Cenários de prática na atenção básica: tipologia para unidades docente-assistenciais

José Francisco Gontan Albiero, Sergio Fernando Torres de Freitas

Resumo


Objetivo: Analisar a integração ensino-serviço através de tipologias de unidades docente-assistenciais (UDAs) na atenção básica. Métodos: Estudo qualitativo realizado em seis unidades básicas de saúde, de dois municípios do estado de Santa Catarina, Brasil, que possuem convênio e parceria com instituições de ensino superior públicas e privadas, no período de agosto a novembro de 2015. A pesquisa foi realizada por meio de três instrumentos: análise documental, observações no campo e entrevistas semi-estruturadas com posterior triangulação. Entrevistaram-se docentes, discentes e profissionais do serviço com atuação na atenção básica, totalizando 18 entrevistas, sendo 9 em cada município. Todos os docentes e estudantes participantes da pesquisa pertenciam aos cursos de enfermagem e medicina, por serem os únicos cursos presentes em todas as unidades selecionadas para a pesquisa. As entrevistas foram analisadas pela técnica de análise de conteúdo. Resultados: Identificaram-se 4 tipos de unidades docente-assistenciais: (1) supervisão e agenda compartilhada; (2) preceptoria e agenda compartilhada; (3) preceptoria e agenda própria e (4) supervisão e agenda própria. A análise documental revelou longevidade nas parcerias entre as instituições de ensino pública e privada com os cenários de prática e objetivos pedagógicos baseados nas Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos. Considerações Finais: Quanto ao favorecimento à integração ensino-serviço, o tipo 1 e 2 são os que se pressupõe possuir maior força, seguido pelo tipo 3 e 4. Esta tipologia pode contribuir para o entendimento das relações ensino serviço, integração das atividades docente-assistenciais e efetividade.

Palavras-chave


Serviços de Integração Docente-Assistencial; Desenvolvimento de Pessoal; Saúde Pública.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Marsiglia RG. Relação ensino/serviços: dez anos de integração docente assistencial (IDA) no Brasil. São Paulo: Hucitec; 1995.

Batista SHSS, Jansen B, Assis EQ, Senna MIB, Cury GC. Formação em saúde: reflexões a partir dos programas Pró-Saúde e Pet-Saúde. Interface Comun Saúde Educ. 2015;19(Supl 1):743-52.

Ferla AA, Famer CM, Santos LM, organizadores. Integração ensino-serviço: caminhos possíveis? Porto Alegre: Editora Rede Unida; 2013.

Cunha PF, Magajewski F Gestão participativa e a valorização dos trabalhadores: avanços no âmbito do SUS. Saúde Soc. 2012;21(Supl 1):71-9.

Sordi MRL, Lopes CVM, Domingues SM, Cyrino EG. O potencial da avaliação formativa nos processos de mudança da formação dos profissionais da saúde Interface Comun Saúde Educ. 2015;19(Supl 1):731-42.

Flores LM, Trindade AL, Loreto DR, Unfer B, Dall’Agnol MM. Avaliação do Programa de Educação pelo Trabalho para Saúde - PET-Saúde/Vigilância em Saúde pelos seus atores. Interface Comun Saúde Educ. 2015;19(Supl 1):923-30.

Silva EVM. A formação de profissionais da saúde em sintonia com o SUS - currículo integrado e interdisciplinar. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Andrade SR, Boehs AE, Mattia D, Boehs CGE, Daussys FS. Cooperação e relacionamento entre instituições de ensino e serviço de saúde: o Pró-Saúde Enfermagem. Texto & Contexto Enferm. 2014;23(1):160-6.

Olschowsky A, Silva, GB. Integração docente-assistencial: um estudo de caso. Rev Esc Enferm. 2000;34(2):128-37.

Beccaria, LM, Trevizan MA, Janucci, MZ. Integração docente-assistencial entre um curso de enfermagem e um hospital de ensino: concepção do processo sob a ótica de docentes, estudantes e enfermeiros. Arq Ciênc Saúde. 2006;13(3):61-9.

Albuquerque VS, Gomes AP, Rezende CHA, Sampaio MX, Dias OV, Lugarinho RM. A integração ensino-serviço no contexto dos processos de mudança na formação superior dos profissionais da saúde. Rev Bras Educ Med. 2008;32(3):356-62.

Holbrook WP, Brodin P, Balciuniene I, Brukiene V, Bucur MV, Corbet E, et al. Balancing the role of the dental school in teaching, research, and patient care; including care for underserved areas. Eur J Dent Educ. 2008;12 Suppl 1:161-6.

Miranda C, Carvalho V, Souza E. Integração docente-assistencial: uma questão “não resolvida”. Esc Anna Nery Rev Enferm. 1997;1(2):62-73.

De Sordi MRL, Lopes CVM, Domingues SM, Cyrino EG. O potencial da avaliação formativa nos processos de mudança da formação dos profissionais da saúde. Interface Comun Saúde Educ. 2015;19(Supl 1):731-42.

Campos FE, Ferreira JR, Feuerwerker L, Sena RR, Campos JJB, Cordeiro H, et al. Caminhos para Aproximar a Formação de Profissionais de Saúde das Necessidades da Atenção Básica. RevBras Educ Med, 2001;25(2):53-9.

Pereira AF. Integração ensino-serviço em Porto Alegre: a construção do distrito docente assistencial Glória-Cruzeiro-Cristal. [monografia] Porto Alegre: Escola de Saúde Pública do Rio Grande do Sul; 2013.

Reibnitz KS, Santos MF. Rede Docente Assistencial UFSC/SMS de Florianópolis: Reflexos da Inplantação dos Projetos PróSaúde I e II. Rev Bras Educ Méd. 2012;36(1):68-75.

Ellery AEL, Bosi MLM, Loiola FA. Integração ensino, pesquisa e serviços em saúde: antecedentes, estratégias e iniciativas. Saúde Soc. 2013;22(1):187-98.

Flick U. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Bookman; 2009.

Turato ER. Tratado da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa: construção teórica-epistemológica, discussão comparada e aplicação nas áreas da saúde e humanas. Petrópolis: Vozes; 2003.

Bardin L. Análise de conteúdo.4ª ed. rev. e actual. Lisboa: Edições 70; 2010.

Flick U. Triangulation in qualitative research. In: Flick U, Kardorff E, Steinke A. Companion to qualitative research. London: Sage; 2005.p.81-7.

Botti S, Rego S. Preceptor, supervisor, tutor e mentor: quais são seus papéis? Rev Bras Educ Med. 2008;32(3):363-73.

Gil CRR, Turini B, Cabrera MAS, Kohatsu M, Orquiza SMC Interação ensino, serviços e comunidade: desafios e perspectivas de uma experiência de ensino-aprendizagem na atenção básica. Rev Bras Educ Med. 2008;32(2):230-9.

Schimidt MD, Lima MADS. Acolhimento e vínculo em uma equipe do Programa de Saúde da Família. Cad Saúde Pública. 2004;20(6):1487-94.

Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde; 2002.

Bulgarelli AF, Souza KR, Baumgarten A, Souza JM, Rosing CK, Toassi RFC. Formação em saúde com vivência no Sistema Único de Saúde (SUS): percepções de estudantes do curso de Odontologia da Universidade Federal do Tio Grande do Sul (UFRGS), Brasil. Interface Comun Saúde Educ. 2014;18(49):351-62.

Rodrigues AAAO, Juliano IA, Melo MLC, Beck CLC, Prestes FC Processo de interação ensino, serviço e comunidade: a Experiência de um PET-Saúde. Rev Bras Educ Méd. 2012;36(1 Supl 1):184-92.

Bispo EPF, Tavares CHF, Tomaz JMT. Interdisciplinaridade no ensino em saúde: o olhar do preceptor na Saúde da Família. Interface Comun Saúde Educ. 2014;18(49):337-50.

Lima PAB, Rozendo CA. Desafios e possibilidades no exercício da preceptoria do Pró-Pet-Saúde. Interface Comun Saúde Educ. 2015;19(Supl 1):779-91.

Moretti-Pires RO. Complexidade em Saúde da Família e formação do futuro profissional de saúde. Interface Comun Saúde Educ. 2009;13(30):153-166.

Camara AMCS, Grosseman S, Pinho DLM. Educação interprofissional no programa PET Saúde: a percepção de tutores. Interface Comun Saúde Educ. 2015;19(Supl 1):817-829.

Madruga LMS, Ribeiro KSQS, Freitas CHM, Pérez IAB, Pessoa TRRF, Brito GEG. O PET Saúde da família e a formação dos profissionais da saúde: a percepção de estudantes. Interface Comun Saúde Educ. 2015;19(Supl 1):805-816.

Ceccim RB, Feuerwerker L. O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Physis (Rio J). 2004;14(1):41-65.

Brehmer LCF Ramos FRS. Experiências de integração ensino-serviço no processo de formação profissional em saúde: revisão integrativa Rev Eletrônica Enf. 2014;16(1):228-37.




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2017.5836

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia