Prevalêcia de incontinência urinária e fatores associados em mulheres no climatério em uma unidade de atenção primária à saúde

Ticiana Mesquita de Oliveira, Flávia Muniz Lelis Valdez, Karla Erica dos Santos Lima, Milena Sampaio Magalhães, Ana Paula Vasconcellos Abdon, Ilana Nogueira Bezerra

Resumo


Objetivo: Estimar a prevalência de incontinência urinária (IU) em mulheres no climatério e investigar os fatores associados. Métodos: Trata-se de um estudo quantitativo, do tipo transversal e analítico com 233 mulheres no climatério, na faixa etária de 40 a 65 anos, atendidas em uma Unidade de Atenção Primária a Saúde (UAPS), desenvolvido no período de dezembro de 2014 a junho de 2015. Coletaram-se os dados sociodemográficos, comorbidades, clínicos (obstétricos e ginecológicos) e perfil urinário. Utilizou-se o programa SPSS 19.0 e o teste de qui-quadrado para analisar associação entre as variáveis. Adotou-se nível de significância de 5%. Resultados: A queixa de IU esteve presente em 41,2% (n=96) das mulheres. Verificou-se maior prevalência na faixa etária de 40-45 anos com 36,5% (n=35) (p=0,05), cor parda com 21,9% (n=21) (p=0,002) e escolaridade baixa (até 1º ciclo fundamental completo) com 39,6% (n=38) (p=0,627). Quanto à comorbidades autorreferidas, 38,5% (n=37) das mulheres incontinentes apresentaram hipertensão arterial sistêmica (p=0,9’6), 17,7% (n=17) diabetes (p=0,982) e 28,1% (n=27) constipação intestinal (p=0,101). Sobre as características clínicas, 41,7% (n=35) tiveram apenas partos do tipo vaginal (p=0,087) e 53,1% (n=51) estavam na menopausa (p=0,113). Verificou-se a IU de esforço em 85,4% (n=82) das mulheres. Conclusão: Encontrou-se elevada prevalência de incontinência urinária em mulheres climatéricas, destacando maior ocorrência nas mais jovens e de cor parda.

Palavras-chave


Incontinência Urinária; Prevalência; Climatério.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Maron L, Leal A, Bandeira D, Macedo PS, Garcia SS, Silva EB. A assistência às mulheres no climatério: um estudo bibliográfico. Revista Contexto & Saúde. 2011;10(20):545-50.

Mishra GD, Cardozo L, Kuh D. Menopausal transition and the risk of urinary incontinence: results from a British propective cohort. BJU Int. 2010;106(8):1170-5.

Thyssen HH, Clevin L, Olesen S, Lose G. Urinary incontinence in elite female athletes and dancers. Int Urogynecol J Pelvic Floor Dysfunct. 2002;13(1):15-7.

Torrealba FCM, Oliveira LDR. Incontinência urinária na população feminina de idosas. Ensaios e Ciência. 2010;14(1):159-175.

Haylen BT, Ridder D, Freeman RM, Swift SE, Berghmans B, Lee J, et al. An International Urogynecological Association (IUGA)/International Continence Society (ICS) joint report on the terminology for female pelvic floor dysfunction. Int Urogynecol J Pelvic Floor Dysfunct. 2010;21(1):5-26.

Kruger AP, Luz SCT, Virtuoso JF. Home exercises for pelvic floor in continente womem one year after physical therapy treatment for urinary incontinence: an observational study. Braz J Phys Ther. 2011;15(5):351-6.

Higa R, Lopes MHBM, Reis MJ. Fatores de risco para incontinência urinária na mulher. Rev Esc Enferm USP. 2008;1(42):187-92.

Imamura M, Abrams P, Bain C, Buckley B, Cardozo L, Cody, et al. Systematic review and economic modelling of the effectiveness and cost-effectiveness of non-surgical treatments for women with stress urinary incontinence. Health Technol Assess. 2010;14(40):1-118.

Sievert KD, Amend B, Toomey PA, Robinson D, Milsom I, Koelbl H, et al. Can we prevent incontinence? ICI-RS 2011. Neurourol Urodyn. 2012;31(3):390-9.

Sacomori C, Negri NB, Cardoso FL. Incontinência urinária em mulheres que buscam exame preventivo de câncer de colo uterino: fatores sociodemográficos e comportamentais. Cad Saúde Pública. 2013;29(6):1251-9.

Tamanini JTN, Dambros M, D’Ancona CAL, Palma PCR, Netto Jr NR. Validação para o português do “International Consultation on Incontinence Questionnaire – Short Form” (ISIQ-SF). Rev Saúde Pública. 2004;38(3):438-44.

Oliveira E, Takano CC, Sartori JP, Araújo MP, Pimentel SHC, Sartori MGF, et al. Trato urinário, assoalho pélvico e ciclo gravídico-puerperal. Femina. 2007;35(2):89-94.

Figueiredo EM, Lara JO, Cruz MC, Quintão DMG, Monteiro MVC. Perfil sociodemográfico e clínico de usuárias de Serviço de Fisioterapia Uroginecológica da rede pública. Rev Bras Fisioter.2008;12(2):136-42.

Berlezi EM, Dal Bem A, Antonello C, Leite MT, Bertolo EM. Incontinência urinária em mulheres no período pós-menopausa: um problema de saúde pública. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2009;12(2):159-73.

Leroy LS, Lopes MHBM, Shimo AKK. A incontinência urinária em mulheres e os aspectos raciais: uma revisão de literatura. Texto & Contexto Enferm. 2012;21(3):692-701.

Fenner DE, Trowbridge ER, Patel DL, Fultz NH, Miller JM, Howard D, et al. Establishing the prevalence of incontinence study: racial differences in women´s patterns of urinary incontinences. J Urol. 2008;179(4):1455-60.

Jardim ADI, Mazzo A, Girão FB, Sonobe HM, Souza MC. Hipertensão arterial e incontinência urinária no idoso: revisão integrativa da literatura. Rev Cuid. 2011;5(1):38-43.

Cavalcante KVM, Silva MIGC, Bernardo ASF, Souza DE, Lima TCGC, Magalhães AG. Prevalência e fatores associados à incontinência urinária em mulheres idosas. Rev Bras Promoç Saúde. 2014;27(2):216-23.

Danforth KN, Townsend MK, Curhan GC, Resnick NM, Grodstein F. Type 2 diabetes mellitus and risk of stress, urge, and mixed urinary incontinence. J Urol. 2009;181(1):193-7.

Oliveira E, Zuliani LMM, Ishicava J, Silva SV, Albuquerque SSR, Souza AMB, et al. Avaliação dos fatores relacionados à ocorrência da incontinência urinária feminina. Rev Assoc Med Bras. 2010;56(6):688-90.

Locks MOH. Incontinência urinária na mulher idosa hospitalizada: desafios para assistência de enfermagem [tese]. Santa Catarina: Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem; 2013.

Gomes GV, Silva GD. Incontinência urinária de esforça em mulheres pertencentes ao Programa de Saúde da Família de Dourados-MS. Rev Assoc Med Bras. 2010;56(6):649-54.

Lee AH, Hirayama F. Alcohol consumption and female urinary incontinence; a community-based study in Japan. Int J Urol. 2012;19(2):143-8.




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2015.p606

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia