Re-aprendendo a viver - doi:10.5020/18061230.2004.p138

Marlene Lopes Cidrack, Ana Maria Fontenelle Catrib, Rosendo Freitas de Amorim

Resumo


A capacidade de aprendizagem e de aquisição de novos conhecimentos por parte dos idosos é muitas vezes subestimada por eles próprios e por todos que o cercam. Neste estudo, através de uma abordagem qualitativa, exploratória e descritiva, investigou-se a capacidade de aprendizagem dos idosos e qual a influência das atividades de grupo em pessoas da terceira idade – como sua visão de mundo interfere no desenvolvimento de uma velhice feliz e realizada. Um trabalho de resgate da auto-estima foi desenvolvido, minimizando o sentimento de solidão e abandono e aumentando as redes sociais destas pessoas. Os sujeitos do estudo constaram de indivíduos residentes na Comunidade do Dendê, Bairro Edson Queiroz, na faixa etária de 60 a 96 anos, em Fortaleza – Ceará – Brasil. No trabalho de campo foram utilizadas entrevistas semi-estruturadas e estruturadas, as quais tinham a finalidade de verificar como os fatores familiares, culturais e psicológicos contribuem na percepção de vida desses idosos. Para a análise das entrevistas, empregou-se o método etnográfico de Spradley – domínio cultural. Os resultados comprovam que estudar pode estimular e motivar a capacidade de aprendizagem do idoso e que, desenvolvendo atividades de grupo se pode promover uma melhoria na qualidade de vida destas pessoas.

Palavras-chave


Envelhecimento, auto-estima.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5020/691

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia