Plantas medicinais: indicação de raizeiros para o tratamento de feridas

Diogo Rodrigues Souza, Elaine Cristina Araujo Medeiros de Souza Rodrigues

Resumo


Objetivo: Analisar as indicações e o conhecimento de raizeiros quanto ao uso de plantas medicinais para o tratamento de feridas. Métodos: Estudo quantitativo, de caráter descritivo, realizado com 32 raizeiros do município de Campina Grande – PB, no período de novembro de 2012 a março de 2013. Utilizou-se um questionário estruturado, contendo 21 questões fechadas e abertas, referentes a variáveis sociodemográficas, informações sobre as espécies vegetais indicadas para o tratamento de feridas, aquisição de conhecimentos sobre o assunto e comercialização das plantas. Realizou-se análise descritiva dos dados com cálculo de frequências absolutas e relativas. Resultados: Dos 40 comerciantes de plantas convidados a participar da pesquisa, 32 (75%) consentiram a entrevista, dos quais 75% (n=24) do sexo feminino, 50% (n=16) possuíam 60 anos ou mais, 25% (n=8) residiam na zona rural, e apenas 18,75% (n=6) cultivavam as ervas que comercializavam. Neste ramo, 87,5% (n=28) trabalhavam há mais de cinco anos, sendo a transmissão familiar através das gerações a forma mais comum de aquisição de conhecimentos (87,5%; n=28). Um total de 18 plantas foi citado pelos raizeiros, onde o cajueiro roxo foi o mais indicado (87,5%; n=28), seguido pelo barbatimão (81,25%; n=26) e pela quixaba (50%; n=16). Conclusão: Este estudo deixa em aberta a questão sobre o nível de conhecimento popular de raizeiros investigados acerca do uso de plantas medicinais no tratamento de feridas, visto que o mesmo advém de fonte familiar sem cientificidade, com imprecisa indicação terapêutica.

Palavras-chave


Plantas Medicinais; Ferimentos e Lesões; Cicatrização; Etnofarmacologia.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Badke MR, Budó MLD, Alvim NAT, Zanetti GD, Heisler EV. Saberes e práticas populares de cuidado em saúde com o uso de plantas medicinais. Texto & Contexto Enferm. 2012;21(2):363-70.

Rossato AE, Chaves TRC. Fitoterapia racional: aspectos taxonômicos, agroecológicos, etnobotânicos e terapêuticos. In: Rossato AE, Pierini MM, Amaral PA,Santos RR, Citadini-Zanette V. Fitoterapia racional: aspectos taxonômicos, agroecológicos, etnobotânicos e terapêuticos. 1 ed. Florianópolis: DIOESC; 2012. p.15-39.

Piresa AM, Araujo PS. Percepção de risco e conceitos sobre plantas medicinais, fitoterápicos e medicamentos alopáticos entre gestantes. Rev Baiana Saúde Pública. 2011;35(2):320-33.

Souza CMP, Brandão DO, Silva MSP, Palmeira AC, Simões MOS, Medeiros ACD. Utilização de plantas medicinais com atividade antimicrobiana por usuários do serviço público de saúde em Campina Grande - Paraíba. Rev Bras Plantas Med. 2013;15(2):188-93.

Battisti C, Garlet TMB, Essi L, Horbach RK, Andrade A, Badke MR. Plantas medicinais utilizadas no município de Palmeira das Missões, RS, Brasil. Rev Bras Biociência. 2013;11(3):338-48.

Rosa RL, Barcelos ALV, Bampi G. Investigação do uso de plantas medicinais no tratamento de indivíduos com diabetes melito na cidade de Herval D’ Oeste - SC. Ver Bras Plantas Med. 2012;14(2):306-10.

Firmo WCA, Menezes VJM, Passos CEC, Dias CN, Alves LPL, Dias ICL, et al. Contexto histórico, uso popular e concepção científica sobre plantas medicinais. Cad. Pesqui (São Luis). 2011;18(esp): 90-5.

Araujo MA, Lemos ICS, Menezes IRA, Fernandes GP, Kenrtopf MR. Uso de plantas medicinais para o tratamento de feridas. Rev. Interd. 2015;8(2):60-7.

Piriz MA, Lima CAB, Jardim VMR, Mesquita MK, Souza ADZ, Heck RM. Plantas medicinais no processo de cicatrização de feridas: uma revisão de literatura. Rev Bras Plantas Med. 2014;16(3):628-36.

Laureano A, Rodrigues AM. Cicatrização de Feridas. Rev Soc Portug Dermat Venerol. 2011;69(3):355-67.

Silva LL, Lopes PF, Monteiro MHDA, Macedo HW. Importância do uso de plantas medicinais nos processos de xerose, fissuras e cicatrização na diabetes mellitus. Rev Bras Plantas Med. 2015;17(4 Supl 1):827-35.

Santos RL, Guimaraes GP, Nobre MSC, Portela AS. Análise sobre a fitoterapia como prática integrativa no Sistema Único de Saúde. Rev Bras Plantas Med. 2011;13(4):486-91.

Lima PGC, Coelho-Ferreira M, Oliveira R. Plantas medicinais em feiras e mercados públicos do Distrito Florestal Sustentável da BR-163, estado do Pará, Brasil. Acta Bot Bras. 2011;25(2):422-34.

Antonio GD, Tesser CD, Moretti-Pires RO. Phytotherapy in primary health care. Rev Saúde Pública. 2014;48(3):541-53.

Lima FA, Do Bú EA, Soares MP, Araújo CRF. A fitoterapia e sua inserção no contexto da atenção básica. Rev Saúde Ciência Online [Internet]. 2015 [acesso em 2015 Ago 26];4(2):120-8. Disponível em: www:///C:/ Users/731095830/Downloads/259-485-1-SM.pdf

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 5ª ed. São Paulo: Atlas; 2010.

Ministério da Saúde (BR). Resolução n° 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos [estatuto na internet]. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF), 2012 dez 12; Seção 1:137.

Dantas IC. O raizeiro. 22ª ed. Campina Grande: EDUEPB; 2007.

Soares FP, Freire NM, Souza TR. Avaliação farmacognostica e da rotulagem das drogas vegetais boldo-do-chile (Peumus boldus Molina) e camomila (Matricaria recutita L.) comercializadas em Fortaleza, CE. Rev Bras Plantas Med. 2015;17(3):468-72.

Dantas IC, Guimarães FR. Perfil dos raizeiros que comercializam plantas medicinais no município de Campina Grande, PB. Rev Biologia Ciências Terra. 2006;6(1):39-44.

Silva PA, Faria LA, Espinheira MJCL, Mascarenhas GDM, Silva KO. O perfil dos raizeiros e a comercialização de plantas medicinais em feiras livres do município de Vitória da Conquista, Bahia. Rev Exatas Online [Internet]. 2014 [acesso 2015 Ago 26]; 5(2):8-18. Disponível em: http://www2.uesb.br/exatasonline/images/V5N2pag8-18.pdf

Silva RS, Matos LSL, Araujo EC, Paixao GPN, Costa LEL, Pereira Álvaro. Práticas populares em saúde: autocuidado com feridas de usuários de plantas medicinais. Rev Enferm UERJ. 2014;22(3):389-95.

Carvalho APS, Conceição GM. Utilização de plantas medicinais em uma área da estratégia de saúde da família, Caxias, Maranhão. Enciclopédia Biosfera.2015;11(21):3477-88.

Darroz JV, Fuso LC, Borges NM, Gomes AJPS. Utilização de fitoterápicos no tratamento de constipação intestinal. Arq Ciências Saúde UNIPAR. 2014;18(2):113-9.

Roque AA, Rocha RM, Loiola MIB. Uso e diversidade de plantas medicinais da Caatinga na comunidade rural de Laginhas, município de Caicó, Rio Grande do Norte (Nordeste do Brasil). Rev Bras Plantas Med. 2010;12(1):31-42.

Bastos B, Roge AG, Martines Y. Flora da Serra do Cipó flora nativa. Bol Bot. 2013;25(2):41-52.

Leite AF, Bonini G, Imparato JC, Raggio D, Menezes V, Cabral R. Avaliação da Eficácia da Escova Ecológica e do Juá no Controle de Biofilme Dentário em Crianças. Pesqui Bras Odontopediatria Clín Integr. 2012;12(3):337-43.

Coelho MFB, Maia SSS, Oliveira AK, Diogenes FEP. Atividade alelopática de extrato de sementes de juazeiro. Hortic Bras. 2011;29(1):108-11.

Leite AF, Bonini G, Imparato JC, Raggio D, Menezes V, Cabral R. Avaliação da eficácia da escova ecológica e do juá no controle de biofilme dentário em crianças. Pesqui Bras Odontopediatria Clín Integr. 2012;12(3):337-43.

Gardner D, Riet-Correa F, Lemos D, Welch K, Pfister J, Panter K. Teratogenic effects of Mimosa tenuiflora in a rat model and possible role of N-methyl- and N,N-dimethyltryptamine. J Agric Food Chem. 2014;62(30):7398-401.

Bitencourt MA, Souza LMC, Torres-Rêgo M, Fernandes JM, Silva-Júnior AA, Tambourgi DV, ET al. Neutralizing effects of Mimosa tenuiflora extracts against inflammation caused by Tityus serrulatus scorpion venom. Biomed Res Int. 2014;2014:378235.

Souza RSO, Albuquerque UP, Monteiro JM, Amorim ELC. Jurema Preta (mimosa tenuiflora [wild.] Poir.): a review of its traditional use, phytochemistry and pharmacology. Braz Arch Biol Technol. 2008;51(5):937-47.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2016.p197

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia