Motivação de usuários de uma estratégia de saúde da família em grupos de saúde

Caroline Silva de Freitas, Ana Paula Ziegler Vey, Sheila Kocourek, Hedioneia Maria Foletto Pivetta

Resumo


Objetivo: Identificar os motivos de adesão e permanência dos participantes de grupos de Promoção da Saúde. Métodos: Participaram do estudo 27 usuários de uma Estratégia de Saúde da Família (ESF) do município de Santa Maria, Rio Grande do Sul, nos meses de agosto a novembro de 2014. Utilizou-se um questionário adaptado sobre motivação para a prática de atividades em grupo, com as principais variáveis de adesão e permanência, segundo ordem de prioridade. Os dados foram tabulados no programa Excel 2003 e analisados por meio de estatística descritiva simples. Resultados: Os resultados demonstraram que os fatores que motivam os usuários a aderir aos grupos de promoção da saúde na Atenção Básica estão relacionados à melhora da saúde (n=19, 70%), melhora de desempenho físico (n=15, 56%), melhora da autoestima (n=14, 52%), entre outros. Os motivos relacionados à permanência aos grupos, por sua vez, estão relacionados a manter a saúde (n=18, 67%), receber atenção e incentivo do professor (n=18, 67%), receber a atenção dos funcionários (n=15, 56%) e reduzir o nível de estresse (n=15, 56%). Conclusão: Diante dos dados observados, com relação aos motivos de adesão aos grupos, os indivíduos tendem a buscar melhores condições de saúde e de qualidade de vida. Já o incentivo a um estilo de vida mais saudável, como também o apoio dos profissionais e demais pessoas envolvidas nas atividades, implica em maior permanência dos usuários no grupo.

Palavras-chave


Promoção da Saúde; Atenção Básica; Educação em Saúde.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Araújo JD. Polarização epidemiológica no Brasil. Epidemiol Serv Saúde. 2012;21(4):533-8.

Conselho Nacional de Secretários de Saúde (BR). Atenção primária e promoção da saúde. Brasília: CONASS; 2011.

More CLOO, Ribeiro C. Trabalhando com grupos na estratégia saúde da família. Florianópolis: UNASUS; 2010 [acesso em 2016 Fev 11]. Disponível em: https://ares.unasus.gov.br/acervo/handle/ARES/195

Brasil. Portaria n 2.488 de 21 de outubro de 2011: Política Nacional de Atenção Básica. [acesso em 2012 maio 28]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/ bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html

Costa JA, Balga RSM, Alfenas RCG, Cotta RMM. Promoção da saúde e diabetes: discutindo a adesão e a motivação de indivíduos diabéticos participantes de programas de saúde. Ciênc & Saúde Coletiva, 2011;16(3):2001-9.

Magnabosco P, Nogueira MS. Avaliação da contribuição do grupo de convivência para o cuidado do indivíduo hipertenso. Rev Eletrônica Enferm [Internet]. 2011 [acesso em 2016 fev 13];13(1):110-7. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/v13/n1/v13n1a12.htm.

Bittar C, Lima LCV. O impacto das atividades em grupo como estratégia de promoção da saúde na senescência. Rev Kairós. 2011;14(4):101-18.

Lakatos EM, Marconi MA. Metodologia científica. São Paulo: Atlas; 1986.

Minayo MCS. O desafio da pesquisa social. 27ª ed. Petrópolis: Vozes; 2008.

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 5ª ed. São Paulo: Atlas; 2008.

Freitas CMSM, Santiago MS, Viana AT, Leão AC, Freyre C. Aspectos motivacionais que influenciam a adesão e manutenção de idosos a programas de exercícios físicos. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2007;9(1):92-100.

Ribeiro JAB et al.. Adesão de idosos a Programas de atividade física: motivação e significância. Rev Bras Ciênc Esporte. 2012;34(4):969-84.

Meuer ST, Benedetti TRB, Mazo GZ. Motivação de idosos para a adesão a um programa de exercícios físicos. Psicol Am Lat. 2009 [acesso em 2015 Jan 26]:18. Disponível em: http://psicolatina.org/18/motivacion.html

Benedetti TR, Mazo GZ, Borges LJ. Condições de saúde e nível de atividade física em idosos participantes e não participantes de grupos de convivência de Florianópolis. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(8):2087-93.

Couto MT, Pinheiro TF, Valença O, Machin R, Silva GSN, Gomes R et al. O homem na atenção primária à saúde: discutindo (in)visibilidade a partir da perspectiva de gênero. Interface Comun Saúde Educ. 2010;14(33):257-70.

Albano BR, Basílio MC, Neves JB. Desafios para a inclusão dos homens nos serviços de Atenção Primária à Saúde. Rev Enfermagem Integrada. 2010;3(2):554-63.

Rumor PCF, Berns I, Heideman ITSB, Mattos LHL, WosnyAM. A promoção da saúde nas práticas educativas da saúde da família. Cogitare Enferm. 2010;15(4):674-80.

Araújo LF, Coelho CG, Mendonça ET, Vaz AVM, Siqueira-Batista R, Cotta RMM. Evidências da contribuição dos programas de assistência ao idoso na promoção do envelhecimento saudável no Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2011;30(1):80–6.

Alves GG, Aerts D. As práticas educativas em saúde e a Estratégia Saúde da Família. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(1):319-25.

Gomes KT, Zazá DC. Motivos de adesão a prática de atividade física em idosas. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2009;14(2):132-8.

Conceição JCR, Krug RR, Gonçalves E, Mazo GZ. Motivos de adesão e permanência em um programa de atividade física para idosos. EFDeportes.com [Internet]. 2011[acesso em 2015 Jan 26];16(156). Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd159/ motivos-de-adesao-e-permanencia-de-idosos.htm

Garske Q, Swanke NL, Reuter EM, Morais GG, Weis GF. Motivação e barreiras: percepção de idosos que participam de grupos de terceira idade de Santa Cruz do Sul. Cinergis. 2011;12(1):48-54.

Wichmann FMA, Couto AN, Areosa SVC, Montanes MCM. Grupos de convivência como suporte ao idoso na melhoria da saúde. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2013;16(4):821-32.

Ferreira-Neto JL, Kind L. Práticas Grupais como dispositivo na promoção de saúde. Physis (Rio J). 2010;20(4):1119-42.

Tahan J, Carvalho ACD. Reflexões de Idosos Participantes de grupos de promoção de saúde acerca do envelhecimento e da qualidade de vida. Saúde Soc. 2010;19(4):878-88.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Núcleo de apoio à saúde da família: ferramentas para a gestão e para o trabalho cotidiano. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. v. 1. (Cadernos de Atenção Básica, n. 39)




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2015.p496

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia