A participação da família no cuidado às crianças internadas em unidade de terapia intensiva

Daniele Zuba Ramos, Cássio de Almeida Lima, André Luiz Ramos Leal, Patrícia Fernandes do Prado, Valdira Vieira de Oliveira, Ana Augusta Maciel de Souza, Mirela Lopes de Figueiredo, Maisa Tavares de Souza Leite

Resumo


Objetivo: Compreender a participação da família no cuidado à criança internada em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal e Pediátrica (UTINP). Métodos: Pesquisa exploratória, descritiva, de natureza qualitativa. O estudo foi realizado em um hospital
universitário do norte de Minas Gerais, Brasil, e teve como participantes oito pais de crianças internadas na UTINP. Os dados foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas, os quais, posteriormente, foram submetidos à análise de conteúdo, originando duas categorias: vivenciando o cuidado com o filho na Unidade de Terapia Intensiva, e fatores dificultadores e facilitadores do cuidado. Resultados: Evidenciou-se que a família não está totalmente inserida no cuidado à criança hospitalizada. Isso acontece devido a sentimentos de medo e insegurança dos pais, restrição pela complexidade e tecnologia dos aparelhos utilizados na assistência, indisponibilidade de tempo dos familiares por precisarem realizar outras funções e por residirem em outros municípios. O apoio da equipe atuante no setor foi enfatizado pelos entrevistados como fator facilitador do cuidado. Conclusão: O estudo subsidia a reflexão sobre a importância da participação dos pais no cuidado à criança que requer terapia intensiva e destaca que o envolvimento da família é uma necessidade que precisa ser considerada pelos profissionais de saúde no processo de assistência integral ao cliente pediátrico.

Palavras-chave


Cuidados Intensivos; Criança Hospitalizada; Cuidado da Criança.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Cavalcante LIC, Magalhães CMC, Pontes FAR. Processos de saúde e doença entre crianças institucionalizadas: uma visão ecológica. Ciênc Saúde Coletiva. 2009;14(2):615-25.

Silva FAC, Andrade PR, Barbosa TR, Hoffmann MV, Macedo CR. Representação do processo de adoecimento de crianças e adolescentes oncológicos junto aos familiares. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2009;13(2):334-41.

Hayakawa LY, Marcon SS, Higarashi IH, Waldman MAP. Rede social de apoio à família de crianças internadas em uma unidade de terapia intensiva pediátrica. Rev Bras Enferm. 2010;63(3):440-5.

Wegner W. Prevenção de eventos adversos na assistência de enfermagem à criança hospitalizada. In: Associação Brasileira de Enfermagem, Gaíva MAM, Ribeiro, CA, Rodrigues EC, organizadores. PROENF Programa de atualização em enfermagem: saúde da criança e do adolescente: ciclo 8. Porto Alegre: Artmed/ Panamericana; 2013. p. 63-102.

Hayakawa LY, Marcon SS, Higarashi IH. Alterações familiares decorrentes da internação de um filho em uma unidade de terapia intensiva pediátrica. Rev Gaúch Enferm. 2009;30(2):175-82.

Oliveira K,Veronez M, Higarashi IH, Corrêa DAM. Vivências de familiares no processo de nascimento e internação de seus filhos em UTI neonatal. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2013;17(1):46-53.

Molina RCM, Fonseca EL, Waidman MAP, Marcon SS. A percepção da família sobre sua presença em uma unidade de terapia intensiva pediátrica e neonatal. Ver Esc Enferm USP. 2009;43(3):630-8.

Ferreira PD, Mendes TN. Família em UTI: Importância do suporte psicológico diante da iminência de morte. Rev SBPH. 2013;16(1):1-25.

Brassolatti MM, Veríssimo MLR. A presença dos pais e a promoção do desenvolvimento da criança hospitalizada: análise da literatura. Rev Soc Bras Enferm Ped. 2013;13(1):37-45.

Brasil. Lei nº. 8069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União, 16 jul 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/leis/L8069.htm

Costa R, Padilha MI. O hospital infantil como marco no atendimento ao recém-nascido de risco em Santa Catarina (1987-2009). Texto & Contexto Enferm. 2010;19(3):469-78.

Oliveira K, Orlandi MHF, Marcon SS. Percepções de enfermeiros sobre orientações realizadas em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Rev Rene. 2011;12(4):767-75.

Santos LM, Oliveira VM, Santana RCB, Fonseca MCC, Neves ES, Santos MCS. Vivências maternas na unidade de terapia intensiva pediátrica. Rev Pesq Cuid Fundam Online [Internet]. 2013 [acesso em 2015 Jan 17];5(1):3432-42. Disponível em: http://www. seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/ view/1992/pdf_703

Minayo MCS, Deslandes SF, Gomes R. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 25ª ed. Petrópolis: Vozes; 2010.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2011.

Conselho Nacional de Saúde (BR). Resolução nº 466 de 12 de dezembro de 2012 que trata de pesquisas e testes em seres humanos. Brasília (DF): Diário Oficial da União, 12 dez 2012.

Santana EFM, Madeira LM. A mãe acompanhante na unidade de terapia intensiva neonatal: desafios para a equipe assistencial. Rev Enferm Cent.-Oeste Min. 2013;3(1):475-87.

Duarte ED, Sena RR, Tavares TS. Práticas cuidadoras que favorecem a integralidade do cuidado ao recém-nascido de alto risco: revisão sistemática. Ver Eletrônica Enferm. 2010;12(3):539-46.

Costa JB, Mombelli MA, Marcon SS. Avaliação do sofrimento psíquico da mãe acompanhante em alojamento conjunto pediátrico. Estud Psicol. 2009;26(3):317-25.

Perlin DA, Oliveira SM, Gomes GC. A criança na unidade de terapia intensiva neonatal: impacto da primeira visita da mãe. Rev Gaúch Enferm. 2011;32(3):458-64.

Rocha RS, Lúcio IML, Lopes MMCO, Lima CRC, Freitas ASF. Promoção do cuidado humanizado à família pela equipe de enfermagem na unidade neonatal. Rev Rene. 2011;12(3):502-9.

Côa TF, Pettengill MAM. A experiência de vulnerabilidade da família da criança hospitalizada em Unidade de Cuidados Intensivos Pediátricos. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(4):825-32.

Cardoso SB. Perspectiva da enfermagem acerca da abordagem assistencial: o caso da unidade de terapia intensiva pediátrica do Instituto Fernandes Figueira/ FIOCRUZ [dissertação]. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2009

Dittz ES, Sena RR, Motta JAC, Duarte ED. Cuidado materno ao recém-nascido na unidade de terapia intensiva neonatal: possibilidades e desafios. Cienc Enferm. 2011;17(1):45-55.

Gubert NA, Ludwing AB. Cuidados de enfermagem ao recém-nascido de enterocolite necrosante. In: Associação Brasileira de Enfermagem, Leite MMJ, Ribeiro NRR, Oliveira ME, organizadores. PROENF Programa de atualização em enfermagem: saúde da criança e do adolescente: ciclo 5. Porto Alegre: Artmed/ Panamericana; 2010. p. 47-74.




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2016.p189

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia