Experiência em grupos de convivência de idosos: interfaces com a terapia ocupacional

Marciane Montagner Missio, Silvani Vargas Vieira

Resumo


Objetivo: Descrever a experiência de acadêmicas de Terapia Ocupacional na inserção de um grupo de convivência de idosos em uma comunidade localizada na região central do Rio Grande do Sul, Brasil. Síntese dos dados: A ação foi desenvolvida no Estágio Supervisionado em Saúde da Comunidade, no período de março a julho do ano de 2015, realizado no sexto semestre do curso de Terapia Ocupacional. Na atuação dos acadêmicos com os participantes do grupo de convivência, foram realizadas atividades visando à integração de ações de ensino, pesquisa e extensão universitária, com foco na melhoria da qualidade de vida e condição de saúde das participantes através da prevenção de agravos e complicações, considerando as doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) apresentadas pela maioria dos participantes do grupo de idosos. Conclusão: As experiências evidenciaram que os grupos de Terapia Ocupacional permitiram a identificação de potencialidades e habilidades de uma população pouco valorizada produtivamente na sociedade, de forma que o grupo se constituiu como um espaço de ressignificação de vidas, superação de dificuldades cotidianas, aquisição de hábitos de vida saudáveis e ajuda para um envelhecimento ativo.

Palavras-chave


Terapia Ocupacional; Idoso; Prática de Grupo; Educação em Saúde.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Miranda GMD, Mendes ACG, Silva ALA. O envelhecimento populacional brasileiro: desafios e consequências sociais atuais e futuras. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2016;19(3):507-19.

Duarte GP, Uchôa-Figueiredo LR. A vida cotidiana e a qualidade de vida de pacientes atendidos na atenção primária de saúde. Cad Ter Ocup UFSCar. 2010;18(1):19-33.

Bezerra ALA, Bezerra DS, Pinto DS, Bonzi ARB, Pontes RMN, Veloso JAP. Perfil epidemiológico de idosos hipertensos no Brasil: uma revisão integrativa. Rev Med (São Paulo). 2018;97(1):103-7.

Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes para o cuidado das pessoas com doenças crônicas nas redes de atenção à saúde e nas linhas de cuidado prioritárias. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Organização Mundial da Saúde. Saving lives, spending less: a strategic response to noncommunicable diseases.Geneva: WHO; 2018.

Stopa SR, Cesar CLG, Segri NJ, Alves MCGP, Barros MBA, Goldbaum M. Prevalência da hipertensão arterial, do diabetes mellitus e da adesão às medidas comportamentais no Município de São Paulo, Brasil, 2003-2015. Cad Saúde Pública. 2018;34(10):1-11.

Hernandez FH. Controle da hipertensão arterial com o tratamento não medicamentoso no posto de saúde da família. [Monografia]. Conselheiro Lafaiete (MG): Universidade Federal de Minas Gerais; 2016.

Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2017-2018. São Paulo: Clannad; 2017.

Pereira EF, Teixeira CS, Santos A. Qualidade de vida: abordagens, conceitos e avaliação. Rev Bras Educ Fís Esp. 2012;26(2):241-50.

Agostini CM, Rodrigues VS, Guimarães AC, Damázio LCM, Vasconcelos NN. Análise do desempenho motor e do equilíbrio corporal de idosos ativos com hipertensão arterial e diabetes tipo 2. Rev Atenção Saúde. 2018;16(55):29-35.

Solbiati VP, Oliveira NRC, Teixeira CVS, Gomes RJ. Adesão ao tratamento para prevenir agravos relacionados à hipertensão arterial e ao diabetes. Rev Bras Obes Nutrição e Emagrec. 2018;12(73):629-33.

Brasil. Ministério da Saúde. Hipertensão arterial e diabetes mellitus: morbidade auto referida segundo VIGTEL, 2009. Cadastro de portadores do SIS-HIPERDIA, 2010. Brasilia: Ministério da Saúde; 2011.

Ribeiro KG, Andrade LOM, Aguiar JB, Moreira AEMM, Frota AC. Educação e saúde em uma região em situação de vulnerabilidade social: avanços e desafios para as políticas públicas. Interface Comun Saúde Educ. 2018;22(Supl 1):1387-98.

Brasil. Ministério da Saúde. Estratégia para o cuidado da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Soares DS, Braga JS, Alves SCA. Representação social de profissionais da área da saúde sobre grupos de convivência de idosos. Kaleidoscópio. 2012; 3:76-94.

Associação Americana de Terapia Ocupacional. Estrutura da prática da Terapia Ocupacional: domínio & processo. 3a ed. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. 2015;26(ed esp):1-49.

Hagedorn R. Ferramentas para prática em terapia ocupacional: uma abordagem estruturada aos conhecimentos e processos centrais. São Paulo: Roca; 2007.

Maschio MBM, Balbino AP, Souza PFR, Kalinke LP. Sexualidade na terceira idade: medidas de prevenção para doenças sexualmente transmissíveis e AIDS. Rev Gaúch Enferm. 2011;32(3):583-89.

Elias MTMNC. As Técnicas de relaxamento como instrumento terapêutico de enfermagem em pessoas com sofrimento mental [dissertação]. Lisboa: Escola Superior de Enfermagem de Lisboa; 2014.

Barbosa AA. Análise da atividade: adaptação de um roteiro para a implementação de tecnologia assistiva [trabalho de conclusão de curso]. Brasília: Universidade de Brasília; 2013.

Trombly CA. Terapia Ocupacional para a disfunção física. 2a ed. São Paulo: Santos; 1989.

Brown A. Groupwork. Londres: Heinemann; 1979.

Araújo AS, Kebbe LM. Estudo sobre grupos de terapia ocupacional para cuidadores de familiares de pacientes com esquizofrenia. Cad Ter Ocup UFSCar. 2014;22(1):97-108.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2019.7436

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia