Profissionais de saúde da unidade de terapia intensiva: percepção dos fatores restritivos da atuação multiprofissional

João Dutra de Araujo Neto, Isabella Suanne Pereira da Silva, Loise Elena Zanin, Abigail de Paulo Andrade, Kesia Marques Moraes

Resumo


Objetivo: Identificar a percepção dos profissionais de saúde de uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) sobre os fatores restritivos do trabalho em equipe multiprofissional. Métodos: Estudo exploratório, descritivo, com abordagem qualitativa, que ocorreu em um hospital terciário de alta complexidade, localizado em Sobral/CE. Participaram nove entrevistados representantes da equipe multiprofissional da UTI. Os dados foram coletados por entrevista semiestruturada e analisados segundo a Análise de Conteúdo. Assim, as interlocuções com os profissionais foram apreendidas em quatro categorias: desrespeito entre os profissionais da equipe, excesso de demanda, falta de comunicação entre seus integrantes e falta de capacitação profissional. Resultados: O fator mais restritivo do trabalho em equipe multiprofissional na UTI foi a falta de respeito entre os integrantes da equipe, resultado das relações de hierarquia de poder, da falta de conhecimento do fazer de cada profissional, bem como da falta de comunicação dentro da equipe, evidenciando a necessidade de estratégias que potencializem a comunicação e o respeito entre os integrantes. Além disso, o excesso de demanda, somando-se a um ambiente estressante como a UTI e à falta de capacitação da equipe foram destacados nas falas como fatores considerados restritivos ao processo. Conclusão: Foi possível levantar os fatores restritivos do trabalho em equipe multiprofissional no cenário da UTI, o que pode colaborar para a construção e o fortalecimento das ações para superar esses desafios. Ratifica-se a importância da compreensão de que as ações a serem desenvolvidas são da equipe multidisciplinar como um todo, e não de um indivíduo apenas.

Palavras-chave


Unidades de Terapia Intensiva; Equipe de Assistência ao Paciente; Comunicação Interdisciplinar.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Peduzzi M. Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia. Rev Saúde Pública. 2001;35(1):103-9.

Purin N, Puri V, Dellinger RP. History of technology in the intensive care unit. Crit Care Clin. 2009;25(1):185-200.

Ministério da Saúde (BR), Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Resolução – RDC nº 7. Dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva e dá outras providências. Brasília: ANVISA; 2010.

Rose L. Interprofessional collaboration in the ICU: how to define? Nurs Crit Care. 2011;16(1):5-10

Pirolo SM, Ferraz CA, Gomes R. A integralidade do cuidado e ação comunicativa na prática interprofissional da terapia intensiva. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(6):1396-402.

Leite MA, Vila VSC. Dificuldades vivenciadas pela equipe multiprofissional na Unidade de Terapia Intensiva. Rev Latinoam Enferm. 2005;13(2):145-50.

InoueI KC, Versa GLGS, Murassaki ACM, Melo WA, Matsuda LM. Estresse ocupacional em enfermeiros intensivistas que prestam cuidados diretos ao paciente

crítico. Rev Bras Enferm. 2013;66(5):722-9

Bosi MLM, Mercado FJ. Avaliação qualitativa de programas de saúde: enfoques emergentes. Petrópolis:Vozes; 2006.

Linhares JH, Pinto PD, Albuquerque IMN, Freitas CASL. Análise das ações da Fisioterapia do NASF através do SINAI no município de Sobral - CE. Cad Escola de Saúde Pública. 2010;4(2):32-41.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 9ª ed. São Paulo: Hucitec; 2006.

Bardin L. Análise de conteúdo. Trad. Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa. Edições 70; 2010.

Ministério da Saúde (BR), Conselho Nacional de Saúde (CNS), Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Resolução nº 466/2012. Normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília: CNS; 2012.

Oliveira EB, Silva AV, Perez EF Junior, Costa HF, Nascimento LP, Souza LAM. Fatores de risco psicossocial em terapia intensiva neonatal: repercussões para a saúde do enfermeiro. Rev Enferm UERJ. 2013;21(4):490-5.

Peres RS, Anjos ACY, Rocha MA, Guimarães AGC, Borges GM, Souza KG et al. O Trabalho em Equipe no Contexto Hospitalar: reflexões a partir da experiência de um programa de residência multiprofissional em saúde. Em Extensão (Uberlândia, MG). 2011;10(1):113-20.

Oliveira HM, Moretti-Pires RO, Parente Rosana Cristina Pereira. As relações de poder em equipe multiprofissional de Saúde da Família segundo um modelo teórico arendtiano. Interface Comun Saúde Educ. 2011;15(37):539-50.

Amestoya SC, Backesb VMS, Thofehrnc MB, Martinid JG, Meirellese BHS, Trindadef LL. Gerenciamento de conflitos: desafios vivenciados pelos enfermeiroslíderes no ambiente hospitalar. Rev Gaúch Enferm. 2014;35(2):79-85.

Guerra ST, Prochnow AG, Trevizan MA, Guido LA. O conflito no exercício gerencial do enfermeiro no âmbito hospitalar. Rev Latimoam Enferm. 2011;19(2):362-9.

Oderich C, Avelino LPRS, Queiroz MSF. Visão sistêmica interdisciplinar em grupo multiprofissional: estudo de caso em Foz do Iguaçu. RECC Rev Eletr Cienc CRA-PR [Internet]. 2015 [acesso em 2015 Nov 23];2(2):31-47. Disponível em: http://recc.cra-pr.org. br/index.php/recc/article/view/33

Gonçalves LA, Padilha KG. Fatores associados à carga de trabalho de enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva. Rev Esc Enferm USP. 2007;41(4):645-52.

Altafin JAM, Grion CMC, Tanita MT, Festti J, Cardoso LTQ, Veiga CFF, et al. Nursing Activities Score e carga de trabalho em unidade de terapia intensiva de hospital universitário. Rev Bras Ter Intensiva. 2014;26(3):292-8.

Abreu RMD, Gonçalves RMDA, Simões ALS. Motivos atribuídos por profissionais de uma Unidade de Terapia Intensiva para ausência ao trabalho. Rev Bras Enferm. 2014;67(3):386-93.

Machado DA, Louro TQ, Figueiredo NMA, Vianna LMA. Esgotamento dos Profissionais de Enfermagem: uma revisão integrativa sobre a Síndrome de Burnout em UTI. Rev Pesqui Cuid Fundam (Impr). 2012;4(4):2765-75.

Reader TW, Flin R, Cuthbertson BH. Communication skills and error in the intensive care unit. Curr Opin Crit Care. 2007;13(6):732-6.

Broca PV, Ferreira MF. Equipe de enfermagem e comunicação: contribuições para o cuidado de enfermagem.Rev Bras Enferm. 2012;65(1):97-103.

Gueudeville RM. Avaliação da comunicação entre a equipe multidisciplinar e do tempo de permanência na UTI, após a introdução do formulário de objetivos diários [dissertação]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2007.

Lazzari DD, Schmidt N, Jung W. Educação Continuada em Unidade de Terapia Intensiva na Percepção de Enfermeiras. Rev Enferm UFSM. 2012;2(1):88-96.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2016.p43

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia