Estresse ocupacional no trabalho em enfermagem no Brasil: uma revisão integrativa

Iel Marciano de Moraes Filho, Rogério José de Almeida

Resumo


Objetivo: Descrever os fatores desencadeantes do estresse ocupacional em profissionais da enfermagem, bem como os riscos relacionados com o desenvolvimento desse estresse. Métodos: Constitui uma revisão integrativa da literatura científica sobre fatores desencadeantes do estresse ocupacional em profissionais da enfermagem e quais patologias estão associadas. Resultados: O método de análise da revisão integrativa baseou-se na categorização das informações coletadas na amostra final dos artigos. Assim, foram interpretados e agrupados em três categorias para compreensão do fenômeno: 1) Sinais, sintomas e patologias associadas ao estresse ocupacional; 2) Relação do estresse ocupacional com a síndrome de burnout; 3) Risco de estresse ocupacional e área de atuação em enfermagem. Conclusão: O profissional de enfermagem está cada vez mais predisposto ao adoecimento ocupacional motivado por estresse no ambiente de trabalho. Se por um lado, a população necessita dos enfermeiros, por outro, os trabalhadores da enfermagem também precisam de condições organizacionais favoráveis para desenvolver o seu papel que é suma importância para todos que vivem em sociedade.

Palavras-chave


Enfermagem; Estresse; Brasil.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Brasil. Lei nº 8080/90. Dispõe sobre as condições para promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o financiamento dos serviços correspondentes dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde; 1990.

Brasil. Portaria nº 1823/12. Institui a Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Conselho Federal de Enfermagem (BR). Resolução Cofen 311/2007. Aprova a reformulação do Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem. Rio de Janeiro: Cofen; 2007.

Ribeiro RP, Martins JT, Marziale MHP, Robazzi MLCC. O adoecer pelo trabalho na enfermagem: uma revisão integrativa. Rev Esc Enferm USP. 2012;46(2):495-504.

Dalri RCMB, Robazzi MLCC, Silva LA. Riscos

ocupacionais e alterações de saúde entre trabalhadores de enfermagem brasileiros de unidades de urgência e emergência. Cienc Enferm. 2010;16(2):69-81.

Kurebayashi LFS, Gnatta JR, Borges TP, Belisse G, Coca S, Minami A, et al. Aplicabilidade da auriculoterapia com agulhas ou sementes para diminuição de estresse em profissionais de enfermagem. Rev Esc Enferm USP. 2012;46(1):89-95.

Feitas AR, Carneseca EC, Paiva CE, Paiva BSR. Impacto de um programa de atividade física sobre a ansiedade, depressão, estresse ocupacional e síndrome de Burnout dos profissionais de enfermagem no trabalho. Rev Latinoam Enferm. 2014;22(2):332-6.

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & Contexto Enferm. 2008;17(4):758-64.

Silva JLL, Soares RS, Costa FS, Ramos DS, Lima FB, Teixeira LR. Fatores psicossociais e prevalência da síndrome de burnout entre trabalhadores de enfermagem intensivistas. Rev Bras Ter Intensiva. 2015;27(2):125-33.

Zavalis A, Vianna LAM, Velasque LS, Schutz V, Machado DA. A influência dos fatores estressores sobre os níveis de atenção de profissionais de enfermagem.Rev Pesqui Cuid Fundam (Online). 2015;7(4):3375-87.

Dalmolin GL, Lunardi VL, Lunardi GL, Barlem ELD, Silveira RS. Sofrimento moral e síndrome de Burnout: existem relações entre esses fenômenos nos trabalhadores de enfermagem? Rev Latinoam Enferm. 2014;22(1):35-42.

Oliveira EB, Araújo PMB, Maia MPQ, Cabral JL, Brito DM, Figueredo EP. Estresse ocupacional e consumo de ansiolíticos por trabalhadores de enfermagem. Ver Enferm UERJ. 2014,22(5):615-21.

Ramos EL, Souza NVDO, Gonçalves FGA, Pires AS, Santos DM. Qualidade de vida no trabalho: repercussões para a saúde do trabalhador de enfermagem de terapia intensiva. Rev Pesqui Cuid Fundam (Online). 2014;6(2):571-83.

Prochnow A, Magnago TSBS, Urbanetto JS, Beck CLC, Lima SBS, Greco PBT. Capacidade para o trabalho na enfermagem: relação com demandas psicológicas e controle sobre o trabalho. Rev. Latinoam Enferm. 2013;21(6):1298-305.

Oliveira EB, Fabri JMG, Paula GS, Souza SRC, Silveira WC, Matos GS. Padrões de uso de álcool por trabalhadores de enfermagem e associação com trabalho. Rev Enferm UERJ. 2013;21(Esp 2):729-35.

Oliveira EB, Silva AV, Perez EF Júnior, Costa HF, Nascimento LP, Souza LAM. Fatores de risco psicossocial em terapia intensiva neonatal: repercussões para a saúde do enfermeiro. Rev Enferm UERJ. 2013;21(4):490-5.

Oliveira JDS, Achieri JC, Pessoa JM Júnior, Miranda FAN, Almeida MG. Representações sociais de enfermeiros acerca do estresse laboral em um serviço de urgência. Rev Esc Enferm USP. 2013;47(4):984-9.

Inoue KC, Versa GLGS, Murassaki ACY, Melo WA, Matsuda LM. Estresse ocupacional em enfermeiros intensivistas que prestam cuidados diretos ao paciente crítico. Rev Bras Enferm. 2013;66(5):722-9.

Lima MB, Silva LMS, Almeida FCM, Torres RAM, Dourado HHM. Agentes estressores em trabalhadores de enfermagem com dupla ou mais jornada de trabalho. Rev Pesqui Cuid Fundam (Online). 2013;5(1):3259-66.

Fernandes MA, Sousa FK, Santos JS, Rodrigues JA, Marziale MHP. Síndrome de Burnout em profissionais de enfermagem do serviço de atendimento móvel de urgência. Rev Pesqui Cuid Fundam (Online).2012;4(4):3125-35.

Maia EC, Miranda MDC, Caetano JÁ, Carvalho ZMF, Santos MCL, Caldini LN. Avaliação do nível de estresse de equipe de enfermagem de serviço de atendimento móvel de urgência. Rev Pesqui Cuid Fundam (Online). 2012;4(4):3060-8.

Farias SMC, Teixeira OLC, Moreira W, Oliveira MAF, Pereira MO. Caracterização dos sintomas físicos de estresse na equipe de pronto atendimento. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(3):722-9.

Mininel VA, Baptista PCP, Felli VEA. Cargas psíquicas e processos de desgaste em trabalhadores de enfermagem de hospitais universitários brasileiros. Rev Latinoam Enferm. 2011;19(2):340-7.

Griep RH, Rotenberg L, Landsbergis P, Vasconcellos-Silva PR. Uso combinado de modelos de estresse no trabalho e a saúde auto-referida na enfermagem. Rev Saúde Pública. 2011;45(1):145-52.

Silva AA, Rotengerg L, Fischer FM. Jornadas de trabalho na enfermagem: entre necessidades individuais e condições de trabalho. Rev Saúde Pública. 2011;45(6):1117-26.

Linch GFC, Guido LA. Estresse de enfermeiros em unidade de hemodinâmica no Rio Grande do Sul, Brasil. Rev Gaúcha Enferm. 2011;32(1):63-71.

Rocha MCP, Martino MMF. O estresse e qualidade de sono do enfermeiro nos diferentes turnos hospitalares. Rev Esc Enferm. USP. 2010;44(2):280-6.

Secco IAO, Robazzi MLCC, Souza FEA, Shimizu DS. Cargas psíquicas de trabalho e desgaste dos trabalhadores de enfermagem de hospital de ensino do Paraná, Brasil. SMAD Rev Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog. 2010;6(1):1-17.

Feliciano KVO, Kovacs MH, Sarinho SW. Superposição de atribuições e autonomia técnica entre enfermeiras da Estratégia Saúde da Família. Rev Saúde Pública.2010;44(3):520-7.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2016.p447

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia