociales. 2015;6(1):136-57.

World Health Organization. What is the evidence on school health promotion in improved health or preventing disease and, specifically, what is effectiveness of the health promotion schools approach?[Internet]. Copenhagen; 2006 [citado en 2015 Feb 11]. Disponible en: http://www.euro.who.int/__data/assets/ pdf_file/0007/74653/E88185.pdf

Afonso CMC, Tavares MFL, Luiza VL. Escolas promotoras de saúde na America Latina: uma revisão do período 1996-2009. Rev Bras Promoç Saúde. 2013;26(1):116-26.

International Union for Health Promotion and Education. Promover la Salud en la escuela: de la evidencia a la acción. Saint-Denis; 2013. [citado en 2015 Feb 11] Disponible en: http://www.iuhpe.org/images/PUBLICATIONS/THEMATIC/HPS/ Evidence-Action_SP.pdf

Falkenberg MB, Mendes TPL, Moraes EP, Souza EM. Educação em saúde e educação na saúde: conceitos e implicações para a saúde coletiva. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(3):847-52.

Silva RD, Catrib AMF, Collares PMC, Cunha SMT. Mais que educar... ações promotoras de saúde e ambientes saudáveis na percepção do professor de escola pública. Rev Bras Promoç Saúde. 2011;24(1):63-72.

Sawaia BB, Silva DNH. Pelo reencantamento da Psicologia: uma busca da positividade epistemológica da imaginação e da emoção no desenvolvimento humano. Cad CEDES (UNICAMP).2015;35:343-60.

Sawaia BB. Psicologia e desigualdade social: uma reflexão sobre liberdade e transformação social. Psicol Soc. 2009;21(3):364-72.

Lane STM. A mediação do emocional na constituição do Psiquismo. In: Lane STM, Sawaia BBS, organizadores. Novas veredas da psicologia social. São Paulo: Brasiliense: EDUC; 1994. p. 55-63.

Damásio A. O erro de Descartes: emoção, razão e o cérebro humano. São Paulo: Companhia das Letras; 2012.

Bomfim ZAC, Nobre BHL, Ferreira TLM, Araújo LMA, Martins AKS, Alencar HF, et al. Affective maps-validating a dialogue between qualitative and quantitative methods. In: Mira RG, Dumitru A. Urban Sustainability Innovative Spaces, Vulnerabilities and Oportunites. Coruña: Deputación de A Coruña, 2014.p. 131-147.

Bomfim ZAC. Cidade e afetividade: estima e construção dos mapas afetivos de Barcelona e de São Paulo. Fortaleza: Edições UFC; 2010.

Bertini FMA, Bomfim ZAC. Afetos de idosos em intervenções urbanas no centro de Fortaleza/CE. Rev FSA. 2013;10(2):302-26. 19. Furlani DD, Bomfim ZAC. Jovens de ambiente rural e urbano e sua relação com projetos de vida. In: Leite JF, Dimenstein M. Psicologia e contextos rurais. Natal: UFRN; 2013. p. 117-42.

Bomfim ZAC, Alencar HF, Santos SW, Silveira SS. Estima de lugar e indicadores afetivos: aportes da psicologia ambiental e social para a compreensão da vulnerabilidade social juvenil em Fortaleza. In: Colaço VFR, Cordeiro ACF. Adolescência e juventude: conhecer para proteger. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2013. p. 317-41.

Campos CB, Santos AC, Sarriera J, Bomfim ZAC Fredizi B. Percepción de la naturaleza por niños de contextos urbano y costero: un análisis de dibujos y palabras clave. Rev Latinoamericana Medicina Conductual. 2014;4(1):3-40.

Ponte AQ. Afetividade de idosos de vida religiosa consagrada e a moradia na casa de saúde: projetos de vida e processo de estabilização residência [dissertação]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará; 2010.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; 2010.

Mourão AT, Cavalcante S. O processo de construção do lugar e da identidade dos moradores de uma cidade reinventada. Estud Psicol (Natal). 2006;11(2):143-51.

Pol E. La apropiación del espacio. In: Iñiguez L, Pol E, organizadores. Cognición, representación y apropiación del espacio. Barcelona: Universitat de Barcelona; 1996. p. 1-49.

Czeresnia D, Maciel EMGS, Oviedo RAM. Os sentidos da saúde e da doença. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2013.

Mont’Alverne DGB, Catrib AMF. Promoção da saúde e as escolas: como avançar. Rev Bras Promoç Saúde. 2014;26(3):307-8.

Francisco RS, Pilar RV, Carmen MR, Mariano HG. Análisis del modelo salutogénico en españa: aplicación en salud pública e implicaciones para el modelo de activos en salud. Rev Esp Salud Pública.2011;85(2):129-39.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2016.p390

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia