Atenção integral à saúde do homem: um desafio na atenção básica

Liana Maria Rocha Carneiro, Mayara Paz Albino dos Santos, Raimunda Hermelinda Maia Macena, Thiago Brasileiro de Vasconcelos

Resumo


Objetivo: Compreender a percepção dos profissionais de saúde sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH). Métodos: Trata-se de um estudo qualitativo e descritivo, realizado com 11 profissionais da Unidade Básica de Saúde, entre fevereiro e abril de 2015, no Município de Quixadá/CE. A amostra foi escolhida aleatoriamente até que houvesse a saturação teórica. A partir da temática, indagou-se algumas questões norteadoras sobre definição, objetivos, princípios, diretrizes, ações, dificuldade e potencialidade da implementação da PNAISH. A análise dos dados foi baseada na técnica do Discurso do Sujeito Coletivo. Resultados: Ficou evidenciado que os profissionais entrevistados não conhecem a PNAISH e poucos compreendem a sua importância para o acompanhamento integral do homem. Há várias dificuldades para a implementação da PNAISH, tais como a deficiência de recursos materiais e humanos, e ainda a falta de interesse do próprio homem em cuidar da sua saúde. Conclusão: Ficou evidenciado que grande parte dos profissionais entrevistados não conhecem a PNAISH e poucos compreendem a sua importância para o acompanhamento integral do homem. O cuidado do homem é um processo dinâmico e complexo, tendo a PNAISH fundamental importância para o acolhimento da população masculina nos serviços de saúde, porém urge ressaltar que a referida política deve ter uma maior divulgação voltada aos profissionais da saúde.

Palavras-chave


Centros de Saúde; Políticas Públicas de Saúde; Atenção Primária à Saúde; Saúde do Homem.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Silva DRG, Vasconcelos TB, Vidal MPB. Olhe para mim, escute-me: necessidades em saúde de homens. Rev Baiana Saúde Pública. 2013;37(4):835-51.

Burille A, Gerhardt TE. Doenças crônicas, problemas crônicos: encontros e desencontros com os serviços de saúde em itinerários terapêuticos de homens rurais. Saúde Soc. 2014;23(2):664-76.

Dutra DG, Faria MJG, Carneiro SS, Rodrigues MAR. Saúde do homem: uma visão sociocultural sobre a Política Nacional de Atenção Integral a Saúde do Homem. In: III Seminário de Pesquisas e TCC da Faculdade União de Goyazes; 2012. Trindade: FUG;2012.

Silva PAS, Furtado MS, Guilhon AB, Souza NVDO, David HMSL. A saúde do homem na visão dos enfermeiros de uma unidade básica de saúde. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2012; 16(3):561-8.

Ramalho MNA, Albuquerque AM, Maia JKF, Pinto MB, Santos NCCB. Dificuldades na implantação da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Ciênc Cuid Saúde. 2014;13(4):642-9.

Faria MA, Paula DMP, Martins AM, Miranda JJ, Neves-Silva P, Rodrigues T, et al. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem: percepções de gestores de unidades básicas de saúde de Belo Horizonte-MG. Espaç Saúde. 2015;16(3):5-13.

Leal AF, Figueiredo WS, Silva GSN. O percurso da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde dos Homens (PNAISH), desde a sua formulação até sua implementação nos serviços públicos locais de atenção à saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(10):2607-16.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política nacional de atenção integral à saúde do homem: princípios e diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Separavich MA, Canesqui AM. Saúde do homem e masculinidades na Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem: uma revisão bibliográfica. Saúde Soc. 2013;22(2):415-28.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8ª ed. São Paulo: Editora Hucitec/ Rio de Janeiro: ABRASCO; 2004.

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad Saúde Pública. 2008;24(1):17-27.

Leopardi MT, Beck CLC, Nietsche EA, Gonzales RMB. Metodologia da pesquisa na saúde. Santa Maria: Pallotti; 2001.

Lefèvre F, Lefèvre AMC. Discurso do sujeito coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa (desdobramentos). 2ª ed. Caxias do Sul: Educs; 2005.

Cavalcanti YW, Padilha WWN, Paulino MR, Moreira MSC. Motivações, práticas e percepções de cirurgiõesdentistas sobre o trabalho na Atenção Básica de João Pessoa - PB. RFO UPF. 2010;15(3):228-32.

Schraiber LB, Gomes R, Couto MT. Homens e saúde na pauta da Saúde Coletiva. Ciênc Saúde Coletiva.2005;10(1):7-17.

Figueiredo WS. Assistência à saúde dos homens: um desafio para os serviços de atenção primária. Ciênc Saúde Coletiva. 2005;10(1):105-9.

Carrara S, Russo JA, Faro L. A política de atenção à saúde do homem no Brasil: os paradoxos da medicalização do corpo masculino. Physis (Rio J). 2009;19(3):659-78.

Santos SMP, Medeiros TFR, Sousa FLP, Santos LV, Mariz SR, Xavier AG. Professional practices in reproductive planning at the family health strategy. Rev Enferm. UFPE Online. 2015;9(Suppl 7):9046-52.

Teixeira DC, Brambilla DK, Adamy EK, Krauzer IM. Concepções de enfermeiros sobre a política nacional de atenção integral à saúde do homem. Trab Educ Saúde. 2014;12(3):563-76.

Mendonça VS, Andrade NA. A Política Nacional de Saúde do homem: necessidade ou ilusão? Rev Psicol Polít. 2010;10(20):215-26.

Moreira MCN, Gomes R, Ribeiro CR. E agora o homem vem?! Estratégias de atenção à saúde dos homens. Cad Saúde Pública. 2016;32(4):e00060015.

Gomes R. Sexualidade masculina e saúde do homem: proposta para uma discussão. Ciênc Saúde Coletiva. 2003;8(3):825-9.

Martins AM, Malamut BS. Análise do discurso da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Saúde Soc. 2013;22(2):429-40.

Schwarz E. Reflexões sobre gênero e a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(10):2579-88.

Francischini AC, Moura SDRP, Chinellato, M. A importância do trabalho em equipe no programa saúde da família. Investigação. 2008;8(1-3):25-32.

Souza ECF, Vilar RLA, Rocha NSPD, Uchoa AC, Rocha PM. Acesso e acolhimento na atenção básica: uma análise da percepção dos usuários e profissionais de saúde. Cad Saúde Pública. 2008;24(Supl 1):S100-10.

Pinafo E, Nunes EFPA, González AD, Garanhani ML. Relações entre concepções e práticas de educação em saúde na visão de uma equipe de saúde da família. Trab Educ Saúde. 2011;9(2):201-21.

Knauth DR, Couto MT, Figueiredo WS. A visão dos profissionais sobre a presença e as demandas dos homens nos serviços de saúde: perspectivas para a análise da implantação da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(10):2617-26.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2016.p554

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia