Práticas de atividade física e esporte no Brasil

Sarah Souza Pontes, Alana Merces Silva, Laíza Muniz de Santana Santos, Brendo Vitor Nogueira Sousa, Elenilda Farias de Oliveira

Resumo


Objetivo: Caracterizar os praticantes de esporte e atividade físicas no Brasil por meio da estratificação dos resultados da Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio. Métodos: Trata-se de estudo ecológico de análise estatística descritiva, realizada com dados secundários em nível nacional por meio da Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio do ano de 2015, com 71.142 mil pessoas de 151.189 mil unidades domiciliares distribuídas por todas as Unidades da Federação. Realizou-se análise estatística descritiva, sendo organizadas variáveis qualitativas em tabelas e gráficos, através do teste qui-quadrado, considerando p≤0,05. Resultados: Constatou-se o Distrito Federal como o estado que mais realiza atividade física no país (30,9%) e o Mato Grosso o que menos realizou no período estudado (8,4%). Em relação ao esporte, Alagoas encontra-se como o estado que menos praticou esporte (17%) e o Amazonas o que mais o fez (30,7%). Percebeu-se ainda uma relação positiva entre a prática de atividade física e do esporte e a renda per capita por domicílio evidenciando que, quanto maior a renda, maior a prática dessas atividades. Quanto ao estado civil, nota-se que os autodenominados solteiros são os que mais praticam ambas as modalidades (esporte 27% e atividade física 18%), com diferenças significativas. Conclusão: Os praticantes de esporte e atividade física no Brasil no ano de 2015 caracterizam-se por serem do sexo masculino, com maior nível de escolaridade e renda, solteiros e que buscavam essas atividades a fim de melhorar sua qualidade de vida e o bem-estar.

Palavras-chave


Atividade Motora; Exercício; Esforço Físico

Texto completo:

PDF/A PDF/A (English)

Referências


Zamai CA. Impacto das atividades físicas nos indicadores de saúde de sujeitos adultos: programa mexa-se [tese]. São Paulo: Universidade Estadual de Campinas; 2009.

World Health Organization. Recomendaciones mundiales sobre actividad física para la salud [Internet]. 2010; [acesso em: 2018 jun 05] Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/44441/9789243599977_spa.pdf;jsessionid=2945859E660C04064D44795158BA4B9D?sequence=1

Zamai CA, Bankoff ADP. A Ciência e a pesquisa em ação: atividades físicas, saúde e qualidade de vida: pesquisas e relatos de experiências. Jundiaí: Editora Paco; 2016.

Carvalho FFB, Nogueira JAD. Práticas corporais e atividades físicas na perspectiva da promoção da saúde na atenção básica. Ciênc Saúde Colet [Internet]. 2016;21(6):1829-38.

Malta DC, Moura EC, Castro AM, Cruz DKA, Morais OL Neto, Monteiro CA. Padrão de atividade física em adultos brasileiros: resultados de um inquérito por entrevistas telefônicas, 2006. Epidemiol Serv Saúde. 2009;18(1):7-16.

Knuth AG, Malta DC, Dumith SC, Pereira CA, Morais Ol Neto, Temporão JG; et al. Prática de atividade física e sedentarismo em brasileiros: resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) - 2008. Ciênc Saúde Colet. 2011;16(9):3697-705.

Viana KP, Santos AB, Luiz RR. Localização das famílias e de saúde auto-avaliada entre adultos brasileiros que vivem nas grandes cidades: Análise multinível. Rev. Saúde Pública e Epidemiol. 2015;7(3):98-107.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Prática de esporte e atividade física: 2015. Rio de Janeiro: IBGE; 2017.

Pinheiro LE, Trindade RFC, Silva MAI, Machado DRL, Santos CB. Prática de atividade física de escolares do 4º e 5º do ensino fundamental da rede pública estadual. Rev Bras Med Esporte. 2017;23(4):308-12.

Loch MR, Rodrigues CG, Teixeira DC. Where are the men? Where are the people who live far away? Where are the young?….? Profile of users of physical activity programs offered by Family Health Suport Centers. Rev Bras Ciênc Esporte. 2013;35(4):947-61.

Silva ICM, Knuth AG, Mielke GI, Azevedo MR, Gonçalves H, Hallal PC. Trends in leisure-time physical activity in a Southern Brazilian city: 2003-2010. J Phys Act Health. 2014;11(7):1313-17.

Mielke GI, Hallal PC, Rodrigues GBA, Szwarcwald CL, Santos FV, Malta DC. Prática de atividade física e hábito de assistir à televisão entre adultos no Brasil: Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(2):277-86.

Freire RS, Lélis FLO, Fonseca JA Filho, Nepomuceno MO, Silveira MF. Prática regular de atividade física: estudo de base populacional no norte de Minas Gerais, Brasil. Rev Bras Med Esporte. 2014;20(5):345-49.

Tassitano RM, Mielke GI, Carvalho WRG, Oliveira MM, Malta DC. Tendência temporal de indicadores da prática de atividade física e comportamento sedentário nas capitais da Região Nordeste do Brasil: 2006-2013. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2015;20(2):152-64.

Malta DC, Andrade SSA, Santos MAS, Rodrigues GBA, Mielke GI. Tendências dos indicadores de atividade física em adultos: conjunto de capitais do Brasil 2006-2013. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2015;20(2):141-51.

Karusisi N, Thomas F, Méline J, Chaix B. Spatial accessibility to specific sport facilities and corresponding sport practice: the RECORD Study. Int J Behav Nutr Phys Act. 2013;10(48):1-10.

Bauman AE, Reis RS, Sallis JF, Wells JC, Loos RJF, Martin BW. Correlates of physical activity: why are some people physically active and others not? Lancet. 2012;380(9838):258-71.

Mielke GI, Hallal PC, Malta DC, Lee IM. Time trends of physical activity and television viewing time in Brazil: 2006-2012. Int J Behav Nutr Phys Act. 2014;11:101.

Gallegos AG, Extremera AB, Sánchez-Fuentes JA, Martinez-Molina M. Motivational profiles of autonomy support, self-determination, satisfaction, importance of physical education and intention to partake in leisure time physical activity. Cuad Psicol Deporte. 2014;14(2):59-70.

Gonçalves MP, Alchieri JC. Motivação à prática de atividades físicas: um estudo com praticantes não-atletas. Psico-USf. 2010;15(1):125-34.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2019.8406

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia