Percepções da equipe de enfermagem acerca da humanização em terapia intensiva

Ariane da Silva Castro, Éder Luís Arboit, Gabriela Zenatti Ely, Cristiane Appio Motta Dias, Jaqueline Arboit, Silviamar Camponogara

Resumo


Objetivo: Conhecer as percepções da equipe de Enfermagem acerca da humanização da assistência em Unidade de Terapia Intensiva. Métodos: Estudo com abordagem qualitativa realizado em 2017, em uma instituição hospitalar cujos participantes foram quatro enfermeiros e oito técnicos de enfermagem atuantes na Unidade de Terapia Intensiva Adulto de um hospital do interior do Rio Grande do Sul, Brasil. A coleta de dados ocorreu por meio de entrevista semiestruturada. Os dados foram analisados pela análise temática, a partir da qual emergiu uma categoria temática, qual seja: O cotidiano de trabalho na Unidade de Terapia Intensiva no contexto da humanização da assistência. Resultados: Os achados revelam que os profissionais percebem a importância da assistência qualificada, embasada numa prática acolhedora e humanizada. Apontam a importância de atender não somente às necessidades biológicas dos pacientes por eles assistidos, mas o uso da comunicação como prática intimamente relacionada com a humanização do cuidado. No entanto, pode-se identificar, por vezes, a falta de conhecimento em relação à política nacional de humanização. Conclusão: O estudo traz subsídios para que os profissionais de Enfermagem possam re(pensar) a sua prática assistencial, tendo em vista aliar a alta densidade tecnológica com a humanização e a segurança do paciente em terapia intensiva.

Palavras-chave


Profissionais de Enfermagem; Humanização da Assistência; Unidades de Terapia Intensiva.

Texto completo:

PDF/A PDF/A (English)

Referências


Santos ES, Gastaldi AB, Montezeli JH, Garanhani ML. Acolhimento e processo educativo em saúde a familiares de pacientes internados em UTI adulto. Ciênc Cuid Saúde. 2016;15(4):639-46.

Escudero D, Viña L, Calleja C. Por una UCI de puertas abiertas, más confortable y humana. Es tiempo de cambio. Med Intensiva. 2014;38(6):337-402.

Machado ER, Soares NV. Humanização em UTI: sentidos e significados sob a ótica da equipe de saúde. Rev Enferm do Cent-Oeste Min. 2016;6(3):2342-8.

Ministério da Saúde (BR). Manual do Humaniza SUS [Internet]. 2003 [acesso em 2008 Fev 5]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/humanizaSus.pdf.

Ministério da Saúde (BR). Programa Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar. Brasília: Ministério da Saúde; 2001.

Luiz FF, Caregnato RCA, Costa MR. Humanização na terapia intensiva: percepção do familiar e do profissional de saúde. Rev Bras Enferm. 2017;70(5):1095-103.

Massaroli R, Gue Martini J, Massaroli A, Delacanal Lazzari D, Nunes de Oliveira S, Pedroso Canever B. Trabalho de enfermagem em unidade de terapia intensiva e sua interface com a sistematização da assistência. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2015;19(2):252-8.

Souza-Silva JC, Martins CA, Barbosa MA. Rede de atenção à saúde: percepção de usuárias do Sistema Único de Saúde. Rev Bras Promoç Saúde. 2016;29(Supl):44-50.

Malta DC, Reis AAC, Jaime PC, Morais OL Neto, Silva MMA, Akerman M. Brazil’s Unified Health System and the National Health Promotion Policy: prospects, results, progress and challenges in times of crisis. Ciênc Saúde Colet. 2018;23(6):1799-809.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Assistência a Saúde. Cartilha Humaniza SUS. Política Nacional de Humanização – PNH. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Mongiovi VG, Anjos RCCBL, Soares SBH, Lago-Falcão TM. Reflexões conceituais sobre humanização da saúde: concepção de enfermeiros de Unidades de Terapia Intensiva. Rev Bras Enferm. 2014;67(2):306-11.

Pascuci L, Meyer V Jr , Nogueira EE, Forte LT. Humanization in a hospital: a change process integrating individual, organizational and social dimensions. J Health Manag. 2017;19(2):1-20.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14ª ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

Hospital Regional Santa Lúcia [Internet]. 2018 [acesso em 2019 Fev 14]. Disponível em: https://www.hospitalsantalucia.com.br

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad Saúde Pública. 2008;24(1):17-27.

Brasil. Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012: diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União; Brasília, 13 Jun 2013.

Sanches RCN, Gerhardt PC, Rêgo AS, Carreira L, Pupulim JSL, Radovanovic CAT. Percepções de profissionais de saúde sobre a humanização em unidade de terapia intensiva adulto. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2016;20(1):48-54.

Soares MI, Resck ZMR, Terra FS, Camelo SHH. Sistematização da assistência de enfermagem: facilidades e desafios do enfermeiro na gerência da assistência. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2015;19(1):47-53.

Correio RAPPV, Vargas MAO, Carmagnani MAS, Ferreira ML, Luz KR. Desvelando competências do enfermeiro de terapia intensiva. Enferm Foco. 2015;6(1/4):46-50.

Evangelista VC, Domingos TS, Siqueira FPC, Braga EM. Equipe multiprofissional de terapia intensiva: humanização e fragmentação do processo de trabalho. Rev Bras Enferm. 2016;69(6):1099-107.

Oliveira APC, Coelho MEAA, Almeida VCF, Lisboa KWSC, Macêdo ALS. Sistematização da assistência de enfermagem: implementação em uma unidade de terapia intensiva. Rev RENE. 2012;13(3):601-12.

Chaves LDP, Laus AM, Camelo SH. Ações gerenciais e assistenciais do enfermeiro em unidade de terapia intensiva. Rev Eletrônica Enferm. 2012;14(3):671-8.

Araujo JD Neto, Silva ISP, Zanin LE, Andrade AP, Moraes KM. Profissionais de saúde da unidade de terapia intensiva: percepção dos fatores restritivos da atuação multiprofissional. Rev Bras Promoç Saúde. 2016;29(1):43-50.

Mororó DDS, Enders BC, Lira ALBC, Silva CMB, Menezes RMP. Análise conceitual da gestão do cuidado em enfermagem no âmbito hospitalar. Acta Paul Enferm. 2017;30(3):323-32.

Cardoso OP Jr, Pinto JMS. Quando a vida começa diferente: cuidado postural no cotidiano da equipe multiprofissional em terapia intensiva pediátrica. Tempus. 2016;10(4):83-100.

Rico LR, Marsans MC, Márquez CM, Borrás AM, Riba LS, Savall DT, et al. Relaciones interdisciplinarias y humanización en las unidades de cuidados intensivos. Enferm Intensiva. 2006;17(4):141-53.

Andrade CG, Costa SFG, Lopes MEL. Cuidados paliativos: a comunicação como estratégia de cuidado para o paciente em fase terminal. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(9):2523-30.

Backes MTS, Erdmann AL, Büscher A. The Living, dynamic and complex environment care in intensive care unit. Rev Latino-Am. Enfermagem. 2015;23(3):411-8.

Silveira de Carli B, Ubessi LD, Pettenon MK, Righi LB, da Rosa Jardim VM, Fernandes Stumm EM. The humanization theme in intensive care in health studies. Rev Pesqui Cuid Fundam. 2018;10(2):326-33.

Félix TA, Ferreira FV, Oliveira EN, Eloia SC, Gomes BV, Eloia SMC. Prática da humanização na visita em unidade de terapia intensiva. Revista Enfermagem Contemporânea. 2014;3(2):143-53.

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Promoção da Saúde: documento para discussão. Brasília: MS; 2002.

Deslandes SF. Análise do discurso oficial sobre a humanização da assistência hospitalar. Cienc Saúde Colet. 2004;9(1):7-14.

Figueiredo MCCM, Ferreira TN, Almeida FCA, Araújo AM, Araújo PE, Souza KBS, et al. Cuidado humanizado ao paciente crítico: uma revisão integrativa. Rev Saúde Ciênc [Internet]. 2018 [acesso em 2019 Fev 18];7(1):94-101. Disponível em: http://www.ufcg.edu.br/revistasaudeeciencia/index.php/RSC-UFCG/article/view/513




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2019.8668

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia