A autonomia no âmbito da política nacional de promoção de saúde

Anna da Karynne da Silva Melo, Luiza Maria Silva de Freitas, Adolfo Jesiel Siebra, Silvia Fernandes do Vale

Resumo


Objetivo: Discutir a concepção de autonomia circunscrita pelas políticas públicas de saúde no contexto brasileiro, privilegiando como cenário de análise a Política Nacional de Promoção de Saúde. Métodos: Pesquisa exploratória, realizada em maio de 2015, com análise documental dos textos oficiais articulados a literatura sobre o tema para problematizar os resultados encontrados. Resultados: A noção de autonomia é entendida como um aspecto inerente ao homem, adquirindo uma posição cognoscível no interior das políticas públicas. Isso indica que, atualmente, as práticas em saúde inspiradas por essa compreensão estão sendo pautadas por uma perspectiva reflexiva. Com a pesquisa na literatura foi possível ampliar essa concepção de autonomia, demonstrando que qualquer normatividade está encarnada e origina-se a partir do mundo. Conclusão: Entende-se que, com a ampliação do conceito, promove-se uma ruptura com as práticas vigentes, levando a pensar na possibilidade e, porque não dizer, na necessidade de um redimensionamento, no qual a vida e toda a sua especificidade se tornem tão importantes quanto as categorias do entendimento dela derivadas.

Palavras-chave


Autonomia; Políticas Públicas de Saúde; Promoção da Saúde.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Silva CMC, Meneghim MC, Pereira AC, Mialhe FL. Educação em saúde: uma reflexão histórica de suas práticas. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(5):2539-50.

Teixeira ACB. Saúde, corpo e autonomia privada. Rio de Janeiro: Renovar; 2010.

Ministério da Saúde (BR). Para entender o controle social na saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Cipriano J. A crise do modelo biomédico e a resposta da promoção da saúde. Rev Port Saúde Pública. 2010;28(2):117-8.

Gottlieb MGV, Morassutti AL, Cruz IBM. Transição epidemiológica, estresse oxidativo e doenças crônicas não transmissíveis sob uma perspectiva evolutiva. Sci Med. 2011;21(2):69-80.

Santos NR. Política pública de saúde no Brasil: encruzilhada, buscas e escolhas de rumos. Ciênc Saúde Coletiva. 2008; 13(Supl 2):2009-18.

Fadel CB, Schneider L, Moimaz SAS, Saliba NA. Administração Pública: o pacto pela saúde como uma nova estratégia de racionalização das ações e serviços em saúde no Brasil. Rev Adm Pública. 2009;43(2):445-56.

Conselho Nacional de Secretários de Saúde (BR). Sistema Único de Saúde. Brasília: CONASS; 2011. 9. Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2006 [acesso em 2015 Maio 20]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal /arquivos/pdf/Politica_nacional_%20saude_nv.pdf

Melo LP. Análise biopolítica do discurso oficial sobre educação em saúde para pacientes diabéticos no Brasil. Saúde Soc. 2013;22(4):1216-25

Santim G, Hillesheim B. Biopolítica e governamentalidade: repensando a política nacional de educação permanente em saúde. In: XVII SIEduca: Seminário Internacional de Educação, 2012, Cachoeira do Sul. UNISC – Universidade Santa Cruz do sul; 2012 [acesso em 2015 Maio 20]. Disponível em: http:// unisc.br/images/upload/com_arquivo/biopolaitica_e_governamentalidade_repensando_a_polaitica_nacional_de_educaacaao_permanente_em_saaude_1.pdf

Heinen IVS. O sujeito autônomo reverberando no homem do presente. Rev. Seara Filosófica. 2014;(9):237-47.

Furtado M, Szapiro A. Promoção da saúde e seu alcance biopolítico: o discurso sanitário da sociedade contemporânea. Saúde Soc. 2012;21(4):2012:811-21.

Gil AC. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª ed. São Paulo: Atlas; 2008.

Sá-Silva JR, Almeida CD, Guindani JF. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Rev Bras História Ciências Sociais. 2009;1(1):1-15.

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Promoção da Saúde (documento para discussão).Brasília: Ministério da Saúde; 2002 [acesso em 2015 Maio 20]. Disponível em:http://dtr2001.saude.gov.br/editora/produtos/livr os/gene ro/s00b.htm

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde: PNPS: revisão da Portaria MS/GM nº. 687, de 30 de março de 2006. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Conselho Nacional de Secretários de Saúde (BR). Lei 8.080, de 19 de setembro de 1990: legislação estruturante do SUS. Brasília: CONASS; 2011.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde. Glossário temático: promoção da saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Ludke M, André MEDA. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: E.P.U.; 1986.

Moreira SV. Análise documental como método e como técnica. In: Duarte J, Barros A, organizadores. Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. São Paulo: Atlas; 2005. p. 269-79.

Onocko C, Campos GWS. Co-construção da autonomia: o sujeito em questão. In: Campos GWS, Carvalho YM, Minayo MCS, Drumond M Júnior, Akerman M. Tratado de saúde coletiva. São Paulo: HUCITEC; Ed. Fiocruz; 2006. p. 660-88.

Rodrigues MMA. Políticas Públicas. São Paulo: Publifolha; 2010.

Furtado MA. Promoção da saúde e seu alcance biopolítico: a ênfase no discurso da autonomia [dissertação]. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2010.

Carvalho SR. Saúde coletiva e promoção de saúde: sujeito e mudança. 2ª ed. São Paulo: Hucitec; 2007.

Sá LV, Oliveira RA. Autonomia: uma abordagem interdisciplinar. Rev Saúde Ética & Justiça. 2007;12(1/2):5-14.

Drummond JP. Bioética, dor e sofrimento. Ciênc Cult. 2011;63(2):32-7.

Bub MBC. Ética e prática profissional em saúde. Texto & Contexto Enferm. 2005;14(1):65-74.

Marçal VM, Almeida JE Junior. Sujeito de direito: personalidade e capacidade perante a sociedade. ETIC [Internet]. 2010 [acesso em 2015 Maio 20];5(5):21-76. Disponível em: http://intertemas.toledoprudente.edu.br/revista/index.php/ETIC/article/viewArticle/2059

Freire P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 2016.

Kant I. Idea de una historia universal desde el punto de vista cosmopolita. In: Kant I. Filosofía de la Historia. Estiú E, organizador e tradutor. Buenos Aires: Editorial Nova; 1964. p. 41.

Flickinger HG. Autonomia e reconhecimento: dois conceitos-chaves na formação. Educação (Porto Alegre). 2011;34(1):7-12.

Zatti V. Autonomia e educação em Immanuel Kant e Paulo Freire. Porto Alegre: EDIPUCRS; 2007.

Nunes MAO. Autonomia como pressuposto ético para a educação: uma leitura de Paulo Freire [dissertação]. Londrina: Universidade Estadual de Londrina; 2011.

Freire P. Pedagogia do oprimido. 35ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 2003.

Mantovani HJ. Hegel e Paulo Freire: uma pedagogia crítico-dialética. Existência Arte [Internet]. 2011 [acesso em 2015 Maio 20];7(6):42-56. Disponível em: http://www.ufsj.edu.br/portal2-repositorio/File/existenciaearte/Edicoes/6_Edicao/Hegel_e_Paulo_Freire_Uma_pedagogia_critico_dialetica.pdf

Gadotti M. Tempo de colheita. In: Brutscher VJ. Educação e conhecimento e Paulo Freire. Passo Fundo:IFIBE; Instituto Paulo Freire; 2005.

Marx K. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Abril Cultural; 1983. v. I, t. I.

Scocuglia AC. Origens e prospectiva do pensamento político-pedagógico de Paulo Freire. Educ Pesqui. 1999;25(2):25-37.

Freitas LAA, Freitas ALC. Freire e Marx, os caminhos da dialética: ação e reflexão para transformação. Rio Grande: FURG; 2013 [acesso em 2015 Maio 20]. Disponível em:http://repositorio.furg.br/bitstream/handle/1/4762/Freire%20e%20Marx%20os%20caminhos%20da%20dial%C3%A9tica%20A%C3%A7%C3%A3o%20 e % 2 0 r e f l e x % C 3 % A 3 o % 2 0 p a r a % 2 0 transforma%C3%A7%C3%A3o.pdf?sequence=1

Mansano SRV. Sujeito, subjetividade e modos de subjetivação na contemporaneidade. Rev Psicol UNESP. 2009;8(2):110-7.

Gaudenzi P, Ortega, F. O estatuto da medicalização e as interpretações de Ivan Illich e Michel Foucault como ferramentas conceituais para o estudo da desmedicalização. Interface Comun Saúde Educ. 2012,16(40):21-34.

Ortega F. Práticas de ascese corporal e constituição de bioidentidades. Cad Saúde Colet. (Rio J).2003,11(1):59-77.

Figueiredo LCM. Revisitando as psicologias: da epistemologia à ética nas práticas e discursos psicológicos. Petrópolis: Vozes; 2011.

Figueiredo LCM. Matrizes do pensamento psicológico. Petrópolis: Vozes; 2012.

Safatle V. Há situações em que é imoral pensar? O duplo fundamento insuficiente do ato moral. In: Novaes A, organizador. Mutações: a experiência do pensamento. São Paulo: Edições SESC SP; 2010. p. 133-56.

Martins F. O que é phatos? Rev Latinoam Psicopatol Fundam. 1999,2(4):62-80.

Pastore JAD. É possível uma existência sem excesso? Ide (São Paulo). 2013;35(55):43-58.

Müller MJ. Merleau-Ponty: acerca da expressão. Porto Alegre: Edipucrs; 2001.

Coelho N Júnior, Carmo PS. Merleau-Ponty: filosofia como corpo e existência. São Paulo: Concisa ; 1992.

Merleau-Ponty M. Le monde sensible et le monde de l’expression: Cours ao collège de France, notes, 1953. Genève: Metispresses; 2011.

Merleau-Ponty M. Fenomenologia da percepção. Trad. Carlo Alberto Ribeiro de Moura. São Paulo: Martins Fontes; 2011.

Santos MEV. Para pensar uma ética: filosofia e criação em Merleau-Ponty [projeto de pós-doutorado]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2014




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2016.p585

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia