Atenção à saúde e surdez: desafios para implantação da rede de cuidados à pessoa com deficiência

Juliana Donato Nobrega, Marilene Calderano Munguba, Ricardo José Soares Pontes

Resumo


Objetivo: Conhecer a assistência à saúde prestada às pessoas surdas, usuárias da Língua Brasileira de Sinais (Libras), a partir da sua perspectiva, com vistas a refletir sobre a inclusão de ações na Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência. Métodos: Estudo de abordagem qualitativa, realizado em 2010, com participação de 15 surdos adultos, usuários da Libras. Foram aplicadas as técnicas de grupo focal e entrevista aberta, com tradução simultânea entre a Língua Brasileira de Sinais e o português. As informações coletadas foram submetidas à análise temática. Resultados: O estudo evidenciou três categorias temáticas: barreiras nos serviços de saúde; atitudes para minimizar as barreiras de comunicação; e, sugestões para melhoria da assistência nos serviços de saúde. Essas informações podem interferir na assistência integral e humanizada à saúde. Em razão das dificuldades, surdos e profissionais de saúde recorrem a distintas estratégias para viabilizar o atendimento. Conclusão: O estudo possibilitou conhecer as peculiaridades da assistência à saúde às pessoas surdas, usuárias da língua de sinais, percebendo-se desafios durante o atendimento em virtude de uma comunicação restrita, de forma que a língua de sinais possa ser um dos caminhos para uma efetiva comunicação com esses usuários nos serviços de saúde.

Palavras-chave


Surdez; Pessoas com Deficiência; Linguagem de Sinais; Barreiras de Comunicação; Atenção à Saúde; Saúde Pública.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Portaria no. 4.279, de 30 de dezembro de 2010a. Estabelece diretrizes para organização da rede de atenção à saúde no âmbito do sistema único de saúde (SUS) [Internet] Diário Oficial da República Federativa do Brasil; Brasília; 2010 dez 31.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria no. 793, de 24 de abril de 2012. Institui a rede de cuidados à Pessoa com Deficiência no âmbito do sistema único de saúde [acesso em 2017 Maio 15]. Disponível em:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0793_24_04_2012.html

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Censo demográfico 2010: Características gerais da população, religião e pessoas com deficiências. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

Munguba MC, Vieira ACVC, Porto CMVP. Da invisibilidade à participação social: promoção da saúde em pessoas com deficiência. Rev Bras Promoç Saúde. 2015;28(4):463-6.

Brasil. Decreto no 7.612, de 17 de novembro de 2011. Institui o Plano Nacional dos Direitos das Pessoas com Deficiências- Plano Viver sem Limite. [Internet] Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília. 2011 Nov 18 [acesso em 2017 Maio 15]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7612.htm

Secretaria de Saúde do Estado do Ceará. Plano Estadual de Estruturação da Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência no Ceará 2013-2016. 2013.

Brasil. Lei no 13.146, de 06 de Julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. [Internet] Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília. 2015 [acesso em 2017 Maio 15].

Bosi MLM, Mercado-Martinez FJ. Introdução: notas para um debate. In:____. Pesquisa qualitativa de serviços de saúde. 2. ed. Petrópolis: Vozes; 2007; 23-71.

Minayo MC. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14. ed. São Paulo: Hucitec/Abrasco; 2014.

Haguette TMF. A entrevista. In:_______. Metodologias qualitativas. 7 ed. Petrópolis: Editora vozes; 2007; 86.

Minayo MCS, Suely FD, Gomes R. Pesquisa social: método e criatividade. 29. ed. Petrópolis: Editora vozes; 2010; 107.

Conselho Nacional de Saúde (BR). Resolução no. 196, de 10 de outubro de 1996. Dispõe diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Bioética.1996; 4 (2Supl):15-25.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução no. 466, de 12 de dezembro de 2012. Dispõe diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos [internet]. [acesso em 2017 Maio 15]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Chaveiro N, Barbosa MA, Porto CC, Munari DB, Medeiros M, Duarte SBR. Atendimento à pessoa surda que utiliza a língua de sinais na perspectiva do profissional da saúde. Cogitare Enferm. 2010;15(4):639-45.

Schwartz MA. Deaf patients, doctors, and the law: compelling a conversation about communication. Florida State University Law Review. 2008;35(4):947-1002.

Richardson KJ. Deaf culture. Nurse Pract. 2014;39(5):20-8.

Miranda RS, Shubert CO, Machado WCA. A comunicação com pessoas com deficiência auditiva: uma revisão integrativa. Rev. pesqui. cuid. fundam. (Online). 2014;6(4):1695-706.

Pagliuca LMF, Fiuza NLG, Rebouças CBA. Aspectos da comunicação da enfermeira com o deficiente auditivo.Rev Esc Enferm. 2007;41(3):411-8.

Kritzinger J., Schneider M, Swartz L, Braathen, SH. “I just answer ‘yes’ to everything they say”: access to health care for deaf people in Worcester, South Africa and the politics of exclusion. Patient Educ Couns. 2014;94(3):379-83.

Barnett S. Communication with deaf and hard-of-hearing people: guide for medical education. Acad Med. 2002;77(7):694-700.

Pires HF, Almeida MAPT. A percepção do surdo sobre o atendimento nos serviços de saúde. Rev Enferm Contemporânea. 2016;5(1):68-77.

Nobrega JD, Andrade AB, Pontes RJP, Bosi MLM, Machado MMT. Identidade surda e intervenções em saúde na perspectiva de uma comunidade usuária de língua de sinais. Ciênc Saúde Coletiva 2012;17(3):671-9.

Kuenburg A, Fellinger P, Fellinger J. Health care access among deaf people. J Deaf Stud Deaf Educ. 2015;21(1):1-10.

Gesser A. Do patológico ao cultural na surdez: para além de um e de outro ou para uma reflexão crítica dos paradigmas. Trab Linguist Apl 2008; 47(1):223-39

Sheppard K. Deaf adults and health care: Giving voice to their stories. J Am Assoc Nurse Pract. 2013;26(9):504-10.

Brasil. Decreto no. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta as Leis no. 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a língua brasileira de sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no. 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial República Federativa do Brasil. 2005 dez. 22.

Cardoso AHA, Rodrigues KG, Bachion MM. Perception of person with severe or profund deafness about the communication process durong heatth care. Rev Latinoam Enferm. 2006;14(4):553-60.

Oliveira YCA, Coura AS, Costa GMC, França ISX.Comunicação entre profissionais de saúde-pessoas surdas: revisão integrativa. Rev Enferm UFPE Online. 2015;9(Supl 2): 957-64.

Oliveira YCA, Celino SDM, Costa GMC. Comunicação como ferramenta essencial. Physis (Rio de J). 2015;25(1):307-20.

Nascimento GB, Fortes LO, Kessler TM. Estratégias de comunicação como dispositivo para o atendimento humanizado em saúde da pessoa surda. Saúde (Santa Maria). 2015;41(2):241-50.

Costa LSM, Almeida RCN, Mayworn MC, Alves PF, Bulhões PAM, Pinheiro VM. O atendimento em saúde através do olhar da pessoa surda: avaliação e propostas. Rev Bras Clin Med. 2009;7:166-70.

Tedesco JR, Junges JR. Desafios da prática do acolhimento de surdos na atenção primária. Cad Saúde Pública. 2013;29(8):1685-9.

Chaveiro N, Porto CC, Barbosa MA. Assistência ao surdo na área de saúde como fator de inclusão social. Rev Esc Enferm USP. 2005; 39(4):417-22.

Ministério dos Direitos Humanos (BR). Ministra inaugura central de Libras em Fortaleza, nesta segunda [acesso em 2016 Dez 21]. Disponível em: www.sdh.gov.br/noticias/2014/abril/ministra-inaugura-central-de-libras-em-fortaleza-nesta-segunda-28

Ministério Público do Ceará. Audiência pública no MPCE debate Central de Intérpretes de Libras. 2016 [acesso em 2016 Dez 21]. Disponível em: www.mpce.mp.br/2016/04/07/audiencia-publica-no-mpce-debate-central-de-interpretes-de-libras/

Queiroz M. Panorama da interpretação em contextos médicos no Brasil: Perspectivas. Trad Terminologia. 2014;23:193-223.

Brasil. Presidência da República, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei no. 12.319, de 1º setembro de 2010b. Regulamenta a profissão de Tradutor e Intérprete da Língua Brasileira de Sinais - Libras. Internet]. Brasília; 2010.

Freire DB, Gigante LP, Béria JU, Palazzo LS, Figueiredo ACL, Raymann BCW. Acesso de pessoas deficientes auditivas a serviços de saúde em cidade do Sul do Brasil. Cad Saúde Pública 2009;25(4):889-97.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2017.6176

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia