Adesão da gestante ao exercício físico para a prevenção e/ou controle do risco da síndrome hipertensiva

Aline Barbosa Teixeira Martins, Zélia Maria de Sousa Araújo Santos, Geraldo Bezerra da Silva Junior, Geraldo Flamarion da Ponte Liberato Filho, Maria Vieira de Lima Saintrain, José Manuel Peixoto Caldas, Italo Rigoberto Cavalcante Andrade, Janaina da Silva Feitoza Palácio

Resumo


Objetivo: Analisar as mudanças comportamentais em gestantes na adesão ao exercício físico com vista à prevenção e/ou controle do risco da síndrome hipertensiva na gravidez (SHG) com a utilização de uma tecnologia educativa em saúde (TES) embasada na Teoria Estágio de Mudança. Métodos: Pesquisa participante realizada em uma Unidade de Atenção Primária em Fortaleza-Ceará-Brasil com um grupo de dez gestantes no período de agosto a outubro de 2015. A TES foi elaborada com base no referencial de Prochaska; Norcross; Diclemente e nos pressupostos da educação em saúde. Os dados foram coletados por meio de entrevistas e diário de campo, e organizados nas categorias: caracterização sociodemográfica, sanitária e obstétrica das mulheres; resgate das experiências prévias com o exercício físico; mudanças ocorridas com a aplicação da TES com vista à adesão ao exercício físico; avaliação da prática do exercício físico; re-significação da TES para a adesão do exercício físico na prevenção e/ou controle do risco da SHG. Resultados: As gestantes nasceram em Fortaleza-Ceará-Brasil e as demais em outros municípios do Estado do Ceará. Seis eram adolescentes e quatro adultas. As gestantes informaram fatores de risco para SHG - baixo nível socioeconômico, duas eram obesas, cinco consumiam alimentos com alto teor de sal, sete eram sedentárias, duas afirmaram história familiar da SHG, e uma era portadora de hipertensão arterial sistêmica. As mulheres encontravam-se no curso gestacional entre 16 semanas e 28 semanas. O saber das gestantes acerca do EF era fragmentado. Com a aplicação da TES, em quase todas as gestantes percebemos a adesão ao EF, assim como a construção do saber sobre os benefícios para a sua saúde, tornando-as agente multiplicadoras. Conclusão: Logo, a aplicação da TES conduziu as gestantes ao “estágio de manutenção”, significando que elas aderiram ao EF, como conduta promotora de saúde. No entanto, ainda é necessário incentivo para mantê-las neste estágio, elevando-as à terminação, mediante a incorporação desta conduta no seu estilo de vida.

Palavras-chave


Adesão; Exercício; Hipertensão Induzida pela Gravidez

Texto completo:

PDF

Referências


Alves SV. Maternal Mortality in Pernambuco, Brazil: What Has Changed in Ten Years? Reproductive Health Matters. 2010,45(30):336-55.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial. Arquiv. Bras. Cardiol. 2016;107(Supl 3):1-83.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de alto risco: manual técnico /Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde,Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. 5.ed. Brasília: MS; 2010a. 302 p.

Alves, LL, Forjaz C. Influência da Intensidade e do Volume do Treinamento Aeróbico na Redução da Pressão Arterial de Hipertensos. Revista Bras. Ci e

Mov. 2009;15(3):115-22.

Kale PL, Costa AJL. Maternal Deaths in the City of Rio de Janeiro, Brazil, 2000-2003. Health Popul Nutr. 2009;27(6):794-801.

Mota SMS, Gama SGN, Theme MM. Mortalidade materna no Município de Belém, Estado do Pará, em 2008: Uma avaliação do Sistema de Informações sobre Mortalidade. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília.

;17(1):33-42.

Sass N et al. Maternal mortality in Brasil and proportion to hypertensive disorders: a trend of stagnation.

Pregnancy Hipertens. 2015; 5(1):78-92.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à saúde. Departamento de Ações Pragmáticas

Estratégicas. Gestação de alto risco. Manual técnico. 5ª ed. Brasília: MS; 2012.

Ministério da Saúde (BR). Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS). Brasília: MS;2010b.

Ministério de Saúde (BR). Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM). Brasília: MS; 2010c.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. 4. ed. Brasília: Série Pacto pela Saúde; 2006. v.4.

Ximenes Neto FRG et al. Qualidade da atenção ao prénatal na Estratégia Saúde da Família em Sobral, Ceará. Rev. Bras. Enferm. 2008;61(5):595-602.

Reis AE, Patricio AM. Aplicação das ações preconizadas pelo Ministério da Saúde para o parto humanizado em um hospital de Santa Catarina. Ciências da Saúde Coletiva. 2010;10 (Supl): 221-30.

Andreucci CB, Cecatti JG. Desempenho de indicadores de processo do Programa de Humanização do Pré-natal e Nascimento no Brasil: uma revisão sistemática. Cad. Saúde Pública. 2011;27(6):1053-64.

Serruya SJ, Cecatti JG, LagoTG. O Programa de Humanizaçã o no Pré-natal e Nascimento do Ministério da Saúde no Brasil: resultados iniciais. Cad. Saúde

Pública. 2004;20(5):1281-89.

Almeida CAL, Tanaka OY. Perspectiva das mulheres na avaliaçã o do Programa de Humanizaçã o do Pré-Natal e Nascimento. Rev Saúde Pública. 2009;43(1):98-104.

Matos DS, Rodrigues MS, Rodrigues TS. Atuação do enfermeiro na assistência ao pré-natal de baixo risco na estratégia saúde da família em um município de Minas Gerais. Rev Enferm. 2013; 16(1):18-33.

Ribeiro JF et al. Contribuição do pré-natal para o parto normal na concepção do enfermeiro da estratégia saúde da família. R. Interd. 2016;9(1):161-170.

Sayem AM, Nury ATMS. Factors associated with teenage marital pregnancy among Bangladeshi women. Reproductive Health. 2011;8(16):1-12.

Morais FM et al. Uma revisão do perfil clínicoepidemiológico e das repercussões perinatais em portadoras de síndrome hipertensiva gestacional. Revista EIXO. 2013; 21(1): 69-82.

Peracoli JC, Parpinelli MA. Síndromes hipertensivas da gestação: identificação de casos graves. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2011, 47 (10): 123-38.

Sorensen TK et al. Recreational physical activity during pregnancy and risk of preeclampsia. Revista Hypertension. 2010; 81(3): 1273-80.

American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG). Committee on Obstetric. Exercise during pregnancy and postpartum period. Pratice nº 267. Am Col Gynecol. 2012, 99 (4): 171-73.

Oliveira EFV, Gama SGN, Silva CMFP. Gravidez na adolescência e outros fatores de risco para mortalidade fetal e infantil no Município do Rio de Janeiro, Brasil.

Revista Cad. Saúde Pública. 2010;26(3):384-97.

Lima FR, Oliveira N. Gravidez e Exercício. Rev Bras Reumatol. 2011;45(3):188-90.

Rudra CB et al. Perceived exertion during prepregnancy activity and preeclampsia risk. Med Sci Sports Exerc. 2010;37(11):1836-41.

Prochascka JO, Norcross JC, DI Clemente CC. Changing for Good. A revolutionary six-stage program for overcoming bad habits and moving tour life

positively forward. New York: Avon Books; 1994.

Jalowitzki M. Vivências para dinâmicas de grupos - a metamorfose do ser em 360 graus. São Paulo: Masdras; 2007.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70;1994.

Ministério da Saúde (BR). Resolução Nº 466 de 12 de dezembro de 2012. Regulamentação da Pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília: CONEP/CNS/MS; 2012.

Segato L et al. Ocorrência e controle do estresse em gestante e sedentárias e fisicamente ativas. Revista da Educação Física/UEM Maringá. 2010;22(1):171-89.

Nascimento SL et al. Exercício físico no ganho de peso e resultados perinatais em gestantes com sobrepeso e obesidade: uma revisão sistemática de ensaios clínicos. Cad. Saúde Pública. 2011, 27(3):407-16.

Ferreira IP et al. Gestantes: conhecendo os benefícios da prática de exercícios físicos em uma unidade de saúde da família. Revista Anais da Semana Educa. 2010;1(10):20-25.

Gus M, Fuchs FD, Moreira LB. Hipertensão associada a gestação e risco cardiovascular. Hipertensão 2010; 14(1): 78–89.

Matsudo VKR, Matsudo SMM. Atividade Física e Esportiva na Gravidez. In: TEDESCO JJ. A Grávida. São Paulo: Atheneu; 2010. p.156-78.

Batista DC et al. Atividade física e gestação: saúde da gestante não atleta e crescimento fetal. Revista Bras. Saúde Mater. Infantil. 2011;18(2):351-68.

Domingues MR, Barros AJD. Leisure-time physical activity during pregnancy in the 2004 Pelotas Birth

Cohort Study. Rev Saúde Pública. 2010;41(4):173-80.

Santos ZMSA, Caetano JA, Moreira FGA. Atuação dos pais na prevenção da hipertensão arterial: uma tecnologia educativa em saúde. Ciênc. Saúde Coletiva.

;16(11):4385-94.

Moura ERF, Souza RA. Educação em saúde reprodutiva: proposta ou realidade do Programa Saúde da Família? Revista Cad Saúde Pública. 2012;28(6):1809-11.

Araújo FM. Ações de educação em saúde no planejamento familiar nas unidades de saúde da família

no município de Campina Grande PB (Monografia de Especialização). Universidade Estadual da Paraíba.Campina Grande; 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2016.sup.p25

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia