Doença hipertensiva específica da gravidez em um hospital terciário do nordeste brasileiro-perfil epidemiológico

Zélia Maria de Sousa Araújo Santos, Rithianne Frota Carneiro, Geraldo Bezerra da Silva Junior, Janaína da Silva Feitoza Palácio, Jennara Cândido do Nascimento

Resumo


Objetivo: Descrever o perfil epidemiológico das mulheres internadas em um hospital
terciário do nordeste brasileiro com síndromes hipertensivas da gestação (SHG). Métodos: Realizou-se estudo transversal retrospectivo no Hospital Geral César Cals (HGCC), hospital terciário do Sistema Único de Saúde (SUS) em Fortaleza, Ceará, Brasil, com 1865 grávidas diagnosticadas com SHG internadas no período de janeiro de 2006 a dezembro de 2013, independente da idade, escolaridade, estado civil, nascimento, origem e desfecho (alta, morte e gravidez em andamento). Resultados: Houve predominância de mulheres na faixa etária entre 17-35 anos (n=1484, 79,6%), pardas (n=1464, 78,5%), solteiras (n= 775, 41,6%), donas-de-casa (n=1269, 68,0%), residentes em Fortaleza (n=1198, 64,3%) e com ensino fundamental completo (n=766, 41%). Excesso de peso (n= 1408, 75,4%), primeira gravidez (n=827, 44,3%) e multiparidade (n=686, 36,7%) foram os principais fatores de risco para SHG. Com relação ao estado do feto, 30,9% (n=576) eram prematuros. As principais complicações da SHG foram: síndrome HELLP (n=60, 3.2%), distúrbios hemorrágicos (n=15, 0,8%) e insuficiência respiratória aguda (n=13, 0,6%). Conclusão: As mulheres grávidas investigadas apresentaram fatores de risco para desenvolvimento da SHG, reforçando a idéia de que o nível de saúde e o processo de saúde e doença são diretamente influenciados por características demográficas e socioeconômicas da população.

Palavras-chave


Gravidez; Hipertensão; Hipertensão Induzida pela Gravidez; Epidemiologia

Texto completo:

PDF (English)

Referências


Sociedade Brasileira de Cardiologia, Sociedade Brasileira de Hipertensão, Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Cardiol. 2010;95(1 Supl 1):1-51.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Estudo da mortalidade de mulheres de 10 a 49 anos, com ênfase na mortalidade materna: relatório final. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Secretaria da Saúde do Estado do Ceará. Informe Epidemiológico Mortalidade Materna [Internet]. Fortaleza; 2015 [accessed on 2015 Jul 22]. Available from: http://www.saude.ce.gov.br/index.php/boletins

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Políticas de Saúde. Gestação de alto risco. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Alencar Jr CA. High maternal mortality rates in Brazil: reasons for its permanence. Rev Bras Ginecol Obst. 2010; 28(7):377-9.

Ministério da Saúde (BR), Departamento de Informática do SUS. Painel de Monitoramento da Mortalidade Materna [Internet]. Brasília; 2012 [accessed on 2015 Jul 20]. Available from: http://svs.aids.gov.br/ dashboard/mortalidade/materna.show.mtw

Governo Estado do Ceará (CE), Secretaria da saúde. Hospital Geral Dr. César Cals. Maternidade: Ginecologia e Obstetrícia [Internet]. Fortaleza; 2014 [accessed on 2015 Mar 20]. Available from: http://www.hgcc.ce.gov.br/index.php/categoria- 2?cssfile=principal3.css

Costa AAR, Ribas MSSS, Amorim MMR, Santos LC. Mortalidade materna na cidade do Recife. Rev Bras Ginecol Obstet. 2002;24(7):455-62.

Vettore MV, Dias M, Domingues RMSM, Vettore MV, Leal MC. Prenatal care and management of hypertension in pregnant women in the public healthcare system in Rio de Janeiro, Brazil. Cad Saúde Pública. 2011;27(5):1021-34.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Oliveira SMJV, Freitas P. Pregnant women with arterial hypertension: profile and nursing procedures. Rev Baiana Enferm. 2002;17(3):23-34.

Ministério da Saúde (BR). Diabetes e hipertensão na gravidez: manual técnico. Brasília: Ministério da Saúde/FEBRASGO; 2009.

Montenegro CAB, Rezende Filho J, Lima MLA. Chronic hypertension and pregnancy. Femina. 2003;31(8):729-31.

Assis TH, Viana FP, Rassi S. Study on the major maternal risk factors in hypertensive syndromes. Arq Bras Cardiol. 2008;91(1):11-7.

Magalhães MLC, Furtado FM, Nogueira MB, Carvalho FHC, Almeida ML, Rosiane M et al. Precocious and late pregnancy in adolescents: is there a difference comparing the obstetric risks? Rev Bras Ginecol Obst. 2006; 28(8):446-52.

Moura ERF, Oliveira CGS, Damasceno AKC, Pereira MMQ. Fatores de risco para síndrome hipertensiva específica da gestação entre mulheres hospitalizadas

com pré-eclâmpsia. Cogitare Enferm. 2010;15(2): 250-5.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Pré-natal e puerpério: atenção qualificada e humanizada: manual técnico. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Ramos HAC, Cuman RKN. Fatores de risco para prematuridade: pesquisa documental. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2009;13(2):297-304.

Rezende J. Obstetrícia. 10ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2010.

Santos ZMSA, Neves MG, Nascimento JC, Fernandes HT, Feitoza JS. Autocuidado da gestante adolescente na prevenção dos fatores de risco da síndrome

hipertensiva específica da gravidez (SHEG). Rev Bras Promoç Saúde. 2007;20(3):173-80.

Zampieri MFM. High-risk pregnancy. Nursing (São Paulo). 2002;5(48):18-23.

Santos ZMSA, Oliveira FML, Silva MP, Nascimento JC, Feitoza JS, Nascimento RO. Fatores de risco para a síndrome hipertensiva específica da gravidez. Rev Bras Promoç Saúde. 2009;22(1):48-54.

Freitas F, Costa SHM, Ramos JGL, Magalhães JA. Rotinas em obstetrícia. 5ª ed. São Paulo: Artmed; 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2015.p613

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia