Estilo de vida de gestantes atendidas na atenção primária à saúde de uma capital brasileira

Luilma Albuquerque Gurgel, Levi de Holanda Francalino, Jaina Bezerra de Aguiar, Janalú Bernardo Guimarães, Luana Maria Lopes de Farias, Regikyslla Érika Ferreira Rodrigues, Ana Luisa Batista Santos

Resumo


Objetivo: Avaliar o estilo de vida de usuárias gestantes atendidas no âmbito da atenção primária à saúde da rede pública. Métodos: Trata-se de estudo de natureza descritiva, abordagem quantitativa e corte transversal, realizado em 12 Unidades Básicas de Saúde de Fortaleza (Ceará), no período de dezembro de 2015 a abril de 2016, com 107 gestantes. Utilizou-se o formulário Estilo de Vida Fantástico, que possui 25 itens divididos em nove domínios. As respostas de cada item possuem pontuação que varia de 0 a 4 pontos. A soma de todos os pontos permite classificar o estilo de vida em Excelente (85 a 100 pontos), Muito bom (70 a 84 pontos), Bom (55 a 69 pontos), Regular (35 a 54 pontos) e Necessita melhorar (0 a 34 pontos). Aplicou-se análise estatística descritiva dos dados quantitativos para apresentação de resultados utilizando medidas de tendência central (média) e medidas de dispersão (porcentagem, desvio padrão e valor máximo). Resultados: A média geral obtida (72,26 pontos) enquadrou o grupo na categoria Muito bom. 9% (n=10) das gestantes encontraram-se na categoria Excelente e 6% (n=6) na categoria Regular. Nenhuma gestante teve seu estilo de vida classificado como Necessita melhorar. Atividade física apresentou a menor média, enquanto o álcool obteve a média mais elevada, havendo grande disparidade entre elas. Conclusão: Apesar de o estilo de vida ter sido classificado como adequado, aspectos relevantes para a saúde materno-infantil, como atividade física e nutrição apresentaram pontuações abaixo das esperadas.

Palavras-chave


Gravidez; Estilo de Vida; Cuidado Pré-Natal.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Czneresnia D, Freitas CM. Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2012.

Ministério da Saúde (BR). Protocolos da atenção básica: saúde das mulheres. Brasília: Ministério da Saúde; 2016.

Dytz JLG, Rocha SMM. O modo de vida da mãe e a saúde infantil. Rev Bras Enferm. 2002;55(2):151-6.

Jobim R, Aerts D. Mortalidade infantil evitável e fatores associados em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, 2000-2003. Cad Saúde Pública. 2008;24(1):179-87.

World Health Organization - WHO. Health promotion glossary. Geneva: WHO; 1998.

Cres MR, Abdala GA, Meira MDD, Teixeira CA, Ninahuaman MFML, Moraes MCL. Religiosidade e estilo de vida de uma população adulta. Rev Bras Promoç Saúde. 2015;28(2):240-50.

Dietz WH, Douglas CE, Brownson RC. Chronic disease prevention: tobacco avoidance, physical activity, and nutrition for a healthy start. JAMA. 2016;316(16):1645–6.

Pôrto EF, Kümpel C, Castro AAM, Oliveira IM, Alfieri FM. Como o estilo de vida tem sido avaliado: revisão sistemática. Acta Fisiatr. 2015;22(4):199-205.

Lin YH, Tsai EM, Chan TF, Chou FH, Lin YL. Health promoting lifestyles and related factors in pregnant women. Chang Gung Med J. 2009;32(6):650-61.

Carvalho ML, Almeida CAL, Marques AKL, Lima FF, Amorim LMM, Souza JML. Prevenção da mortalidade materna no pré-natal: uma revisão integrativa. Rev Interd. 2015;8(2):178-84.

Wilson DMC, Nielsen E, Ciliska D. Lifestyle assessment: testing the FANTASTIC instrument. Can Fam Physician. 1984;30(1):1863-6.

Añez CRR, Reis RS, Pretroski EL. Versão brasileira do questionário "Estilo de vida fantástico": tradução e validação para adultos jovens. Arq Bras Cardiol. 2008;91(2):102-9.

Leite TRA, Santos BRM. Pressão arterial e estilo de vida de estudantes universitários. Rev Bras Ciên Saúde. 2011;9(27):14-20.

Barbosa RR, Martins MCG, Carmo FPT, Jacques TM, Serpa RG, Calil AO, et al. Estudo sobre estilos de vida e níveis de estresse em estudantes de medicina. Int J Cardiovasc Sci. 2015;28(4):313-9.

Tavares JS, Melo ASO, Amorim MMR, Barros VO, Takito MY, Benício MHD, et al. Padrão de atividade física entre gestantes atendidas pela estratégia saúde da família de Campina Grande - PB. Rev Bras Epidemiol. 2009;12(1):10-9.

Silva FT, Costa FS. Avaliação do nível de atividade física durante a gestação. Rev Bras Ginecol Obstet. 2007;29(9):490-500.

Francisqueti FV, Souza LMS, Silva REG, Peraçolli JC, Hirakawa HS. Estado nutricional materno na gravidez e sua influência no crescimento fetal. Rev Simbio-Logias. 2012;5(7):1-13.

Silva KB, Carvalho CA. Prevalência da lombalgia e sua associação com atividades domésticas em gestantes do município de Itabuna, Bahia. Rev Baiana Saúde Pública. 2011;35(2):387-96.

Freire K, Padilha PC, Saunders C. Fatores associados ao uso de álcool e cigarro na gestação. Rev Bras Ginecol Obstet. 2009;31(7):335-41.

Calheiros CAP, Grijó DO, Rodrigues EOMA, Carvalho FNA, Vilela SC, Leite EPRC, et al. Fatores que interferem na qualidade do sono da gestante no segundo e terceiro trimestre gestacional. Rev Enferm UFPE Online. 2013;7(12):6808-13.

Schetter CD, Tanner L. Anxiety, depression and stress in pregnancy: implication for mothers, children, research, and practice. Curr Opin Psychiatry. 2012;25(2):141–8.

Ministério da Saúde (BR). Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT): Atenção integral à pessoas com infecções sexualmente transmissíveis (IST). Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Silva R, Jansen K, Souza L, Quevedo L, Barbosa L, Moraes I, et al. Sociodemographic risk factors of perinatal depression: a cohort study in the public health care system. Rev Bras Psiquiatr. 2012;34(2):143-8.

Faisal-Cury A, Menezes PR. Antenatal depression strongly predicts postnatal depression in primary health care. Rev Bras Psiquiatr. 2012;34(4):446-50.

Thiengo DL, Pereira PK, Santos JFC, Cavalcanti MT, Lovisi GM. Depressão durante a gestação e os desfechos na saúde do recém-nascido: coorte de mães atendidas em unidade básica de saúde. J Bras Psiquiatr. 2012;61(4):214-20.

The American College of Obstetricians and Gynecologists. Physical activity and exercise during pregnancy and the post partum period. Committee Opinion. 2015; 650:1-8.

Nascimento SL, Godoy AC, Surita FG, Silva JLP. Recomendações para a prática de exercício físico na gravidez: uma revisão crítica da literatura. Rev Bras Ginecol Obstet. 2014;36(9):423-31.

Wisniewski D, Gróss G, Bittencourt R. A influência da sobrecarga de trabalho do enfermeiro na qualidade da assistência pré-natal. Rev Bras Promoç Saúde. 2014;27(2):177-82.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2017.6170

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia