Política nacional do idoso: percepção dos gestores e perfil dos idosos de um município de pequeno porte

Cássia Letícia dos Reis, Lydia Christmann Espindola Koetz, Eduardo Périco

Resumo


Objetivo: Identificar a percepção dos gestores municipais sobre a PNI, relacionando-a ao perfil sociodemográfico dos idosos e as estratégias de atenção à saúde em um município de pequeno porte do Rio Grande do Sul. Métodos: Trata-se de um estudo transversal, descritivo-exploratório, de abordagem quanti-qualitativa. As entrevistas foram realizadas com seis gestores de um único município e 134 idosos, identificados por questionário sociodemográfico. As entrevistas foram transcritas e analisadas a partir da análise de conteúdo. A análise estatística foi realizada no programa SPSS versão 21, com aplicação do teste Qui-Quadrado e adotado p<0,05. Resultados: Ao longo das entrevistas com os gestores emerge o desconhecimento acerca da PNI, impactando no planejamento das ações. A saúde é representada a partir da ausência da doença, relacionando-a como freqüente no envelhecimento. A análise estatística aponta resultados significativos na relação entre escolaridade e acesso ao serviço (p<0,01) e avaliação dos idosos sobre os serviços (p=0,00). Conclusão: A falta de conhecimento dos gestores no que se refere à PNI impacta diretamente nas ações de saúde para esse ciclo de vida no município. Os idosos eram, na sua maioria, do sexo feminino, com ensino fundamental incompleto, aposentados que usavam unidade básica de saúde e que não identificavam seu papel de controle social para o planejamento de ações que sejam de seu interesse.

Palavras-chave


Idoso; Gestão em Saúde; Políticas Públicas.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico de 2010 [acesso em 2014 Mar 6]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/ estatistica/populacao/censo2010/

Veras R. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações. Rev Saúde Pública. 2009;43(3):548-54.

Veras R. Modelos contemporâneos no cuidado à saúde. Rev USP. 2001;51:72-85.

Batista AS, Jaccoun LB, Aquino L, El-Moor PD. Envelhecimento e dependência: desafios para a organização da proteção social [Internet]. Brasília: Ministério da Previdência Social; 2008. (Coleção Previdência Social, nº 28 [acesso em 2014 Mar 6] Disponível em: http://www.previdencia.gov.br/ arquivos/office/3_081208-173354-810.pdf

Brasil. Política Nacional do Idoso: Lei nº. 8842 de janeiro de 1994 [acesso em 2014 Mar 6]. Disponível em: http://www.mds.gov.br/assistenciasocial/secretarianacional- de-assistencia-social-snas/cadernos/politicanacional-do-idoso/politica nacional-do-idoso

Brasil. Lei nº. 10.741, de 1º de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 3 out. 2003. Seção 1,p. 1.

Martins MS, Massarollo MCKB. Mudanças na assistência ao idoso após promulgação do Estatuto do Idoso segundo profissionais de hospital geriátrico. Ver Esc Enferm USP. 2008;42(1):26-33.

Rezende M, Moreira MR, Amâncio Filho A, Tavares MFL. A equipe multiprofissional da ‘Saúde da Família’: uma reflexão sobre o papel do fisioterapeuta. Ciênc Saúde Coletiva. 2009;14(Supl 1):1403-10.

Aveiro MC, Aciole GG, Driusso P, Oishi J. Perspectivas da participação do fisioterapeuta no Programa Saúde da Família na atenção à saúde do idoso. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(1):1467-78.

Augusto VG, Aquino CF, Machado NC, Cardoso VA, Ribeiro S. Promoção de saúde em unidades básicas: análise das representações sociais dos usuários sobre a atuação da fisioterapia. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(1):957-63.

Brasil. Portaria nº. 2.446, de 11 de novembro de 2014. Redefine a Política Nacional de Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70;2011.

Medeiros CRG. Redes de atenção em saúde: o dilema dos pequenos municípios [tese]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2013.

Motta LB, Aguiar AC, Caldas CP. Estratégia Saúde da Família e a atenção ao idoso: experiência em três municípios brasileiros. Cad Saúde Pública. 2011;27(4):779-86.

Pinheiro FP Filho, Sarti FM. Falhas de mercado e redes em políticas públicas: desafios e possibilidades ao Sistema Único de Saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(11):2981-90.

Scherer MDA, Pires D, Schwartz Y. Trabalho coletivo: um desafio para a gestão em saúde. Rev Saúde Pública. 2009;43(4):721-5.

Pilger C, Menon HM, Mathias TAF. Características sociodemográficas e de saúde de idosos: contribuições para os serviços de saúde.Rev Latinoam Enferm.2011;19(5):1-8.

Almeida STG, Souza MAM, Rodrigues JA, Silva DCO, Nogueira JA, Moreira MAP. Atenção à pessoa idosa: fatores que influenciam o desempenho dos profissionais de saúde na atenção básica. Rev Pesqui Cuid Fundam (Online). 2015;7(Supl):126-35.

Rosset I, Roriz-Cruz M, Santos JLF, Hass VJ, Fabrício-Wehbe SCC, Rodrigues RAP. Diferenciais socioeconômicos e de saúde entre duas comunidades de idosos longevos. Rev Saúde Pública.2011;45(2):391-400.

Rosset I, Pedrazzi EC, Roriz-Cruz M, Morais EP, Rodrigues RAP. Tendências dos estudos com idosos mais velhos na comunidade: uma revisão sistemática (inter)nacional. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(1):264-71.

Mantovani EP, Lucca SR, Neri AL. Associações entre significados de velhice e bem-estar subjetivo indicado por satisfação em idosos. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2016;19(2):203-22.

Hinh ND, Minh HV. Public health in Vietnam: scientific evidence for policy changes and interventions. Glob Health Action. 2013;6:20443.

Arango DC, Cardona AMS. Políticas de salud pública aplicadas al adulto mayor en Colombia. Rev Esp Geriatr Gerontol. 2011;46(2):96-9.

Martins AB, D’Avila OP, Hilgert JB, Hugo FN. Atenção Primária a Saúde voltada as necessidades dos idosos: da teoria a prática. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(8):3403-16.

Silva LAA, Ferraz F, Lino MM, Backes VMS, Schmidt SMS. Educação permanente em saúde e no trabalho de enfermagem: perspectiva de uma práxis transformadora. Rev Gaúch Enferm. 2010;31(3):557-61.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2016.p496

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia