Percepção dos pais sobre a implantação da estratégia de fortificação da alimentação infantil com micronutrientes

Rodrigo Pereira Prates, Mariana Mendes Pereira, Lucinéia de Pinho

Resumo


Objetivo: Analisar a percepção dos pais dos educandos acerca da implantação da estratégia de fortificação da alimentação infantil com micronutrientes em pó (NutriSUS). Métodos: Pesquisa qualitativa, descritiva e exploratória, realizada nos meses de agosto e setembro de 2015, com 11 mães de alunos matriculados nos Centros de Educação Infantil da cidade de Montes Claros, MG, Brasil. Os dados foram coletados por meio de uma entrevista semiestruturada, sendo analisados pela técnica de análise de conteúdo, sendo identificadas duas categorias temáticas “Importância do NutriSUS” e as “Escolas como ambiente promotor de saúde”. Resultados: Os pais demonstraram algum conhecimento sobre a importância/ benefício do NutriSUS, reconhecido pelo aumento do apetite dos seus filhos e o entendimento da oferta de uma alimentação mais enriquecida nutricionalmente. Eles ainda apresentaram uma percepção positiva da estratégia de parceria entre escola e unidade de saúde e a escola como ambiente promotor de saúde. Conclusão: O relato dos pais indicou que eles compreendem o objetivo da estratégia de fortificação e a importância de uma alimentação saudável nos primeiros anos de vida. Esse conhecimento contribui para melhorar o suporte ao crescimento e desenvolvimento das crianças brasileiras uma vez que os pais são agentes condicionantes para a efetividade dessa estratégia.

Palavras-chave


Alimentação Infantil; Micronutrientes; Saúde Pública.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Carvalho CA, Fonsêca PC, Priore SE, Franceschini SC, Novaes JF. Consumo alimentar e adequação nutricional em crianças brasileiras: revisão sistemática. Rev Paul Pediatr. 2015;33(2):211-21.

S Filha EO, Araújo JS, Barbosa JS, Gaujac DP, Santos CFDS, et al. Consumption of food groups among children attending the public health system of Aracaju, Northeast Brazil, in Sergipe. Rev Paul Pediatr. 2012; 30(4): 529-36.

Chagas DC, Silva AAM, Batista RFL, Simões VMF, Lamy ZC, Coimbra LC, et al. Prevalência e fatores associados à desnutrição e ao excesso de peso em menores de cinco anos nos seis maiores municípios do Maranhão. Rev Bras Epidemiol. 2013;16(1):146-56.

Souza OF, Benício MHD, Castro TGM, Muniz PT, Cardoso MA. Desnutrição em crianças menores de 60 meses em dois municípios no Estado do Acre: prevalência e fatores associados. Rev Bras Epidemiol. 2012;15(1):211-21.

Vargas AM, Abreu AC, Machado BL, Rodrigues ECA, Neves NN, Moura MDG, et al. Perfil nutricional em crianças de 2 a 5 anos no Município de Serro, Minas Gerais. Rev Univ Vale do Rio Verde. 2015;13(1):305-14.

Bernardi JR, De Cezaro C, Fisberg RM, Fisberg M, Rodrigues GP, Vitolo MR. Dietary micronutrient intake of preschool children at home and in kindergartens of the municipality of Caxias do Sul (RS), Brazil. Rev Nutr. 2011;24(2):253-61.

World Health Organization, World Food Programme, UNICEF. Preventing and controlling micronutrient deficiencies in populations affected by an emergency: multiple vitamin and mineral supplements for pregnant and lactating women, and for children aged 6 to 59 months [Internet]. Geneva: WHO; 2007.[acesso em 2015 Nov 20]. Disponível em: http://www.who.int/nutrition/publications/WHO_WFP_UNICEFstatement.pdf

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Programa Nacional de Suplementação de Ferro: manual de condutas gerais [Internet]. Brasília: Ministério de Saúde; 2013 [acesso em 2015 Nov 10]. Disponível em:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_suplementacao_ferro_condutas_gerais.pdf

Ministério da Saúde (BR). Centro Brasileiro de Análise e Planejamento. PNDS 2006: dimensões do processo reprodutivo e da saúde da criança [acesso em 2015 Nov 10]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/ publicacoes/pnds_crianca_mulher.pdf

World Health Organization. Infant and young child feeding: model chapter for textbooks for medical students and allied health professionals. Geneva: WHO; 2009.

Oliveira TDSC, Silva MC, Santos JN, Silva-Rocha D, Alves CRL et al. Anemia entre pré-escolares– um problema de saúde pública em Belo Horizonte, Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(1):59-66.

Oliveira APDND, Pascoal MN, Santos LCD, Pereira SCL, Justino LEH, Petarli GB, et al. Prevalência de anemia e sua associação com aspectos sociodemográficos e antropométricos em crianças de Vitória, Espírito Santo, Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(11):3273-80.

Coutinho GGPL, Cury PM, Cordeiro JA. Cyclical iron supplementation to reduce anemia among Brazilian preschoolers: a randomized controlled trial. BMC Public Health. 2013;13(1):21.

Silva EBD, Villani MS, Jahn ADC, Cocco M. . Fatores de risco associados à anemia ferropriva em crianças de 0 a 5 anos, em um município da região noroeste do Rio Grande do Sul. REME Rev Min Enferm.2011;15(2):165-73.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. NutriSUS Caderno de Orientações Operacionalização da estratégia de fortificação da alimentação infantil com micronutrientes (vitaminas e minerais) em pó [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2015 [acesso em 2015 Dez 11]. Disponível em:http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_orientacoes_ nutrisus.pdf

Ministério da Saúde (BR). Agência Nacional de Vigilância Sanitária Resolução da Diretoria Colegiada - RDC n° 14, de 28 de março de 2014 [acesso em 2015 Dez 11]. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/ documents/33880/2568070/rdc0014_28_03_2014.pdf/9a5267c3-848f-4c62-b305-e63f25d6118e

De-Regil, Suchdev PS, Vist GE, Walleser S, Peña- Rosas JP. Home fortification of foods with multiple micronutrient powders for health and nutrition in children under two years of age. Cochrane Database Syst Rev. 2011;7(9):CD008959.

Aparício G, Cunha M, Duarte J, Pereira A. Olhar dos Pais sobre o Estado Nutricional das Crianças Préescolares. Millenium. 2011;40:99-113.

Flores-Peña Y, Ortiz-Félix RE, Cárdenas-Villarreal VM, Ávila-Alpirez H, Alba-Alba CM, Hernández- Carranco RG. Estratégias maternas referentes à alimentação e à atividade física e sua relação com o estado nutricional dos filhos. Rev Latinoam Enferm.2014;22(2):286-92.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; 2007.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 1979.

Low M, Farrell A, Biggs BA, Pasricha SR. Effects of daily iron supplementation in primary-school– aged children: systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. Can Med Assoc J. 2013;185(17):E791-E802.

Fechine ÁD, Machado MMT, Lindsay AC, Fechine VAL, Arruda CAM. Percepção de pais e professores sobre a influência dos alimentos industrializados na saúde infantil. Rev Bras Promoç Saúde. 2015;28(1):16-22.

Frota MA, Bezerra JA, Férrer MLS, Martins MC, Silveira VG. Percepção materna em relação ao cuidado e desenvolvimento infantil. Rev Bras Promoç Saúde. 2011;24(3):245-50.

Murray R, Bhatia J, Okamoto J, Allison M, Ancona R, Attisha E et al. Snacks, sweetened beverages, added sugars, and schools. Pediatrics. 2015;135(3):575-83.

Dalcastagné G, Ranucci JMA, Nascimento MA, Liberali R. Influência dos pais no estilo de vida dos filhos e sua relação com a obesidade infantil. RBONE.2012;2(7): 5.

Silva KL, Rodrigues AT. Ações intersetoriais para promoção da saúde na Estratégia Saúde da Família: experiências, desafios e possibilidades. Rev Bras Enferm. 2010;63(5):762-9.

Souza MF. O Programa Saúde da Família no Brasil: análise do acesso à atenção básica. Rev Bras Enferm. 2008; 61(2):153-8.

Andrade TM, Melo GC, Santos SMP, Martins VM, Policarpo MDFO. Educação em Saúde: uma experiência de integração entre a equipe de saúde da família e a equipe do PET Saúde. Rev EXPOPEP. 2014;1(1):1-9.

Maciel ELN, Oliveira CB, Frechiani JM, Sales CMM, Brotto LDDA, Araújo MD. Projeto Aprendendo Saúde na Escola: a experiência de repercussões positivas na qualidade de vida e determinantes da saúde de membros de uma comunidade escolar em Vitória, Espírito Santo. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(2):389-96.

World Health Organization. Use of multiple micronutrient powders for home fortification of foods consumed by infants and children 6-23 months of age. Geneva: WHO; 2011 [acesso em 2015 Nov 18]. Disponível em: http://www.who.int/elena/titles/guidance_summaries/micronutrientpowder_infants/en/

Gonçalves FD, Catrib AMF, Vieira NFC, Vieira LJEDS. A promoção da saúde na educação infantil. Interface Comun Saude Educ. 2008;12(24):181-92.

Souza MMA, Enumo SRF, Paula KMP, Souza RV, Bezerra RS, Mendes KB. Promoção de comportamentos saudáveis em pré-escolares. Rev Bras Promoç Saúde. 2013;26(3):387-95.

Broilo MC, Louzada MLC, Drachler ML, Stenzel LM, Vitolo MR. Percepção e atitudes maternas em relação às orientações de profissionais de saúde referentes a práticas alimentares no primeiro ano de vida. J Pediatr (Rio J). 2013;89(5):485-91.

Campos AAO, Cotta RMM, Oliveira JM, Santos AK, Araújo RMA. Nutritional counseling for children under two years of age: opportunities and obstacles as strategic challenges. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(2):529-38.

Ramos FP, Santos LAS, Reis ABC. Educação alimentar e nutricional em escolares: uma revisão deliteratura. Cad Saúde Pública. 2013;29(11):2147-61.

Afonso FM, Scofano VB, Silva ER, Oliveira DM, Silva CC, Rocha FHZ, et al. Percepção dos responsáveis sobre a alimentação de crianças menores de 4 anos creches públicas-RJ [abstract]. In: 11º Congresso Internacional da Rede Unida; 2014 Apr 10-13; Botucatu: Interface;2014. p. 1.

Fechine ADL, Machado MMT, Lindsay AC, Fechine VAL, Arruda CAM. Percepção de pais e professores sobre a influência dos alimentos industrializados na saúde infantil. Rev Bras Promoç Saúde. 2015;28(1): 16-22.

Camargo APPM; Barros-Filho AA, Antonio MARGM, Giglio JS. A não percepção da obesidade pode ser um obstáculo no papel das mães de cuidar de seus filhos. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(2):323-33.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2016.p431

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia