Capacidade de manutenção postural em diferentes atividades funcionais de idosos hipertensos e não hipertensos

Jefferson Carlos Araujo Silva, Fuad Ahmad Hazime, Gaussianne Oliveira Campelo, Luan Nascimento da Silva, Mara Dayanne Alves Ribeiro, Sabrynna Brito Oliveira

Resumo


Objetivo: Comparar a capacidade de manutenção postural estática e dinâmica em atividades funcionais entre idosos hipertensos e não hipertensos. Métodos: Participaram deste estudo indivíduos com idade igual ou superior a 60 anos, provenientes de uma Unidade Básica de Saúde (UBS) em um município de pequeno porte no norte do estado do Piauí. A capacidade de manutenção postural foi medida através de três testes. A mobilidade funcional foi ponderada através do teste Timed Up and Go (TUG); o equilíbrio estático, por meio do Teste de Alcance Funcional (TAF); e a força muscular (FM) dos membros inferiores, pelo teste Short Physical Performance Battery (SPPB). Os idosos foram divididos em grupo HAS (hipertensos) e grupo controle (não hipertensos). Os dados foram analisados através do Software Graph Pad Prism, utilizando o teste t student não pareado para identificar diferenças entre os grupos. Resultados: Dos 88 voluntários, 43 pertencem ao grupo de hipertensos e 45 ao grupo controle. Para o TAF, o grupo HAS teve média da mensuração do alcance funcional de 15 (±5,60) centímetros, enquanto o grupo controle teve média de 17 (±5,88) centímetros. No teste SPPB, a média da FM para grupo HAS foi de 17,67 (±6,46) segundos e, para o grupo controle, foi de 17,01 (±3,53) segundos. A média do TUG para o grupo HAS foi 14,03 (±2,95) segundos e, para o grupo controle, foi 12,41 (±3,90) segundos. Houve associação entre grupos HAS e controle para os testes TAF (p=0,03) e SPPB (p=0,02). Conclusão: A hipertensão arterial sistêmica parece interferir na manutenção postural estática em idosos.

Palavras-chave


Hipertensão; Idoso; Equilíbrio Postural.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


World Health Organization. Health of the elderly [acesso em 2014 Jun 20]. Disponível em: http://www.emro.who.int/entity/elderly-health/index.html

Ministério da Saúde (BR). Saúde da pessoa idosa [acesso em 2016 Jan 20]. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/oministerio/principal/secretarias/sas/daet/saude-da-pessoa-idosa

Küchemann BA. Envelhecimento populacional, cuidado e cidadania: velhos dilemas e novos desafios. Soc Estado. 2012;27(1):165-80.

Paula JM, Sawada NO, Nicolussi AC, Andrade CTAE, Andrade V. Qualidade de vida em idosos com mobilidade física prejudicada. Rev Rene. 2013;14(6):1224-31.

Gomes DBC, Bezerra EMA, Silva JCA, Costa TPS, Ribeiro MDA, Campelo GO. Avaliação da qualidade de vida em idosos hipertensos atendidos em clínica de fisioterapia. Sanare (Sobral, Online). 2015 [acesso em 2016 Jan 20];14(1):33-7. Disponível em: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/605

Allendorf DB, Schopf PP, Gonçalves BC, Closs VE, Gottlieb MGV. Idosos praticantes de treinamento resistido apresentam melhor mobilidade do que idosos fisicamente ativos não praticantes. R Bras Ciênc Mov. 2016;24(1):134-44.

Silva EKR, Macêdo LC. Realidade virtual no treinamento do equilíbrio em idosos: um estudo de revisão. Rev Pesquisa Fisioterapia. 2014;4(2):137-43.

Dourado CS, Santos EL, Romero JR, Alcaide AR, Silva AS. Efeitos do exercício resistido sobre a força muscular de idosos: uma revisão de literatura. Rev Inspirar. 2015;7(2):11-5.

Almeida ST, Soldera CLC, Carli GA, Gomes I, Resende TL. Análise de fatores extrínsecos intrínsecos que predispõem a quedas em idosos. Rev Assoc Med Bras. 2012;58(4):427-33.

Costa AGS, Araujo TL, Oliveira ARS, Morais HCC, Silva VM, Lopes MVO. Fatores de risco para quedas em idosos. Rev Rene. 2013;14(4):821-8.

Silva JR, Camargo RCT, Nunes MM, Camargo TT, Faria CRS, Abreu LC. Análise da alteração do equilíbrio, marcha e o risco de quedas em idosos praticantes de um programa de fisioterapia. Rev e-ciência. 2014;2(2):20-3.

Moroz MB, Kluthcovsky ACGC, Schafranski MD. Controle da pressão arterial em idosas hipertensas em uma unidade de saúde da família e fatores associados. Cad Saúde Colet (Rio J). 2016;24(1):111-7.

Steter AM, Coutinho RMC, Fernandes ACP, Costa LFV. Importância da avaliação do equilíbrio e da marcha do idoso. J Health Sci Inst. 2014;32(1):43-7.

Cruz IBM, Barreto DCM, Fronza AB, Jung IVC, Krewer CC, Rocha MIUM, et al. Dinamic balance, lifestyle and emotional states in Young adults. Braz J Otorhinolaryngol. 2010;76(3):392-8.

Silva LOL, Dias CA, Rodrigues SM, Soares MM, Oliveira MA, Machado CJ. Hipertensão arterial sistêmica: representações sociais de idosos sobre a doença e seu tratamento. Cad Saúde Colet (Rio J). 2013;21(2):121-8.

Massa KHC, Guimarães VV, César CLG, Barros MBA, Carandina L, Goldbaum M, et al. Atividade física e hipertensão em idosos no Município de São Paulo. Pelotas/RS. Rev Bras Ativ Fis Saúde. 2012;17(1):7-13.

Macedo C, Gazzola JM, Caovilla HH, Ricci NA, Doná F, Ganança FF. Posturografia em idosos com distúrbios vestibulares e quedas. ABCS Health Sci. 2013;38(1):17-24.

Secretaria Municipal de Saúde de Cocal/Piauí. Informações adquiridas do sistema HIPERDIA do município de Cocal-PI. Cocal; 2014.

Souza LA, Fernandes AB, Patrizzi LJ, Walsh IAP, Shimano SGN. Efeitos de um treino multissensorial supervisionado por seis semanas no equilíbrio e na qualidade de vida de idosos. Medicina (Ribeirão Preto). 2016;49(3):223-31.

Miranda LV, Silva GCB, Meneses YPSF, Cortez ACL, Araújo DG, Gayoso JCA Neto. Efeitos de 9 semanas de treinamento funcional sobre índices de aptidão muscular de idosas. Rev Bras Prescrição Fisiol Exercício. 2016;10(59):386-94.

Pires MCO. Aplicabilidade da Short Physical Performance Battery na avaliação funcional de indivíduos com doença arterial obstrutiva periférica [dissertação]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; 2015.

Gonçalves TV, Pereira JGC, Castro HO, Leite RD, Pires FO. Influência aguda do alongamento prévio no desempenho do teste timed up and go (TUG) em idosas. Rev Bras Prescrição Fisiol Exercício. 2015;9(55):555-61.

Bretan O, Silva JE Júnior, Ribeiro OR, Corrente JE. Risk of falling among elderly persons living in the community: assessment by the timed up and go test. Braz J Otorhinolaryngol. 2013;79(1):18-21.

Silveira J, Scherer F, Deitos A, Bosco SMD. Fatores associados à hipertensão arterial sistêmica e ao estado nutricional de hipertensos inscritos no programa hiperdia. Cad Saúde Colet (Rio J). 2013;21(2):129-34.

Andrade AO, Aguiar MIF, Almeida PC, Chaves ES, Araujo NVSS, Freitas JB Neto. Prevalência da hipertensão arterial e fatores associados em idosos. Rev Bras Promoç Saúde. 2014;27(3):303-11.

Nunes LCSM, Santos CAA, Serra MAAO. Fatores de risco e cuidados de enfermagem ao idoso hipertenso: revisão integrativa. Sanare (Sobral). 2014;13(2):103-9.

Andrade JMO, Rios LR, Teixeira LS, Vieira FS, Mendes DC, Vieira MA, et al. Influência de fatores socioeconômicos na qualidade de vida de idosos hipertensos. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(8):3497-504.

Campos MPS, Vianna LG, Campos AR. Os testes de equilíbrio alcance funcional e “Timed Up and Go” e o risco de quedas em idosos. Rev Kairós. 2013;16(4):125-38.

Kosarger Larser M, Matchkov VV. Hypertension and physical exercise: the role of oxidative stress. Medicina (Kaunas). 2016;52(1):19-27.

Ponte MKC, Cunha FMAM. Nível de atividade física na população idosa e seus benefícios: uma revisão integrativa. Sanare (Sobral). 2013;12(1):71-7.

Nascimento SM, Pinheiro RS. Participação no programa de atividade física de idosos residentes em uma casa gerontológica no Rio de Janeiro. Cad Saúde Colet (Rio J). 2013;21(1):46-52.

Picorelli AMA, Pereira DS, Felício DC, Gomes DA, Dias RC, Pereira LCM. Adesão de idosas a um programa de exercícios domiciliares pós-treinamento ambulatorial. Fisioter Pesqui. 2015;22(3):291-308.

Garcia PA, Dias JMD, Dias RC, Santos P, Zampa CC. Estudo da relação entre função muscular, mobilidade functional e nível de atividade física em idosos comunitários. Rev Bras Fisioter. 2011;15(1):15-22.

Cadore EL, Rodríguez-Mañas L, Sinclair A, Izquierdo M. Effects of diferente exercise interventions on risk of falls, gait ability and balance in physically frail older adults: a systematic review. Rejuvenation Res. 2013;16(2):105-14.

Oliveira PP, Fachin SM, Tozatti J, Ferreira MC, Marinheiro LPF. Análise comparativa do risco de quedas entre pacientes com e sem diabetes mellitus tipo 2. Rev Assoc Med Bras 2012;58(2):234-9

Silva JCA, Silva LN, Gomes DBC, Linhares KP, Couto LC, Moreira AKF. Análise comparativa do risco queda em idosas diabéticas e não diabéticas de Parnaíba-PI. Rev Inspirar. 2013;5(6):11-15

Santos FPV, Borges LL, Menezes RL. Correlação entre três instrumentos de avaliação para risco de queda em idosos. Fisioter Mov. 2013;26(4):883-94.

Ambrose AF, Paul G, Hausdorff JM. Risk factors for falls among older adults: a review of the literature. Maturitas. 2013;75(1):51–61.

Gomes GAO, Cintra FA, Diogo MJD, Neri AL, Guariento ME, Sousa MLR. Comparação entre idosos que sofreram quedas segundo desempenho físico e número de ocorrências. Rev Bras Fisioter. 2009;13(5):430-7.




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2017.p22

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia