Ócio e promoção da saúde

José Clerton de Oliveira Martins

Resumo


A palavra “ócio” deriva do latim otium, que remete ao fruto das horas vagas, do descanso e da tranquilidade, carregando consigo o sentido de ocupação suave, prazerosa e desejada. Porém, como o ócio abriga a ideia de repouso e de parada apreciada – enfim, de um momento para deixar vagar os pensamentos a partir de uma disposição contemplativa –, foi fácil tomá-lo como sinônimo de ociosidade nas sociedades que atribuíram ao trabalho um caráter divino.
Essa compreensão do ócio como atividade nociva é totalmente oposta ao que se reconhecia em sua concepção original grega, como âmbito da recriação da vida, de contemplação e apreensão da integridade humana. O percurso sócio-histórico das sociedades contemporâneas reafirmou o trabalho como fonte de todas as virtudes, e, consequentemente, a jornada de trabalho aumentou de maneira considerável, o que ocasionou descompensações psicossomáticas de diversas ordens na maioria das pessoas, conforme demonstraram críticos da mistificação do trabalho e de seu excesso desnecessário(1).
Nesse panorama, na atualidade, o conceito de ócio tem sido fonte de controvérsia. No Brasil, após a popularização da obra de um sociólogo italiano(2), novas possibilidades foram convocadas sobre a palavra, fomentando discussões e estudos mais aprofundados sobre o termo. Tais discussões apontaram alguns aspectos interessantes. Por exemplo, foi considerada a perspectiva de que o até então “pai de todos os vícios” carrega um valor em si, uma autonomia subjetiva pautada em livre escolha e autotelismo, para além do lazer usual (que apenas alcança o significado de compensação escapista às insatisfações do trabalho, representando um âmbito para a recuperação da força laboral).
Esses novos encaminhamentos despertaram interesses diversos e orientam, agora, novas elaborações sobre o ócio numa contemporaneidade demarcadamente consumista, apressada e acelerada(3).
Do pensamento de Aristóteles até hoje, filósofos, teóricos e estudiosos, na tentativa de precisar a natureza do ócio, definiram um conceito que consubstancia a inter-relação de componentes como satisfação, realização, felicidade, gozo, fruição e bem-estar. Assim sendo, o ócio diz respeito a uma experiência gratuita e necessária, que resguarda relação íntima com o desenvolvimento do sujeito. A compreensão do ócio a partir desse ponto de vista se relaciona com a vivência de experiências prazerosas e satisfatórias, portanto(4).
A palavra “ócio” é sinônimo de experiência desejada e apreciada, resultado de uma escolha livre(5). Dentro desse contexto, é preciso ressaltar a atenção dada ao sentido atribuído por quem vive a experiência. Pois o ócio está vinculado à forma de ser de cada um, configurando, portanto, uma expressão de si(5).
É interessante acrescentar que, na perspectiva aqui tomada, a experiência de ócio não é dependente das variáveis atividade ou tempo, nem do nível econômico ou formação de quem a experimenta; ela está relacionada com o sentido atribuído por quem a convoca com um fim na própria experiência.
As apreensões do ócio também se articulam com temas como a educação. Critica-se de forma categórica a concepção estritamente utilitária do sistema educacional atual, afirmando que ele ignora as necessidades reais dos sujeitos e que os componentes culturais da formação do conhecimento ocupam-se em treinar os indivíduos com o mero propósito de qualificação profissional – esquecendo, dessa maneira, os pensamentos e desejos pessoais dos educandos, levando-os a preencherem boa parte de sua existência com temas demasiado amplos, impessoais e sem sentido aparente, voltados mais para interesses externos imediatos, o que gera nas pessoas desapropriações de diversas ordens(6).
É preciso atentar para o fato de que o ócio não deve ser identificado com o tempo livre, uma vez que este não define a experiência humana em si. A identificação que se originou entre ócio e tempo livre é produto dos estudos da sociologia do trabalho, difundidos de forma ampla. Tal fato dificultou a compreensão do ócio, pois a sociologia do trabalho não contempla sua percepção psicológica.
Nessa perspectiva, não se pode afirmar a priori que no tempo liberado das obrigações residem experiências de ócio. A expressão “tempo livre” se torna importante nessa relação por causa da palavra livre, que sugere um exercício humano voluntário de identidade, desejo, reconhecimento e autorreconhecimento. A partir desses enfoques psicológicos, o ócio vem sendo definido como “liberdade de e para”(7).
O ócio, como experiência humana, está relacionado a valores e significados subjetivos profundos; e apenas assim o ócio pode ter sentido enquanto experiência significativa positiva, fonte de desenvolvimento humano, bem-estar e prevenção à ociosidade negativa. Para o entendimento do que vem a ser uma experiência transformadora, compreende-se que ela foge ao âmbito do cotidiano vulgar, dado o componente que envolve a ruptura subjetiva na determinação da atitude para a experiência consciente – escolha desejada e encontro permitido. Tais detalhes promovem um sentido diferente a esse tipo de experiência: elas são as chamadas experiências verdadeiras, as que tocam e transformam os indivíduos(8).
A experiência comum, por outro lado, é aquela que se relaciona com qualquer ação da vida cotidiana, e nela estão inseridas as rotinas, em que tudo acontece e “nada nos toca”, uma vez que há ausência de sentido nessas atividades trivializadas.
Em um encaminhamento semelhante, foi apresentado o flow(9) (ou, nas apreensões em português, experiência ótima). A partir disso, a chamada experiência de fluxo é demarcada por uma sensação de plenitude e integração percebida entre o sujeito, a ação e o ambiente. Mergulhado em uma espécie de fluxo mental caracterizado pelo prazer e pela sensibilidade aflorada, o sujeito experimenta um fluxo vital, reconfortante. Quando uma pessoa passa por uma dessas situações, uma das metas centrais do self será a de seguir experimentando-a ou buscar outras experiências similares, convertendo-as em uma influência significativa e marcante que implica em saúde e qualidade de vida(9).
Na mesma direção, os estudos desenvolvidos no Instituto Multidisciplinar de Estudios de Ocio da Universidade de Deusto, em Bilbao (Espanha), orientam a possibilidade do ócio como estratégia da promoção de saúde, haja vista as repercussões positivas na população frente ao baixo custo dos investimentos para tal. A partir desses estudos, observa-se que a melhora da saúde é uma das consequências associadas à experiência de ócio. Aponta-se que os impactos positivos na saúde vêm sendo a principal justificativa para projetos que tomam tais experiências como fator de promoção de saúde. Como exemplo, investe-se na prática esportiva, que aporta benefícios de natureza diversa, tais como impactos fisiológicos (o fortalecimento dos ossos, por exemplo) e psicológicos (o desenvolvimento da capacidade de empatia e das habilidades cognitivas, impactos educativos, transmissão de valores e assim por diante). Sem dúvida, tais benefícios repercutem em âmbitos como o trabalho, a família e as relações(10).
Nessa perspectiva, o sujeito que convoca experiências de ócio como um valor e uma prática sistemática promove o desenvolvimento de sua autonomia, ocasionando o aumento da autoestima e podendo, ainda, obter satisfação e relaxamento. De forma direta, isso tem impacto nas relações sociais desse indivíduo, e tais benefícios nomeado como“intermediários”. A partir deles, alcançam-se os benefícios “finais”: saúde geral, sensação de bem-estar e qualidade de vida(11).
Cada vez mais, no âmbito da saúde, o ócio vem sendo reconhecido pela sua força, tanto no fator preventivo quanto no terapêutico. Verifica-se na terapia com pessoas depressivas, por exemplo, a recomendação de apoio no reforço dos vínculos, a partir de experiências nas temporalidades sociais de jogos, desenvolvimento do gosto por hobbies, passeios etc.
No entanto, ainda se vive em tempos em que o horário do trabalho se estende a outros âmbitos da existência, colonizando as temporalidades próprias para a fruição de experiências verdadeiras, livres e plenas de sentido subjetivo. Sabe-se, porém, que nessas experiências residem a potência da apreensão de si, portanto, faz-se necessário cultivar seu valor.
Assim, descobrir o ócio como um valor a ser conquistado por suas potencialidades é vital para a saúde – mas, é claro, esse não é unicamente o seu fim, pois, como ensinou Aristóteles, o fim do ócio reside nele próprio. O ócio é autotélico, mas advêm dele os benefícios para uma existência em bem-estar e satisfação vital.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Aquino CA, Martins JC. Ócio, lazer e tempo livre na sociedade de consumo e do trabalho. Rev Mal-Estar Subj. 2007;7(2):479-500.

De Masi D. O ócio criativo. Rio de Janeiro: Sextante; 2000

Beriaín J. Aceleración y tiranía del presente: La metemorfosis en las estruturas temporales de La modernidad. Barcelona: Anthropos; 2008.

Cuenca MC. Ocio humanista, dimensiones y manifestaciones actuales del ocio. Documentos de estudios de ocio, n.16. Bilbao: Instituto de Estudios de Ocio/Universidad de Deusto; 2003.

Martins JC, Baptista MM. O ócio nas culturas contemporâneas: teorias e novas perspectivas em investigação. Coimbra: Editora Rui Grácio; 2013.

Russell B. O elogio ao ócio. Rio de Janeiro: Sextante; 2002.

Cuenca MC. Ócio humanista. In: Cuenca MC, Martins JC, organizadores. Ócio para viver no século XXI. Fortaleza: As Musas; 2008. p. 33-55.

Larrosa J. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Rev Brasil Educ. 2002;(19):20-8.

Csikszentmihalyi M, Csikszentmihalyi S. Experiencia óptima: estudios psicológicos del flujo en la conciencia. Bilbao: Desclee de Brower; 1989.

Driver B. Concepts and uses of the benefits approach to leisure. In: Jackson EL, Burton TL. Leisure studies: prospects for the 21st century. London: Venture; 1999.

Monteagudo MJ. Consecuciónes satisfactorias de La experiencia psicológica del ocio. Rev Mal-Estar Subj. 2008;8(2):307-25.




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2015.p297

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia