Produtos comercializados em cantinas escolares do município de Ribeirão Preto

Raquel dos Santos Gaetani, Luciana Cisoto Ribeiro

Resumo


Objetivo: Avaliar os tipos de produtos comercializados em cantinas escolares do município de Ribeirão Preto, São Paulo. Métodos: Desenvolveu-se um estudo transversal e analítico, realizado de maio a dezembro de 2014, com amostra selecionada por conveniência, composta por cinco escolas estaduais e cinco escolas particulares de ensino fundamental. Aplicou-se, em cada uma das dez escolas, com o responsável pela cantina, um questionário estruturado contendo uma lista de alimentos e bebidas e variáveis relacionadas à implantação de uma cantina saudável. A classificação dos alimentos em saudáveis e não saudáveis baseou-se nos documentos “Os 10 Passos para a Promoção da Alimentação Saudável nas Escolas”,do Ministério da Saúde e da Portaria do Estado de São Paulo sobre comercialização de alimentos saudáveis no ambiente escolar. Utilizou-se análise descritiva para tratamento dos dados. Resultados: Nas escolas particulares, observou-se maior apoio do profissional de Nutrição, disponibilidade de materiais educativos, propaganda de produtos industrializados e maior número de opções de alimentos saudáveis (81,7%). Nas escolas públicas, verificou-se a restrição de determinados alimentos não saudáveis, mas poucas opções de alimentos saudáveis (25,0%); entretanto, houve uma maior participação dos cantineiros em atividades de educação nutricional e conhecimento sobre legislação específica. Identificou-se o desinteresse de pais e alunos como limitador para a instalação e operacionalização da cantina saudável nas escolas. Conclusão: As cantinas investigadas, tanto de escolas públicas quanto de particulares, não seguiam integralmente as recomendações do Ministério da Saúde e da Portaria do Estado de São Paulo sobre comercialização de alimentos saudáveis no ambiente escolar, pois ofertavam alimentos considerados não saudáveis. Além disso, as escolas particulares oferecem mais opções de alimentos, tanto saudáveis quanto não saudáveis, para seus alunos.

Palavras-chave


Alimentação; Alimentação Escolar; Legislação Sobre Alimentos.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Schmitz BAS, Recine E, Cardoso GT, Silva JRM, Amorim NFA, Bernardon R, et al. A escola promovendo hábitos alimentares saudáveis: uma proposta metodológica de capacitação para educadores e donos de cantina escolar. Cad Saúde Pública. 2008;24(Supl 2):s312-s22.

Ministério da Saúde (BR). Guia alimentar para a população brasileira. 2ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009: análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2011.

Gabriel CG, Vasconcelos FAG, Andrade DF, Schmitz BAS. First Law regulating school canteens in Brazil: evaluation after seven years of implementation. Arch Latinoam Nutr. 2009;59(2):128-38.

Ministério da Saúde (BR), Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Dez passos para a promoção da alimentação saudável nas Escolas. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Yokota RTC, Vasconcelos TF, Pinheiro ARO, Schmitz BAS, Coitinho DC, Rodrigues MLCF. Projeto “a escola promovendo hábitos alimentares saudáveis”: comparação de duas estratégias de educação nutricional no Distrito Federal, Brasil. Rev Nutr. 2010;23(1): 37-47.

Ministério da Saúde (BR). Manual operacional para profissionais de saúde e educação: promoção da alimentação saudável nas escolas. Brasília: Ministério da Saúde; 2008. (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, Ministério da Saúde (BR), Ministério do Planejamento e Gestão. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 (PENSE 2012). Rio de Janeiro: IBGE; 2013.

Ministério da Saúde (BR). Portaria Interministerial nº 1.010, de 08 de Maio de 2006. Institui as diretrizes para a promoção da alimentação saudável nas escolas de educação infantil, fundamental e nível médio das redes públicas e privadas, em âmbito nacional.. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 2006 Maio 09.

Ministério da Educação (BR), Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Nota Técnica nº 02/2012 - Regulamentação de cantinas em escolas públicas do Brasil. DIRAE/CGPAE/COTAN; 2012[acesso em 2015 Fev 12]. Disponível em: file:///C:/Users/731095830/Downloads/nota_tecnica_02-2012_cantinas.pdf

Gabriel CG, Santos MV, Vasconcelos FAG, Milanez GHG, Hulse SB. Cantinas escolares de Florianópolis: existência e produtos comercializados após a instituição da Lei de Regulamentação. Rev Nutr. 2010;23(2):191-9.

Reis CEG, Vasconcelos IAL, Barros JFN. Políticas públicas de nutrição para o controle da obesidade infantil. Rev Paul Pediatr. 2011;29(4):625-33.

Ministério da Educação (BR), Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Nota Técnica nº 01/2014: restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. Brasília: COSAN/CGPAE/DIRAE/FNDE; 2014.

Ministério da Saúde (BR). Regulamentação da comercialização de alimentos em escolas no Brasil:experiências estaduais e municipais. Ministério da Saúde: Brasília; 2007. (Série B. Textos Básicos de Saúde)

Coordenadoria do Ensino da Grande São Paulo - COGSP. Portaria Conjunta COGSP/CEI/DSE, de 23 de março de 2005. Normas para funcionamento de cantinas escolares [acesso em 2015 Fev 12]. Disponível em: http://www.educacao.sp.gov.br/a2sitebox/arquivos/ documentos/953.pdf

Davanço GM, Taddei JAAC, Gaglianone CP. Conhecimentos, atitudes e práticas de professores de ciclo básico, expostos e não expostos a Curso de Educação Nutricional. Rev Nutr. 2004;17(2):177-84.

Porto EBS, Schmitz BAS, Recine B, Rodrigues MLCF. School canteens in the federal District, Brazil and the promotion of healthy eating. Rev Nutr. 2015;28(1):29-41.

Gabriel CG, Ricardo GD, Ostermann RM, Corso ACT, Assis MAA, Pietro PF et al. Regulamentação da comercialização de alimentos no ambiente escolar: análise dos dispositivos legais que buscam a alimentação saudável. Rev Inst Adolfo Lutz. 2012;71(1):11-20.

Amorim NFA, Schmit BAS, Rodrigues MLCF, Recine EGI, Gabriel CG. Implantação da cantina escolar saudável em escolas do Distrito Federal, Brasil. Rev Nutr. 2012;25(2):203-17.

Gabriel CG, Ricardo GD, Vasconcelos FAG, Corso ACT, Assis MAA, Pietro PF, Alimentos comercializados nas escolas e estratégias de intervenção para promover a alimentação escolar saudável: revisão sistemática. Rev Inst Adolfo Lutz. 2011;70(4):572-83.

Danelon MAS, Danelon MS, Silva MV. Serviços de alimentação destinados ao público escolar: análise da convivência do Programa de Alimentação Escolar e das cantinas. Segurança Alim Nutr. 2006;13(1):85-94

Prado BG, Guimarães LV, Lopes MAL, Bergamaschi DP. Efeito de ações educativas no consumo de alimentos no ambiente escolar. Nutrire Rev Soc Bras Aliment Nutr. 2012;37(3):281-92.

Ferreira JT, Lemos J, Dal Bosco SM, Adami FS. Alimentação na escola e estado nutricional de estudantes do ensino fundamental. Rev Bras Promoç Saúde. 2014;27(3):349-56.

Carvalho CA, Fonsêca PCA, Oliveira FP, Coelho AA, Arruda SPM. Consumo de energia e macronutrientes no lanche escolar de adolescentes de São Luís, Maranhão, Brasil. Cad Saúde Coletiva. 2014;22(2):212-7.

Sturion GL, Silva MV, Ometto AMH, Furtuoso, Pipitone MAP. Fatores condicionantes da adesão dos alunos ao Programa de Alimentação Escolar no Brasil. Rev Nutr. 2005;18(2):167-81.

Ministério da Saúde (BR). Política nacional de alimentação e nutrição. Ministério da Saúde: Brasília; 2012. (Série B. Textos Básicos de Saúde).




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2015.p587

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia