O papel da fé na promoção da saúde em pacientes com esclerose múltipla

Paula Encarnação, Clara Costa Oliveira, Teresa Martins

Resumo


Objetivo: Compreender a percepção que as pessoas com Esclerose Múltipla (EM) têm em relação ao seu sofrimento pessoal e se a fé é um recurso interno que utilizam para diminuir o sofrimento. Métodos: Estudo de abordagem qualitativa, centralizada nos temas sofrimento, fé e sentido de coerência (SOC), a partir de entrevista semiestruturada. Participaram do estudo 15 pacientes com EM pertencentes à uma associação de apoio ao doente com EM (Portugal). As entrevistas decorreram de setembro a outubro de 2015, em local previamente acordado com os entrevistados. Para a categorização dos dados que resultaram das entrevistas, partiu-se de temas estabelecidos a priori. Utilizou-se como fundamentação teórico-metodológica a hermenêutica na análise temática da fala dos participantes. Resultados: No tema sofrimento, as categorias permitem compreender o impacto do sofrimento nos doentes com EM. No tema fé, as categorias permitem compreender que, perante os eventos estressores da EM, as crenças, as práticas espirituais e religiosas podem auxiliar os pacientes a enfrentarem os desafios que se apresentam no seu continuum saúde-doença. No tema sentido de coerência (SOC), as categorias permitem perceber que o SOC nestes pacientes é adquirido quando desenvolvem a capacidade de identificar, mobilizar e utilizar recursos no enfrentamento e alívio do seu sofrimento, sendo a fé um deles. Conclusão: A fé enquanto recurso geral de resistência da pessoa com EM, quando mobilizada para enfrentar a doença, contribui para a aquisição de um SOC que permite ganhos em saúde para estes pacientes, devendo ser um recurso oferecido aos pacientes pelos profissionais de saúde.

Palavras-chave


Esclerose Múltipla; Cura pela Fé; Promoção da Saúde

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Fossion P, Leys C, Kempenaers C, Braun S, Verbanck P, Linkowski P. Disentangling sense of coherence and resilience in case of multiple traumas. J Affect Disord. 2014;160:21-6.

Oliveira CC, Costa A. Viver o estado terminal de um familiar: leitura salutogénica de resultados de um estudo de caso. Saúde Soc. 2012;21(3):698-709.

Costa CCR, Fonteles JL, Praça LR, Andrade ÂC. O adoecimento do portador de esclerose múltipla: percepções e vivências a partir da narrativa de dois casos clínicos. Rev Bras Promoç Saúde. 2005;18(3):117-24.

Encarnação P. Sofrimento e fé em pessoas com esclerose múltipla [tese]. Porto: Universidade do Porto; 2016.

Schmidt, J. Teologia filosófica e diálogo religioso. Síntese Rev Filosofia. 2015;42(134):423-41.

Moreira-Almeida A, Lucchetti G. Panorama das pesquisas em ciência, saúde e espiritualidade. Ciênc Cult (São Paulo). 2016;68(1):54-7.

Cassell EJ. The Nature of healing: the modern practice of medicine. New York: Oxford University Press; 2012.

Wright L. Espiritualidade, sofrimento e doença: idéias para curar. Coimbra: Ariadne Editor; 2005.

Encarnação P, Oliveira CC, Martins T. A generalized resistance resource: faith. A nursing view. Health Promot Int. 2015:1-4.

Benito E, Barbero J, Dones M. Espiritualidade en clínica: una propuesta de evaluación y acompañamiento espiritual en cuidados paliativos. Madrid: Sociedad Española de Cuidados Paliativos (SECPAL); 2014.

Benito E, Oliver A, Galiana L, Barreto P, Pascual A, Gomis C, et al. Development and validation of a new tool for the assessment and spiritual care of palliative care patients. J Pain Symptom Manage. 2014;47(6):1008-18.

Garssen B, Uwland-Sikkema NF, Visser A. How spirituality helps cancer patients with the adjustment to their disease. J Relig Health. 2015;54(4):1249-65.

Cres MR, Abdala GA, Meira MDD, Teixeira CA, Ninahuaman MFM, Moraes MCL. Religiosidade e Estilo de Vida de uma População Adulta. Rev Bras Promoç Saúde. 2015;28(2):240-50.

Cassell EJ. The nature of clinical medicine. New York: Oxford, University Press; 2014.

Krikorian A, Limonero JT, Román JP, Vargas JJ, Palacio C. Predictors of Suffering in Advanced Cancer. Am J Hosp Palliat Care. 2014;31(5):534-42.

Strauss A, Corbin J. Basics of qualitative research: techniques and procedures for developing Grounded Theory. Thousand Oaks: Sage Publications; 200817. Ricoeur P. O discurso da ação. Rio de Janeiro: Edições70; 2014.

Ricoeur P. Teoria da interpretação, o discurso e o excesso de significação. Rio de Janeiro: Edições 70;2016.

Ricoeur P. Interpretação e ideologias. 4ª ed. Rio de Janeiro: F. Alves; 1990.

Ghasemi A, Taghinejad M, Kabiri A, Imani M. Ricoeur’s Theory of Interpretation: a method for understanding text (course text). World Appl Sci J.2011;15(11):1623-9.

Bogdan R, Biklen S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora; 2010.

Fortin MF. Fondements et étapes du processus de recherche: méthodes quantitatives et qualitatives. 3e éd. Québec: Cheneliére Éducation; 2015.

Alschuler KN, Meghan LB. Intolerance of uncertainty shaping an agenda for research on coping with multiple sclerosis. Int J MS Care. 2015;17(4):153-8.

Mahad DH, Trapp BD, Lassmann H. Pathological mechanisms in progressive multiple sclerosis. Lancet Neurol. 2015;14(2):183-93.

Boeije HR, Janssens ACJW. ‘It Might Happen or it Might Not’: how patients with multiple sclerosis explain their perception of prognostic risk. Soc Sci Med. 2004;59(4):861-8.

Lublin FD, Reingold SC, Cohen JA, Cutter GR, Sørensen PS, Thompson AJ, et al. Defining the clinical course of multiple sclerosis. The 2013 revisions. Neurology. 2014;83(3):278-86.

Faure E. Apprendre à Être. Paris: Fayard-Unesco;1972.

Encarnação P, Oliveira CC, Martins T. Dor e sofrimento conceitos entrelaçados: perspectivas e desafios para os enfermeiros. Rev Cuidados Paliativos. 2015;2(2):22-31.

Junges JR. As Interfaces da teologia com a bioética. Perspectiva Teológica. 2010;37(101):105-22.

Cavaco VSJ, José HMG, Louro SPRLP, Ludgero AFA, Martins AFM, Santos MCG. Qual o papel da esperança na saúde da pessoa? Revisão sistemática. Rev Referência. 2010;12:93-103.




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2016.p574

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia