Representações sociais da atividade física na atenção primária à saúde

Ana Luisa Batista Santos, Jaina Bezerra de Aguiar, Luilma Albuquerque Gurgel, Marcos Augusto Araújo Silveira, Kellinson Campos Catunda, Francisco das Chagas Vasconcelos de Souza

Resumo


Objetivo: Investigar as representações sociais dos usuários acerca das práticas corporais/ atividades físicas realizadas na atenção primária à saúde. Métodos: Estudo qualitativodescritivo realizado na cidade de Sobral-Ceará-Brasil. Foram entrevistados usuários praticantes e não-praticantes das atividades físicas promovidas pelo Núcleo de Apoio à Saúde da Família. O roteiro de entrevista abordou temas sobre as práticas corporais e profissional responsável por essas atividades. As entrevistas foram analisadas através da análise de conteúdo. Resultados: No que se refere à importância e impacto da atividade física na saúde, as categorias que emergiram foram: usuários praticantes - benefícios psicossociais e físicos; usuários não-praticantes - tratamento de doenças ósseas e redução do peso corporal. Outra categoria encontrada foi a motivação para participação ou não das atividades, os usuários praticantes afirmaram que participavam das atividades em busca de melhoria da saúde e pelo incentivo do profissional de educação física. Os não praticantes sentiram-se desmotivados pelo medo da violência e por não saberem da existência das atividades. O profissional e as atividades realizadas pelo mesmo foram elogiados pelo grupo de praticantes. Entretanto, ainda foi prevalente nas falas a carência da recomendação das atividades por parte dos outros profissionais da saúde. Conclusão: Apesar da deficiência de materiais e espaço físico para realização das práticas, a parceria profissional-comunidade faz o NASF ter relevância no município de Sobral-CE. Sugere-se um maior investimento em recursos humanos e estruturais, além da ampla divulgação dessas atividades para a comunidade e demais profissionais de saúde.

Palavras-chave


Saúde Pública; Atenção Primária à Saúde; Educação Física e Treinamento.

Texto completo:

PDF

Referências


Hallal PC, Knuth AG. Epidemiologia da atividade física e a aproximação necessária com as pesquisas qualitativas. Rev Bras Ciênc Esporte. 2011;1(33):181-92.

Lima MG. Representações sociais das gestantes sobre a gravidez e a consulta de enfermagem. 2006. 142 f. Dissertação (Mestrado) – Setor de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Universidade de Brasília, Brasil, 2006. Disponível em: < http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/5241/1/2006_Maria%20Goreti%20de%20Lma.pdf>. Acesso em 5 nov. 2015.

Gomes R. Pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa; 2014.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70;2011.

Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde. Resolução 466/2012. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. Diretrizes brasileiras de obesidade 2009/2010. 3. ed. Itapevi, SP: AC Farmacêutica; 2009.

American College of Sports Medicine. Diretrizes do ACSM para os testes de esforço e sua prescrição. 9. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2014.

World Health Organization. Global action plan for the prevention and control of noncommunicable disease 2013-2020. Geneva: WHO; 2013

Silva RS, Silva I, Silva RA, Souza L, Tomasi E. Atividade física e qualidade de vida. Ciênc Saúde

Coletiva. 2010;1(15):115-20.

Silva JA, Morais LC, Codogno JS, Fernandes RA, Rocha APR, Queiroz DC et al. Efeito de um programa de exercício de 8 semanas na pressão arterial e gastos com saúde. In: 8º Congresso de Extensão Universitária da UNESP; 2015 Out 1; São Paulo; 2015.

Onocko-Campos RTO, Campos GWS, Ferrer AL, Corrêa CRS, Madureira PR, Gama CAP et al. Avaliação de estratégias inovadoras na organização da atenção primária à saúde. Rev Saúde Pública. 2012;1(46):43-50.

Ribeiro RM, Tribess S, Santos AS, Pinto LLT, Ribeiro MCL, Roza LB et al. Barreiras no engajamento de idosos em serviços públicos de promoção de atividade física Ciênc Saúde Coletiva. 2014;3(20):739-49.

Silva ALF, Oliveira BN. A trajetória da educação física no SUS em Sobral-CE: Um resgate histórico. Conexões. 2013;11(2):193-207.

Hallal PC, Tenório MCM, Tassitano RM, Reis RS, Carvalho YM, Cruz DKA et al. Avaliação do programa de promoção da atividade física academia da cidade de Recife, Pernambuco, Brasil: Percepções de usuários e não usuários. Cad Saúde Pública. 2010;26(1):70-8.




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2016.sup.p16

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia