Conhecimento e prática de médicos e enfermeiros sobre detecção precoce do câncer de mama

Adriane Pires Batiston, Arianne Tiemi Jyoboji Moraes, Aryne Arnez, Mara Lisiane de Moraes dos Santos, Leila Simone Foerster Merey, Arthur Almeida de Medeiros

Resumo


Objetivo: Comparar o conhecimento e a prática autorreferida dos médicos e enfermeiros atuantes na Estratégia de Saúde da Família em relação à detecção precoce do câncer de mama. Métodos: Estudo transversal realizado no município de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, com médicos e enfermeiros atuantes na Estratégia Saúde da Família, entre 2011 e 2012. Utilizou-se um questionário estruturado para investigação das variáveis sociodemográficas e conhecimento e prática no que diz respeito à detecção precoce do câncer de mama. A avaliação da associação entre a categoria profissional e as demais variáveis foi realizada por meio do teste Qui-quadrado, considerando nível de significância de 5%. Resultados: Foram entrevistados 109 profissionais, dos quais 49,5% (n=54) eram médicos e 50,5% (n=55) eram enfermeiros. Destes, 72,2% (n=39) dos médicos e 87,2% (n=48) dos enfermeiros haviam recebido capacitações referentes ao câncer de mama. Quanto ao exame mais indicado para a detecção precoce do câncer de mama, houve diferença significativa para mamografia (p<0,001), sendo indicada por 50% (n=50) dos médicos e 13,2% (n=7) dos enfermeiros. Conclusão: Houve diferenças significativas tanto no conhecimento quanto na prática referentes às ações para a detecção precoce do CM entre médicos e enfermeiros atuantes na ESF. Os médicos apresentaram maior conhecimento sobre a mamografia como método mais adequado para detecção em estágio iniciais do CM quando comparados aos enfermeiros. No que concerne à prática, o ECM é realizado abaixo do esperado, tanto por médicos como por enfermeiros.

Palavras-chave


Neoplasias da Mama; Estratégia Saúde da Família; Prática Profissional.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Estimativa 2016: incidência de câncer no Brasil [Internet]. Rio de Janeiro: INCA; 2015 [acesso em 2016 Maio 10]. Disponível em: http://www.inca.gov. br/estimativa/2016/estimativa-2016-v11.pdf

Lauter DS, Berlezi EM, Rosanelli CLSP, Loro MM, Kolankiewicz ACB. Câncer de mama: estudo caso controle no Sul do Brasil. Rev Ciência Saúde. 2014;7(1):19-26.

Rodrigues JD, Cruz MS, Paixão AN. Uma análise da prevenção do câncer de mama no Brasil. Ciênc Saúde Coletiva [Internet]. 2015 [acesso em 2016 Maio 10];20(10):3163-76. Disponível em: http://www. scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413 -81232015001003163&lng=pt

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Rastreamento [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2010. (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Cadernos de Atenção Primária, n. 29) [acesso em 2016 Maio 10]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/ caderno_atencao_primaria_29_rastreamento.pdf

Yilmaz D, Bebis H, Ortabag T. Determining the awareness of and compliance with breast cancer screening among Turkish residential women. Asian Pac J Cancer Prev [Internet]. 2013 [acesso em 2016 Maio 10];14:3281-8. Disponível em: http://www. apocpcontrol.org/paper_file/issue_abs/Volume14_ No5/3281 88%2011.3%20Demet%20Yilmaz.pdf

Tucunduva LTCM, Sá VHLC, Koshimura ET, Prudente FVB, Santos AF, Samano EST, et al. Estudo da atitude e do conhecimento dos Médicos não Oncologistas em relação às medidas de prevenção e rastreamento do Câncer. Rev Assoc Med Bras. 2004;50(3):257-62.

Barreto ASB, Mendes MFM, Thuler LCS. Avaliação de uma estratégia para ampliar a adesão ao rastreamento do câncer de mama no Nordeste brasileiro. Rev Bras Ginecol Obstet. 2012;34(2):86-91.

Oliveira AM, Pozer MZ, Silva TA, Parreira BDM, Silva SR. Ações extensionistas voltadas para a prevenção e o tratamento do Câncer Ginecológico e de Mama: relato de experiência. Rev Esc Enferm USP. 2012;46(1):240-5.

Gonçalves LLC, Travassos GL, de Almeida AM, Almeida AMDN, Gois CFL. Barriers in health care to breast cancer: perception of women. Rev Esc Enferm USP. 2014;48(3):394-400.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Controle dos cânceres do colo do útero e da mama [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2013. (Cadernos de Atenção Primária, n. 13) [acesso em 2016 Maio 10]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/ publicacoes/controle_canceres_colo_utero_2013.pdf

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2012 [acesso em 2016 Maio 10]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/ publicacoes/geral/pnab.pdf12.

Starfield B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia [Internet]. Brasília: UNESCO; 2002 [acesso em 2016 Maio 10]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/ publicacoes/atencao_primaria_p1.pdf

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Diretrizes para a detecção precoce do câncer de mama no Brasil [Internet]. Rio de Janeiro: INCA; 2014 [acesso em 2016 Maio 10]. Disponível em: http:// www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/4da965804a441 4659304d3504e7bf539/Diretrizes+Detec%C3%A7%C3%A3o+Precoce+Ca+Mama+2015.pdf?MOD=AJP ERES&CACHEID=4da965804a4414659304d3504e7bf539

Shott S. Statistics for health professionals. London: W. B. Saunders Company; 1990.

Aráujo GF Junior, Davim RMB. Breast selfexamination practiced by nursing professionals in family health units. J Nurs UFPE . 2012;6(4):759-65.

Jácome EM, Silva RM, Gonçalves MLC, Collares PMC, Barbosa IL. Detecção do câncer de mama: conhecimento, atitude e prática dos médicos e enfermeiros da Estratégia Saúde da Família de Mossoró, RN, Brasil. Rev Bras Cancerol [Internet]. 2011 [acesso em 2016 Maio 10]; 57(2):189-98. Disponível em: http://www.inca.gov.br/rbc/n_57/v02/pdf/06_artigo_ deteccao_cancer_mama_conhecimento_atitude_pratica_medicos_enfermeiros_estrategia_saude_familia_mossoro_RN_brasil.pdf

Tesser CD, Garcia AV, Vedrusco AV, Argenta CE. Estratégia saúde da família e análise da realidade social: subsídios para políticas de promoção da saúde e educação permanente. Ciênc Saúde Coletiva [Internet].2011 [acesso em 2016 Maio 10];16:4295-306. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v16n11/ a02v16n11.pdf

Lourenço TS, Mauad EC, Vieira RAC. Barreiras no rastreamento do câncer de mama e o papel da enfermagem: revisão integrativa. Rev Bras Enferm [Internet]. 2013 [acesso em 2016 Maio 10 ];66(4):585-91. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672013000400018&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672013000400018.

Gonçalves LLC, Barros ACS, Inagaki ADM, Abid ACF. Avaliação da prática do exame clínico pélvico e de mamas realizados por enfermeiros. Rev Min Enferm [Internet]. 2009 [acesso em 2016 Maio 10];13:244-8. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/186

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Controle do Câncer de Mama: Documento de Consenso [Internet]. Rio de Janeiro: INCA; 2004 [acesso em 2016 Maio 10]. Disponível em: http://www. inca.gov.br/publicacoes/Consensointegra.pdf

Moyer VA, U.S. Preventive Services Task Force. Risk assessment, genetic counseling, and genetic testing for BRCA-related cancer in women: U.S. Preventive Services Task Force recommendation statement. Ann Intern Med [Internet]. 2014 [acesso em 2016 Maio 10];160(4):271-81. Disponível em: http://annals.org/ article.aspx?articleid=1791499

Nguyen MN, Larocque D, Paquette D, Irace-Cima A. Quebec breast cancer screening program: A study of the perceptions of physicians in Laval, Que. Can Fam Physician. [Internet]. 2009 [acesso em 2016 Maio 10];55(6):614-20. Disponível em: http://www.cfp.ca/ content/55/6/614.full.pdf+html

Leite FMC, Amorim MHC, Marques GMT, Vilela APM. Estratégia de saúde da família e o rastreamento do câncer de mama. Espaç Saúde (Online) [Internet].2011 [acesso em 2016 Maio 10];12(2):1-9. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/ espacoparasaude/article/view/9170/pdf.

Puliti D, Zappa M. Breast cancer screening: are we seeing the benefit? BMC Medicine. 2012; 10:106.

Maurice A, Evans G, Affen J, Greenhalgh R, Duffy SW, Howell A. Surveillance of women at increased risk of breast cancer using mammography and clinical breast examination: further evidence of benefit. Int J Cancer [Internet]. 2011 [acesso em 2016 Maio 10];131:417–25. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/ doi/10.1002/ijc.26394/epdf

Silva GA, Teixeira MTB, Aquino EML, Tomazelli JG, Silva IS. Acesso à detecção precoce do câncer de mama no Sistema Único de Saúde: uma análise a partir dos dados do Sistema de Informações em Saúde. Cad Saúde Pública. 2014;30(7):1537-50.

Sankaranarayanan R, Ramadas K, Thara S, Muwonge R, Prabhakar J, Augustine P, et al. Clinical Breast Examination: Preliminary Results from a Cluster Randomized Controlled Trial in India. J Natl Cancer Inst [Internet]. 2011 [acesso em 2016 Maio 10];103(19):1476-80. Disponível em: http://jnci. oxfordjournals.org/content/103/19/1476.long

Akhigbe AO, Omuemu VO. Knowledge, attitudes and practice of breast cancer screening among female health workers in a Nigerian urban city. BMC Cancer [Internet]. 2009 [acesso em 2016 Maio 10];9:203. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/ articles/PMC2709903/pdf/1471-2407-9-203.pdf.

Miller AB, Baines CJ. The role of clinical breast examination and breast self-examination. Prev Med.2011;53(3):118-20.

McDonald S, Saslow D, Alciati MH. Performance and Reporting of Clinical Breast Examination: A Review of the Literature. CA Cancer J Clin [Internet]. 2004 [acesso em 2016 Maio 10];54(6):345-61. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.3322/ canjclin.54.6.345/epdf

Thuler LC. Considerações sobre a prevenção do câncer de mama feminino. Rev Bras Cancerol [Internet] 2003 [acesso em 2016 Maio 10];49:227-38. Disponível em: http://www.inca.gov.br/rbc/n_49/v04/pdf/revisao1.pdf

Erdem Ö, Toktaş İ. Knowledge, attitudes, and behaviors about breast self-examination and mammography among female primary healthcare workers in Diyarbakır, Turkey. Biomed Res Int. 2016;2016:1-6.




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2016.p153

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia