Avaliação da atenção integral à saúde do idoso na percepção de profissionais

Juliana Fernandes Cabral, Jeniffer Fernanda Gonçalves da Silva, Josué Souza Gleriano, Priscila Balderrama, Angélica Pereira Borges, Ageo Mário Cândido da Silva

Resumo


Objetivo: Avaliar a atenção integral à saúde do idoso segundo a percepção de profissionais em Unidades de Saúde da Família (USF). Métodos: Estudo de abordagem qualitativa, do tipo descritivo-exploratório, realizado no segundo semestre de 2016 em dez Unidades de Saúde da Família (USF) de um município localizado no sudoeste do estado de Mato Grosso, do qual participaram as equipes multiprofissionais das USF. Coletaram-se dados através da técnica de grupo focal. Para análise e interpretação, construíram-se narrativas e submeteu-se à análise de conteúdo do tipo temática. Resultados: O estudo evidenciou que a atenção integral à saúde do idoso na Atenção Primária à Saúde (APS), no município estudado, ocorre de maneira fragmentada e reforça a cultura biomédica. A integralidade, tida como um dos princípios doutrinários do Sistema Único de Saúde (SUS), se encontra fragilizada e pouco valorizada pelos profissionais desse nível de atenção à saúde. Conclusão: Concluiu-se que, no contexto deste estudo, a atenção integral à população idosa ocorre de forma fragmentada e desarticulada. Os profissionais de saúde investigados consideram que o cuidado realizado é puramente clínico e focado em ações curativas ou preventivas.

Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde; Saúde do Idoso; Avaliação em Saúde; Gestão em Saúde

Texto completo:

PDF/A PDF/A (English)

Referências


Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. SUS 20 anos [Internet]. Brasília: CONASS; 2009. [acesso em 2018 Out 27]. Disponível em: http://www.conass.org.br/bibliotecav3/pdfs/sus20anosfinal.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 2.436, de 21 de setembro de 2017. Política Nacional de Atenção Básica [Internet]. Diário Oficial da União; Brasília; 22 Set 2017; [acesso em 2018 Abr 24]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html

Mendes EV. Entrevista: a abordagem das condições crônicas pelo Sistema Único de Saúde. Ciênc Saúde Colet. [Internet]. 2018 [acesso em 2018 Jul 5];23(2):431-5. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v23n2/1413-8123-csc-23-02-0431.pdf

Furtado JP, Vieira-da-Silva LM. A Avaliação de programas e serviços de saúde no Brasil enquanto espaço de saberes e práticas. Cad Saúde Pública [Internet]. 2014 [acesso em 2018 Jun 25];30(12):2643-55. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v30n12/0102-311X-csp-30-12-02643.pdf

Chaves LDP, Jesus BJ, Ferreira JBB, Balderrama P, Tanaka OY. Avaliação de resultados da atenção aos agravos cardiovasculares como traçador do princípio de integralidade. Saúde Soc [Internet]. 2015 [acesso em 2018 Abr 10];24(2):568-77. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v24n2/0104-1290-sausoc-24-02-00568.pdf

Brasil. Decreto n. 7.508, de 28 de junho de 2011. Regulamenta a Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras providências [Internet]. Diário Oficial da União; Brasília; 29 Jul 2011; [acesso em 2018 Mar 10]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7508.htm

Gleriano JS, Lucietto GC, Reis JB, Teixeira VM, Chaves LDP. A percepção de enfermeiros da estratégia saúde da família sobre o conceito e prática da avaliação. Rev Cuid [Internet]. 2017 [acesso em 2018 Jul 13];11(2):248-56. Disponível em: http://www.webfipa.net/facfipa/ner/sumarios/cuidarte/2017v2/248.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Saúde mais perto de você – Acesso e qualidade. Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ): manual instrutivo [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2012 [acesso em 2018 Mar 15]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/manual_instrutivo_pmaq_site.pdf

Dilélio AS, Tomasi E, Thumé E, Silveira DS, Siqueira FCV, Piccini RX; et al. Padrões de utilização de atendimento médico-ambulatorial no Brasil entre usuários do Sistema Único de Saúde, da saúde suplementar e de serviços privados. Cad Saúde Pública [Internet]. 2014 [acesso em 2018 Fev 9];30(12):2594-606. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v30n12/0102-311X-csp-30-12-02594.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Autoavaliação para melhoria do acesso e da qualidade na Atenção Básica – AMAQ [Internet]. 2a ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2016 [acesso em 2018 Abr 15]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/autoavaliacao_melhoria_acesso_qualidade_amaq_2ed.pdf

Governo do Brasil. Brasil fará parte da pesquisa internacional sobre o idoso [Internet]. 2017 [acesso em 2018 Out 26]. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/noticias/saude/2012/10/brasil-fara-parte-de-pesquisa-internacional-sobre-idoso

Brasil. Ministério da Saúde (BR). Autoavaliação para melhoria do acesso e da qualidade na Atenção Básica – AMAQ [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2017 [acesso em 2018 Out 25]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/amaq_2017.pdf

Morgan DL. Focus groups as qualitative research. Qualitative Research Methods Series. London: Sage Publications; 1997.

Weber F. A Entrevista, a pesquisa e o íntimo, ou: por que censurar seu diário de campo? Rev Horiz Antropol [Internet]. 2009 [acesso em 2018 Out 26];15(32):157-70. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ha/v15n32/v15n32a07.pdf

Campos RTO, Furtado JP. Narrativas: utilização na pesquisa qualitativa em saúde. Rev Saúde Pública [Internet]. 2008 [acesso em 2018 Out 26];42(6):1090-6. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rsp/2008nahead/7066.pdf

Bardin L. Análise de conteúdo. Coimbra: Ed. 70; 2011.

Fontanella BJB, Luchesi BM, Saidel MGB, Ricas J, Turato ER, Melo DG. Amostragem em pesquisas qualitativas: proposta de procedimentos para constatar saturação teórica. Cad Saúde Pública [Internet]. 2011 [acesso em 2018 Out 26];27(2):388-94. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v27n2/20.pdf

SÁ CMCP. Caderneta de saúde da pessoa idosa no olhar dos profissionais da estratégia de saúde da família [Dissertação]. João Pessoa: Universidade Federal de Paraíba; 2016 [acesso em 2018 Fev 15]. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/bitstream/tede/8732/2/arquivototal.pdf

Brasil. Ministério da Saúde (BR). Caderneta de saúde da pessoa idosa [Internet]. 4a ed. Brasília: Ministério da Saúde. 2017 [acesso em 2018 Fev 15]. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/setembro/27/CADERNETA-PESSOA-IDOSA-2017-Capa-miolo.pdf

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso. Manifestação de interesse na aquisição da Caderneta de Saúde do Idoso [Internet]. 2017 [acesso em 2017 dez 17]. Disponível em: http://www.al.mt.gov.br/storage/webdisco/cp/20150806085417146000.pdf

Bousquat A, Giovanella L, Fausto MCR, Fusaro ER, Mendonça MHM, Gagno J, et al. Tipologia da estrutura das unidades básicas de saúde brasileiras: os 5 R. Cad Saúde Pública [Internet]. 2017 [acesso em 2018 Out 27];33(8):e00037316. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v33n8/1678-4464-csp-33-08-e00037316.pdf

Soranz D, Pinto LF, Camacho LAB. Analysis of the attributes of primary health care using the electronic medical records in the city of Rio de Janeiro. Ciênc Saúde Colet [Internet]. 2017 [acesso em 2018 Out 27];22(3):819-30. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v22n3/en_1413-8123-csc-22-03-0819.pdf

Medeiros KKAS, Pinto EP Jr, Bousquat A, Medina MG. O desafio da integralidade no cuidado ao idoso, no âmbito da Atenção Primária em Saúde. Saúde Debate [Internet]. 2017 [acesso em 2018 Jul 1];41(3):288-95. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v41nspe3/0103-1104-sdeb-41-spe3-0288.pdf

Carvalho G. A saúde pública no Brasil. Estud Av [Internet]. 2013 [acesso em 2018 Fev 16];27(78):7-26. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142013000200002

Coutinho AT, Popim RC, Carregã K, Spiri WC. Integralidade do cuidado com o idoso na estratégia de saúde da família: visão da equipe. Esc Anna Nery Rev Enferm [Internet]. 2013 [acesso em 2018 Fev 26];17(4):628-37. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v17n4/1414-8145-ean-17-04-0628.pdf

Mello DRB, Apratto PC Jr, César TPO, Souza D, Miranda D, Freitas G, et al. Fatores de resiliência no envelhecimento verificados na visita domiciliar: relato de uma experiência na atenção básica. REINPEC [Internet]. 2016 [acesso em 2017 Dez 15];2(2):30-44. Disponível em: http://reinpec.srvroot.com:8686/reinpec/index.php/reinpec/article/view/200/70

Barbosa AS, Andrade GCL, Pereira CO, Falcão IV. A interdisciplinaridade vivenciada em um grupo de idosos de uma unidade de saúde da família do Recife. Rev APS [Internet]. 2016 [acesso em 2018 Jan 10];19(2):315-20. Disponível em: https://aps.ufjf.emnuvens.com.br/aps/article/view/2247/978

Ferreira LV, Silva MCM, Castro EAB, Friedrich DBC. Busca do autocuidado por idosos na rede de atenção à saúde. Rev Contexto Saúde [Internet]. 2017 [acesso em 2018 Jan 10];17(32):46-54. Disponível em: https://www.revistas.unijui.edu.br/index.php/contextoesaude/article/view/5984

Lethin C, Leino-Kilpi H, Roe B, Soto MM, Saks K, Stephan A; et al. Formal support for informal caregivers to older persons with dementia through the course of the disease: an exploratory, cross-sectional study. BMC Geriatr [Internet]. 2016 [acesso em 2018 Jan 10];16(32). Disponível em: https://bmcgeriatr.biomedcentral.com/articles/10.1186/s12877-016-0210-9

Anício VA. Cuidando de idosos: um enfoque na capacitação do cuidador [Trabalho de Conclusão de Curso]. Conselheiro Lafaiete (MG): Universidade Federal de Minas Gerais. 2013 [acesso em 2018 Jan 15]. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/4167.pdf

Brasil. Ministério da Saúde (BR). Envelhecimento e saúde da pessoa idosa [Internet]. Brasília: DF; 2006 [acesso em 2017 Dez 20]. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/biblioteca.php?conteudo=publicacoes/cab19

Sales MVG, Fernandes JA Neto, Catão MHCV. Condições de saúde bucal do idoso no Brasil: uma revisão de literatura. Arch Health Invest [Internet]. 2017 [acesso em 2018 Jan 10];6(3):120-4. Disponível em: http://www.archhealthinvestigation.com.br/ArcHI/article/view/1918/pdf

Agudelo-Suárez AA, López-Vergel F, Alzate-Urrea S, López-Orozco C, Espinosa-Herrera E, Posada-López A, et al. Salud bucal y género en relación a la población adulta mayor atendida en la red hospitalaria pública de Medellín: los puntos de vista del personal de salud. Univ Salud [Internet]. 2016 [acesso em 2018 Jul 1];18(1):58-68. Disponível em: http://www.scielo.org.co/pdf/reus/v18n1/v18n1a07.pdf

Soares CF, Heidemann ITSB. Promoção da saúde e prevenção da lesão por pressão: expectativas do enfermeiro da atenção primária. Texto & Contexto Enferm [Internet]. 2018 [acesso em 2018 Jan 9];27(2):e1630016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v27n2/0104-0707-tce-27-02-e1630016.pdf

Santili PGJ, Tonhom SFR, Marin MJS. Educação em saúde: algumas reflexões sobre sua implementação pelas equipes da estratégia saúde da família. Rev Bras Promoç Saúde [Internet]. 2016 [acesso em 2018 Jan 9];29(Supl):102-10. Disponível em: http://periodicos.unifor.br/RBPS/article/view/6411/5218

Ochoa AMG. Educación y salud: dos campos de intervención, un interés común. Rev Colomb Educ [Internet]. 2013 [acesso em 2018 Jan 10];65:123-52. Disponível em: http://www.scielo.org.co/pdf/rcde/n65/n65a07.pdf

Mallmann DG, Galindo NM Neto, Sousa JC, Vasconcelos EMR. Educação em saúde como principal alternativa para promover a saúde do idoso. Ciênc Saúde Colet [Internet]. 2015 [acesso em 2018 Fev 16];20(6):1763-72. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v20n6/1413-8123-csc-20-06-1763.pdf

Janini JP, Bessler D, Vargas AB. Educação em saúde e promoção da saúde: impacto na qualidade de vida do idoso. Saúde Debate [Internet]. 2015 [acesso em 2018 Jul 1];39(105):480-90. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v39n105/0103-1104-sdeb-39-105-00480.pdf

Lima ES, Oliveira APP, Esteves AVF. Cuidar do idoso na atenção primária de saúde: dificuldades enfrentadas pelo enfermeiro. REAS [Internet]. 2018 [acesso em 2018 Jul 12];10(1):1395-403. Disponível em: https://www.acervosaude.com.br/doc/REAS118.pdf

Campos GWS. Subjetividade e administração de pessoal: considerações sobre modos de gerenciar o trabalho em equipes de saúde. In: Merhy EE, Onocko R, organizadores. Agir em saúde: um desafio para o público. São Paulo: Hucitec; 1997. p. 229-66.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2019.8367

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia