Saúde e qualidade de vida de jornalistas: estudo de revisão

Regina Zanella Penteado, Laiane Maria Gastaldello

Resumo


Objetivo: Realizar revisão sistemática da literatura voltada para a saúde e a qualidade de vida de jornalistas, relacionadas ao trabalho. Métodos: Foram realizadas buscas nas seguintes bases: LILACS, SciELO, Doaj, MEDLINE, Science Direct, Wiley Online Library, Springer Link e Clase. Foram priorizados artigos publicados em periódicos nacionais e internacionais, nos idiomas em português, inglês e espanhol, no período entre 2005 e 2015. O processo de seleção seguiu etapas e critérios pré-definidos do estudo, bem como a aplicação de Testes de Relevância. Resultados: A seleção resultou em oito publicações para revisão. Os aspectos e/ou questões do processo saúde-doença-cuidado de jornalistas, que têm sido enfatizados nas investigações, integram as categorias: saúde vocal/expressividade (três: 37,5%); saúde mental (quatro: 50%) e saúde alimentar/nutricional (um: 12,5%); e eles vêm sendo abordados de maneira isolada. Faltam estudos pautados por uma concepção ampliada e abrangente de saúde e qualidade de vida. Conclusão: O estudo mostra a necessidade de pesquisas e investimentos na formação de uma cultura de promoção da saúde e qualidade de vida dos jornalistas, o que pode ocorrer na interdisciplinaridade das áreas de Saúde, Comunicação e Educação, com apoio das entidades de classe da categoria e da mídia.

Palavras-chave


Promoção da Saúde; Saúde do Trabalhador; Qualidade de Vida; Comunicação; Jornalismo; Educação.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Himmelstein H, Faithorn EP. Eyewitness to disaster: how journalists cope with the psychological stress inherent in reporting traumatic events. Journalism Studies. 2002;3(4):537-55.

Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado da Bahia. A saúde dos jornalistas [Internet]. 2006. [acesso em 2014 Fev 12]. Disponível em: http://www.sinjorba. org.br/?p=entrevistas&id=80. 3. Heloani JR. O trabalho do jornalista: estresse e qualidade de vida. Rev Interações. 2006;12(22):171-98.

Kilesse, S, Machado MNM. Relações entre o trabalho do jornalista e seu estado geral de saúde [Internet]. In: 15º Enabrapso; Maceió; 2009 Nev 2 [acesso em 2014 Nov 11]. Disponível em: http://www.abrapso.org.br/ siteprincipal/images/Anais_XVENABRAPSO/11.%20 rela%C7%D5es%20entre%20o%20trabalho%20do%20jornalista%20e%20seu%20estado%20geral%20de%20sa%DAde.pdf

Cardoso J. 117 profissionais foram agredidos durante cobertura das manifestações no Brasil [Internet]. 2014 [acesso em 2014 Nov 11]. Disponível em: http:// novosrumos.piranot.com/?p=184

Federação Nacional dos Jornalistas (BR). Violência contra jornalistas diminui em 2014 no Brasil, mas número de assassinatos volta a crescer [Internet]. 2014[acesso em 2014 Nov 28]. Disponível em: http://www.fenaj.org.br/materia.php?id=4198.

Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. CPJ coloca Brasil, Paraguai e México em lista de países mais letais para jornalistas em 2014 [Internet]. 2015 [acesso em 2015 Abr 07]. Disponível em: http://abraji. org.br/?id=90&id_noticia=2952

G1. Cinegrafista atingido por rojão em protesto no Rio tem morte cerebral [Internet]. 2014 [acesso em 2014 Fev 12]. Disponível em: http://g1.globo.com/rio-dejaneiro/noticia/2014/02/cinegrafista-atingido-porrojao-em-protesto-no-rio-tem-morte-cerebral.html

UOL. Cinegrafista atingido por explosivo em protesto no Rio tem morte encefálica [Internet]. 2014 [acesso em 2014 Fev 12]. Disponível em: http://noticias.uol. com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2014/02/10/morrecinegrafista- da-band-atingido-por-explosivo-emprotesto-no-rio.htm

Federação Nacional dos Jornalistas. Relatório da Fenaj aponta 129 casos de agressões. Órgão Oficial do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo; 2015.

Fígaro R. A abordagem ergológica e o mundo do trabalho dos comunicadores. Trab Educ Saúde. 2011;9(Supl 1):285-97.

Reimberg CO. A organização do trabalho no rádio: reflexos para as práticas profissionais e para a saúde do jornalista. Rev Alterjor. 2012;1(5): 1-18.

Kyrillos L. Práticas com Jornalistas. In: Ferreira LP, Silva MAA, Giannini SPP. Distúrbio de voz relacionado ao trabalho: práticas fonoaudiológicas. 1 ed. São Paulo:Rocca; 2015. p. 241-256.

Heloani JR. Mudanças no mundo do trabalho e impactos na qualidade de vida do jornalista [Internet] 2003 [acesso em 2014 Ago 27]. Disponível em:http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/3098/P00254_1.pdf?seqseque=15. Figaro R. Comunicação e trabalho: as mudanças no mundo do trabalho nas empresas de comunicação. São Paulo: Fapesp; 2008.

Chun RYS, Servilha, EAM, Santos, LMA, Sanches MH. Promoção da Saúde: o conhecimento do aluno de jornalismo sobre sua voz. Distúrb Comum.2007;19(1):73-80.

Penteado RZ, Trevisan MAF, Gonçalves RB. Laboratório de voz - um relato de experiência do processo de ensino na formação de jornalistas [resumo]. In: 8º Mostra Acadêmica da Unimep e 8º Simpósio de Ensino de Graduação; 2010 Out 26-28; Piracicaba, 2015. p. 1-5.

Sampaio RF, Mancini MC. Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Rev Bras Fisioter. 2007;11(1):83-9.

Collins JL. Health issues in journalism and reporting. Occ Med. 2001;16(4):583-94.

Feinstein A, Owen J, Blair N. A hazardous profession: war, journalists, and psychopathology. Am J Psychiatry. 2002;159(9):1570-5.

Silva EP, Heloani R. Aspectos teóricos e metodológicos da pesquisa em saúde mental e trabalho: reflexões a partir de uma análise comparativa do estresse em jornalistas e guardas municipais. Cad Psicol Soc Trab. 2007;10(1):105-20.

Azevedo JBM, Ferreira LP, Kyrillos LR. Julgamento de telespectadores a partir de uma proposta de intervenção fonoaudiológica com telejornalistas. Rev CEFAC. 2009;11(2):281-89.

Weidmann A, Papsdorf J. Witnessing trauma in the newsroom: posttraumatic symptoms in television journalists exposed to violent news clips. J Nerv Ment Dis. 2010;198(4):264-71.

Campaña R, Garcia Q. Estudio de los hábitos alimentarios en la profesión periodística. Rev Nutr Clín Dieta Hosp. 2012;32(2):44-53.

Silva EC, Penteado RZ. Caracterização das inovações do telejornalismo e a expressividade dos apresentadores. Audiol Commun Res. 2014;19(1):61-8.

Penteado RZ, Gonçalves CGO, Costa DD, Marques JM. Trabalho e saúde em motorista de caminhão do interior de São Paulo. Saúde Soc. 2008;17(4):35-45.

Seid EMF, Zannon CMLC. Qualidade de vida e saúde: aspectos conceituais e metodológicos. Cad Saúde Pública. 2004;20(2):580-8.

Fleck MPA. A avaliação de qualidade de vida: guia para profissionais da saúde. Porto Alegre: Artmed; 2008.

Buss PM. Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciênc Saúde Coletiva. 2000;5(1):163-77.

Minayo MCS, Hartz ZMA, Buss PM. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciênc Saúde Coletiva. 2000;5(1):7-18.

Ferreira LP, Andrade S, Giannini SPP. Distúrbio de voz relacionado ao trabalho: práticas fonoaudiológicas. São Paulo: Rocca; 2015.

Kyrillos L, Cotes C, Feijó D. Voz e corpo na TV: a Fonoaudiologia a serviço da comunicação. São Paulo: Globo; 2003.

Queiroz CC, Coutinho IMS. O lugar do jornalista na cobertura dos protestos de junho de 2013 sob o olhar do Observatório da Imprensa e do Profissão Repórter. Rev Parágrafo. 2014;2(2):137-49.

Ministério da Educação (BR). Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Jornalismo, bacharelado. Ministério da Educação e Conselho Nacional da Educação. Resolução CNE/CES 1/2013. Diário Oficial da União; Brasília, 2013 Out 1, Seção 1, p. 26.

Assunção AA. Uma contribuição ao debate sobre as relações saúde e trabalho. Ciênc Saúde Coletiva. 2003;8(4):1005-18.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2016.p295

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia