Promoção da alimentação saudável entre profissionais de saúde na atenção primária

Sarah Fernanda Barbosa Frois, Luciana Mendonça Dourado, Lucinéia Pinho

Resumo


Objetivo: Relatar a experiência da implantação de ações educativas sobre alimentação saudável entre profissionais de saúde na Estratégia Saúde da Família. Síntese dos dados: Foram aplicadas capacitações in loccu em 50 equipes de Estratégia Saúde da Família, no período de dezembro de 2014 a março de 2015. Houve a participação de profissionais de saúde, como médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, dentistas e agentes comunitários de saúde, participantes do projeto das Unidades Promotoras da Saúde, na cidade de Montes Claros, MG. Foram realizadas 4 oficinas, com duração média de 50 minutos cada. Nas oficinas, foram desenvolvidas atividades dinâmicas sobre hábitos alimentares saudáveis, avaliação antropométrica, índice de massa corporal, consumo alimentar, análise de rótulos dos alimentos e discussão sobre as atividades exercidas visando à motivação e atenção voltada à promoção da saúde da população, incentivando a educação alimentar e nutricional para a formação de hábitos alimentares saudáveis. Conclusão: A experiência de implantação de ações educativas sobre alimentação saudável possibilitou a construção de novos conceitos sobre o tema entre os profissionais de saúde na Estratégia Saúde da Família. Dessa forma, as oficinas em alimentação saudável podem ser uma ferramenta para mudança da realidade de práticas em alimentação e nutrição desses profissionais no seu território de atuação. A capacitação dos profissionais de saúde beneficiará a população ao pontencializar as ações de promoção de saúde e de conscientização para prevenção dos agravos à saúde relacionados à má alimentação na atenção básica.

Palavras-chave


Alimentação; Promoção da Saúde; Hábitos Alimentares.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Ministério da Saúde (BR). Portaria nº. 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional da Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Recine E, Vasconcelos AB. Políticas nacionais e o campo da Alimentação e Nutrição em Saúde Coletiva: cenário atual. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(1):73-9.

Yokota RTC, Vasconcelos TF, Pinheiro ARO, Schmitz BAbS, Coitinho DC, Rodrigues MLCF. Projeto “A escola promovendo hábitos alimentares saudáveis”: comparação de duas estratégias de educação nutricional no Distrito Federal, Brasil. Rev Nutr. 2010;23(1):37-47.

Pimentel VRM, Sousa MF, Hamann EM, Mendonça AVM. Alimentação e nutrição na Estratégia Saúde da Família em cinco municípios brasileiros. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(1):49-58.

Moreira AC. Unidades promotoras de saúde. Manual de implantação. Belo Horizonte: Secretaria do Estado de Saúde de Minas Gerais; 2014.

Silva KL, Sena RR. Poder, autonomia e responsabilização: promoção da saúde em espaços sociais da vida cotidiana. São Paulo: Hucitec; 2010.

Guimarães EMP, Martin SH, Rabelo FCP. Educação Permanente em Saúde: Reflexão e Desafios. Cienc Enferm. 2010;16(2):25-33.

Falkenberg MB, Mendes TPL, Moraes EP, Souza EM. Educação em saúde e educação na saúde: conceitos e implicações para a saúde coletiva. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(3):847-52.

Rodrigues ACS, Vieira GLC, Torres HC. A proposta da educação permanente em saúde na atualização da equipe de saúde em diabetes mellitus. Rev Esc Enferm USP. 2010;44(2):531-7.

Ferreira VA, Magalhães R. Nutrição e promoção da saúde: perspectivas atuais. Cad Saúde Pública. 2007;23(7):1674-81.

Soares DG, Pinheiro MCX, Queiroz DM, Soares DG. Implantação da puericultura e desafios do cuidado na estratégia saúde da família em um município do Estado do Ceará. Rev Bras Promoç Saúde. 2016;29(1):132-8.

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Alimentação e Nutrição. Brasília: Ministério da Saúde;2012.

Ministério da Saúde (BR). Guia alimentar para a população brasileira. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

World Health Organization, Food and Agriculture Organization. Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases: report of a joint WHO/FAO expert consultation. Geneva; 2002.

Bezerra KF, Capuchinho LCFM, Pinho L. Conhecimento e abordagem sobre alimentação saudável por professores do ensino fundamental. DEMETRA. 2015;10:119-31.

Souza SMFC, Lima KC, Alves MSCF. A rotulagem nutricional para escolhas alimentares mais saudáveis: estudo de intervenção, Natal - RN. Vigil Sanit Debate. 2014;2(1):64-8.

Jaime PC, Santos LMP. Transição nutricional e a organização do cuidado em alimentação e nutrição na Atenção Básica em saúde. Divulg Saúde Debate. 2014;51:72-85.

Lindemann IL, Mendoza-Sassi RA. Orientação para alimentação saudável e fatores associados entre usuários da atenção primária à saúde no sul do Brasil. Rev Bras Promoç Saúde. 2016;29(1):34-42.

Silva CP, Carmo AS, Horta PM, Santos LC. Intervenção nutricional pautada na estratégia de oficinas em um serviço de promoção da saúde de Belo Horizonte, Minas Gerais. Rev Nutrição.2013;26(6):647-58.

Juzwiak CR, Castro PM, Batista SHSS. A experiência da Oficina Permanente de Educação Alimentar e em Saúde (OPEAS): formação de profissionais para a promoção da alimentação saudável nas escolas. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(4):1009-18.




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2016.p621

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia