Impacto de um programa de tratamento em pacientes com alterações na coluna

Ana Paula Nassif Tondato da Trindade, Ritta de Cássia Canedo Oliveira Borges, Cléria Maria Lobo Bittar

Resumo


Objetivo: Avaliar o impacto de um programa de tratamento fisioterápico em pacientes com alterações na coluna. Métodos: Trata-se de um estudo experimental, longitudinal, quantitativo, realizado no município de Araxá, Minas Gerais, Brasil. Participaram 81 pacientes do projeto Escola da Coluna, entre os meses de maio 2016 a abril de 2017, que deveriam apresentar alguma patologia de coluna, com encaminhamento médico específico e concordar em participar do projeto. Os participantes foram submetidos ao Pilates ou à Reeducação Postural Global, duas vezes por semana durante três meses de tratamento, em grupo, com duração média de 50 minutos. Realizou-se avaliação inicial e final dos distúrbios osteomusculares pelo questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares e avaliação do nível de incapacidade de pelo índice de Owestry. Ao final do programa os pacientes responderam a um questionário para avaliar a satisfação com os resultados obtidos. Resultados: Os participantes tinham idade média de 49,7±12,34 anos. A média obtida com o questionário Owestry foi de 16,65±8,08 antes da intervenção e 11,63±7,89 após a intervenção. Houve maior proporção de dor incapacitante moderada (50,6%, n=41) antes do tratamento passando para 100% de dor incapacitante leve. Em relação aos resultados obtidos pelo questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares, a maioria (76,5%, n=62) apresentou dor na região lombar, seguido pelo pescoço e região dorsal, ambas com 49,4%, n=40. Conclusão: O programa de tratamento fisioterápico, por meio da Escola de Coluna, propiciou melhora geral no quadro clínico dos pacientes, principalmente na funcionalidade, limitação e dor.

Palavras-chave


Promoção de Saúde; Dor nas Costas; Postura.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Lavras C. Atenção primária à saúde e a organização de redes regionais de atenção à saúde no Brasil. Saúde Soc. 2011;20(4):867-74.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Políticas de Saúde. Projeto Promoção da Saúde. As cartas da Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Chaves LA, Jorge AO, Cherchiglia ML, Reis IA, Santos MAC, Santos AF; et al. Integração da atenção básica à rede assistencial: análise de componentes da avaliação externa do PMAQ-AB. Cadernos de Saúde Pública [online]. 2018;34(2):e00201515.

World Health Organization. Traditional medicine strategy 2002-2005. Geneva: WHO; 2002.

Azevedo E, Pelicioni MCF. Práticas integrativas e complementares de desafios para a educação. Trab Educ Saúde. 2011;9(3):361-78.

Telesi E Jr, Carvalho YM, Scarcelli IR, Salles SAC, Boaretto RC, Schveitzer MC. Práticas integrativas e complementares em saúde. Congresso Internacional de Humanidades & Humanização em Saúde. 31 março a 01 Abril; São Paulo. Blucher Medical Proceedings. 2014;1(2):10.

Geniole LAI, Kodjaoglanian VL, Vieira CCA, organizadoras. Política Nacional de práticas integrativas e complementares no SUS / organizadores: Leika Aparecida Ishiyama Geniole, Vera Lúcia Kodjaoglanian, Cristiano Costa Argemon Vieira. Campo Grande (MS): Ed. UFMS; 2011.

Hoy D, March L, Brooks P, Blyth F, Woolf A, Bain C; et al. The global burden of low back pain: estimates from the Global Burden of Disease 2010 study. Ann Rheum Dis. 2014;73(6):968-74.

Noll M, Vieira A, Darski C, Candotti CT. Escolas posturais desenvolvidas no Brasil: revisão sobre os instrumentos de avaliação, as metodologias de intervenção e seus resultados. Rev Bras Reumatol. 2014;54(1):51-8.

Houngbedji GM, Mitchai PM, Alagnide E, Kpadonou TG. Effectiveness of a back-school group active therapy in patients with chronic non-specific low back pain. Ann Phys Rehabil Med. 2017;60(supl):e18-21.

Bottamedi X, Ramos JS, Arins MR, Murara N, Woellner SS, Soares AV. Programa de tratamento para dor lombar crônica baseado nos princípios da Estabilização Segmentar e na Escola de Coluna. Rev Bras Med Trab. 2016;14(3):206-13.

Vigatto R, Alexandre NM, Correa HR Filho. Development of a Brazilian Portuguese version of the Oswestry Disability Index: cross-cultural adaptation, reliability, and Validity. Spine, 2007;32(4):481-6.

Smeets RJ, Wittink H, Hidding A, Knottnerus JA. Do patients with chronic low back pain have a lower level of aerobic fitness than healthy controls?: are pain, disability, fear of injury, working status, or level of leisure time activity associated with the difference in aerobic fitness level?. Spine. 2006;31(1):90-7.

Falavigna A, Righesso O Neto, Teles AR. Avaliação clínica e funcional no pré-operatório de doenças degenerativas da coluna vertebral. Coluna. 2009;8(3):245-53. 15. Pinheiro FA, Troccoli BT, Carvalho CV. Validação do Questionário Nórdico de sintomas osteomusculares como medida de morbidade. Rev Saúde Pública. 2002;36(3):307-12.

Barros EN, Alexandre NM. Cross-cultural adaptation of the Nordic musculoskeletal questionnaire. Int Nurs Rev. 2003;50(2):101-8.

Silva PHB, Silva DF, Oliveira JKS, Oliveira FB. Efeito do método Pilates no tratamento da lombalgia crônica: estudo clínico, controlado e randomizado. BrJP. 2018;1(1): 21-8.

Oliveira MM, Andrade SSCA, Souza CAV, Ponte JN, Szwarcwald CL, Malta DC. Problema crônico de coluna e diagnóstico de distúrbios osteomusculares relacionadas ao trabalho (DORT) autorreferidos no Brasil: Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(2):287-96.

Longen WC, Barcelos LP, Karkle KK, Schutz FS, Valvassori SS, Victor EG; et al. Avaliação da incapacidade e qualidade de vida de trabalhadores da produção de indústrias cerâmicas. Rev Bras Med Trab. 2018;16(1):10-8.

Silva JS Jr, Buzzoni GP, Morrone LC. Queixas osteomusculares dos trabalhadores e condições biomecânicas no trabalho em metalúrgica de alumínio. Rev Bras Med Trab. 2016;14(2):115-9.

Trindade APNT, Gomes TCR, Castro LFA, Balieiro LC, Bittar CML. Relação de dor osteomuscular e a qualidade de vida dos militares do batalhão do corpo de bombeiros de Araxá – MG. Cinergis. 2016;17(4):292-6.

Lopes TM, Casa AJ Jr. Avaliação da capacidade funcional e da qualidade de vida de indivíduos com dor lombar inespecífica. Estudos. 2014;41(2):223-35.

Bartz PT, Bueno AF, Vieira A. Grupo da Coluna na Atenção Básica. Cad Edu Saude E Fis. 2015;2(3):53-65.

Silva MR, Ferretti F, Lutinski JA. Dor lombar, flexibilidade muscular e relação com o nível de atividade física de trabalhadores rurais. Saúde Debate. 2017;41(112):183-94.

Veronesi JR Jr, Tomaz C. Efeitos da reeducação postural global pelo método RPG/RFL na correção postural e no reequilíbrio muscular. Fisioter Mov. 2008; 21(3):127-37.

Tesser CD. Práticas integrativas e complementares e racionalidades médicas no SUS e na atenção primária à saúde: possibilidades estratégicas de expansão. JMPHC. 2017;8(2):216-32.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2018.8748

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia